Novo imposto sobre viagens: o que muda mesmo?

Novo imposto

A notícia da semana sem dúvidas é o novo imposto de 25% para viagens internacionais e eu passei o dia vendo as pessoas se descabelando com isso. Mas olha, muita calma nessa hora pois a coisa não é tão ruim como parece.

O que eu vi foram poucos veículos explicando o que realmente vai acontecer de agora em diante de forma correta. Uma vergonha, a impressa tocou o terror sem explicar direito.

Vamos lá que eu vou explicar o que muda!

Quando a gente compra uma passagem aérea no exterior, de uma empresa aérea que não tem sede no Brasil (CNPJ), você já paga os 6,38% de IOF, não é assim? Isso não muda!

Se você reservar um hotel e pagar no ckeckin, se for em espécie você vai pagar o IOF referente ao câmbio da moeda local, sempre foi assim e continua sendo. Se você pagar lá fora no cartão, também vai pagar os 6,38% de IOF, nada mudou quanto a isso.

Mas então, o que muda?
Remessas para pagamento de produtos turísticos, na prática, se você – pessoa física – enviar algum dinheiro (fizer uma transferência bancária) para pagamento de uma reserva, pacote ou passeio no exterior, mas isso quase ninguém faz.

Porém, se você reservar um pacote por uma agência física ou virtual, com sede no Brasil, vai pagar os 25% e já vai vir cobrado na conta.

Por exemplo, aquele hotel que você reservou no Decolar e pagou em reais, o Decolar vai ter que enviar o pagamento da sua reserva para o hotel onde você irá se hospedar. Por conta do novo imposto, o Decolar vai ter que te cobrar os tais 25% para deixar esse valor aqui pro Governo e enviar a remessa pertinente a hospedagem para o hotel.

Quais alternativas?
No caso de hospedagens, fazer a reserva em sites tipo o Booking optando por fazer o pagamento no checkin, de preferência em espécie pois o IOF cobrado na hora de fazer o câmbio aqui no Brasil é de 0,38%, diferente dos 6,38% do cartão.

Compra de passagens aéreas de empresas brasileiras ou estrangeiras que tenham sede aqui e que você paga em reais, pois em teoria, o dinheiro está ficando aqui no Brasil.

Há quem aposte que esse imposto caia ou na pior das hipóteses, baixe para algo em torno de 6%, mas como vocês podem ver, tem alternativas. Vamos ficar espertos!


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

3 Comentários

  • Responder janeiro 28, 2016

    MUCIO BRETAS

    Interessante esta questão dos hotéis pois eu não sabia.

    • mm
      Responder janeiro 28, 2016

      Fabricio Moura

      Exatamente, Múcio!

  • Responder janeiro 29, 2016

    Mauriceia

    Eu fiquei com dúvida na passagem, vou comprar a minha pela Tam, não terá esse imposto?

Deixe uma resposta