Visitando uma aldeia indígena no Amazonas

aldeia indígena

Nesse post vou falar da última parte do passeio de 1 dia que eu fiz com a Amazing Tours pelo Amazonas. Na primeira parte eu falei sobre o encontro das águas, que é onde os rios Negro e Solimões se unem para formar o Rio Amazonas, no segundo post eu falei sobre a experiência de nadar com os botos cor de rosa no Rio negro e agora vou falar como foi a visita a aldeia indígena.

Depois de visitar o flutuante dos botos, nós atravessamos o largo Rio Negro em direção a aldeia Tupé das etnias Dessanos e Tucanos. A viagem demorou uns 10 minutos, era exatamente do outro lado do rio e atracamos em uma plataforma na beira da mata.

O pajé

O pajé

Chegando na aldeia, o pajé nos deu as boas vindas e fomos convidados para entrar na oca principal. O lugar é enorme, chão de terra batida e paredes e teto de sapê. O pajé explicou a origem da tribo e o modo de vida deles.

Vida simples

Vida simples

É uma vida muito simples, não existe nenhum sinal do mundo moderno. Não tem energia elétrica, água encanada e tão pouco esgoto. Eles plantam e caçam o que comem, vivem da terra e para a terra.

Durante a visita, a tribo preparou uma pequena demonstração dos rituais típicos. Dançaram, tocaram instrumentos e no fim nos convidaram para a cerimônia. Os índios escolhem os visitantes, pegam pela mão e nos levam para o ritual.

Ritual

Ritual

Danças

Danças

Esse ritual é feito completo quando uma tribo recebe outra e tudo dura 24 horas sem parar, dia e noite. No fim, a tribo anfitriã presenteia os visitantes com todos os instrumentos usados nas festividades. Durante a visita também podemos andar por toda aldeia e comprar artesanato típico.

Visitar a tribo e conhecer o modo de vida da tribo, foi como uma viagem no tempo, de quando o Brasil foi descoberto. Um modo primitivo, sem nenhum sinal de toda modernidade que nós temos no nosso dia a dia e de certa forma, tão perto de um grande centro urbano como Manaus.

Beleza indígena

Beleza indígena

Parte do ritual

Parte do ritual

Todos usam pinturas diferentes

Todos usam pinturas diferentes

Máscaras contra maus espíritos

Máscaras contra maus espíritos

Pequenos curumins

Pequenos curumins

 

Leia também:
Amazonas: encontro das águas
Nadando com os botos no amazonas
Todos os posts sobre o Amazonas


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


Em fevereiro de 2016 eu fiz os passeios pelo Amazonas a convite da Amazing Tours. O Vou na Janela só aceita parcerias com empresas e serviços em que realmente confia e recomenda.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

2 Comentários

  • Responder fevereiro 13, 2017

    cynthia

    olá, Fabrício!
    esse não é um “modo de vida indígena pasteurizado”, pra turista ver? já li uns posts por exemplo falando sobre algumas comunidades ribeirinhas que não estão preservando o ecossistema, apenas visando o lucro….

    obrigada pelos seus pontos de vista!
    até logo!

    • mm
      Responder fevereiro 14, 2017

      Fabricio Moura

      Oi Cynthia, tudo bem? Hoje em dia é tão difícil saber o que é autêntico e o que não é. Essa tribo é claramente uma encenação, mas eu visitei populações ribeirinhas por contra própria e eu vi um modo de vida autêntico e bem sofrido, por sinal. Uma coisa que eu senti, e falo isso a nível mundial mesmo, é que a partir do momento em que o turismo demonstra interesse, as pessoas se vendem muito fácil, especialmente se for me lugares pobres.

      Obrigado pela mensagem

Deixe uma resposta