Como viajar mudou minha vida

mudou minha vida

Você deve estar acostumado a ouvir que viajar nos transforma, que nos transforma e muda as nossas vidas. E nesse momento você pode estar aí sentado na cadeira do trabalho lendo esse post e pensando que viajar é a solução rápida para todos nossos problemas. Viajar mudou minha vida, mas o que funcionou para mim, pode não funcionar com você.

Transformações precisam vir de dentro e você não precisa estar fazendo um mochilão para que essas mudanças na sua vida aconteçam. Algumas pessoas dizem que a gente precisa viajar para ser feliz, mas eu discordo, acho que felicidade a gente pode encontrar em todos os lugares. Isso é um mega clichê, mas é a mais pura verdade. E não é porque você está trabalhando 8 horas por dia em um escritório que não vai ser feliz. Tem muitas variáveis envolvidas aqui.

Eu sempre fui uma pessoa um pouco difícil de se relacionar, fechado, super protegido pelos meus pais, que erguia um muro em volta de mim e me isolava. Trabalhava demais, era workaholic e respondia emails durante as férias. Era um caso meio perdido. Olha outro clichê aqui, mas não estou testando a sua paciência.

Desde que eu comecei a viajar sozinho, de certa forma fui forçado a me relacionar com outras pessoas, lugares e quando você se permite, coisas boas acontecem. Perdi o medo do desconhecido, comecei a entender mais a minha posição no mundo e a transformar essa inquietação em motivação para buscar a minha felicidade.

O cara que entrava pelo portão de embarque era cada vez mais diferente daquele que saía no desembarque semanas depois. É muito comum as pessoas dizerem que “voltam de viagem se sentindo diferentes” e é verdade, mas você precisa estar apto a se transformar. É algo que transcende a lógica.

Fiquei mais sociável, flexível, tolerante, humano, confiante e comecei a perceber que algumas coisas que eu tinha idealizado para o meu futuro se resumiam em viver num mundinho com pessoas de mente pequena, egoísta e mesquinhas. Minha vida não cabia mais naquele meio burocrata, corporativo disfarçado onde um quer puxar o tapete do outro.

Para mim, romper essas correntes foi a libertação em busca da minha felicidade. Eu demorei anos para chegar até essa conclusão e foi só viajando que eu percebi que aquela não era a vida que eu queria. Você pode acordar um dia e descobrir a vida que você realmente quer, cada um tem a sua maneira.

Viajar me tirou da zona de conforto, mudou meus conceitos e adquiri valores que dinheiro nenhum no mundo poderia pagar. Fiz novos amigos, trouxe grandes histórias e expandi meus horizontes.

Sim, viajar mudou minha vida e não foi pouco.


Leia também:
Não viajo porque sou rico, viajo porque me programo
Viajar é bem mais que uma linda foto nas redes sociais
Já pensou em largar tudo e cair no mundo?
Se eu tivesse ouvido os conselhos do meu pai, estaria em casa vendo novela


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram.


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar