A maravilha que é voar na classe econômica

classe econômica

Voar em classe econômica, sobretudo em um longo vôo diurno de 10 horas pode render boas histórias para contar para os amigos ou simplesmente para se assustar com o comportamento de alguns passageiros. Eu fiz um vôo Lisboa x São Paulo lá no fundão da classe econômica e para mim foi quase um estudo antropológico.

Embarcamos no Airbus da TAP que faria o vôo do Aeroporto da Portela até Guarulhos, já fiz esse vôo em uma outra ocasião e sempre muito tranquilo. A primeira diferença era a aeronave bem velha (18 anos de uso), sistema de entretenimento ultrapassado e poltronas bem apertadinhas, mas era o que tinha. A TAP ainda tem uns aviões bem velhos.

Do meu lado um casal com sua filha de uns 7 anos de idade, ele angolano e ela brasileira. Na minha frente um ator ex-Globo e atual Record, confesso que só fui descobrir o nome dele depois da viagem quando dei um Google em “ator ex-Globo e atual Record”, a lista foi grande, a Record é tipo um repositório de antigos globais e lá estava o moço que eu não vou dizer o nome.

Do outro lado do corredor uma mãe e filha, daquelas que ficam ligadas em tudo que acontece e na frente delas duas senhorinhas de cabelos de algodão, que acabaram profetizando uma das frases mais marcantes dessa viagem toda. Dá uma lida depois.

Antes da decolagem, a comissária da TAP deu um Kit de desenho pra menina do meu lado, a filha do casal. A menina desenhava quando a aeronave taxiava e por conta disso, teve que recolher a mesinha. Pronto, foi a primeira guerra a bordo! A criança chutava a cadeira na frente, gritava e fazia pirraça. Como lidar?

Após a decolagem eu peguei meu caderno e comecei a rascunhar alguns posts pro blog e esse texto começou a nascer naquele momento. A vizinha do outro lado do corredor esticava o pescoço ao máximo para ler o que eu escrevia e eu me divertia.

Minutos depois a criança ao lado começou a pedir “pãozinho fofinho” para os pais. Prontamente eles se mobilizaram para abrir malas e mais malas para encontrar o tão pãozinho que a menina tanto suplicava. Encontraram, ela deu uma mordida e jogou fora.

A hora mais esperada chegou! Pousar? Não, de comer! Eu adoro sentar no fundão do avião mas a comida leva uma eternidade para chegar até lá e quando chega, nem sempre tem opção “frango ou massa”. É o que tiver e olhe lá.

Primeiro a tripulação serviu as crianças, nesse momento ator ex-Globo se levantou e começou a gesticular no corredor do avião, apertando a luzinha para chamar a comissária, ele estava furioso. Me ajeitei na poltrona para entender melhor o que acontecia, meu momento fofoca. Ele estava bravo porque a tripulação estava servindo o almoço e se esqueceram dele. A comissária explicou que servem primeiro “os miúdos pois eles demoram mais a comer”. Não satisfeito ele argumentou que “tinha fome e queria comer já.” Confesso que fiquei com vergonha pelo moço.

Hora de servir os adultos e a medida que o carrinho vinha chegando, a minha preocupação maior era se ainda tinha vinho. Não estava sendo fácil lidar com todo aquele ego naquelas poltronas apertadas. A comida era boa até.

Passageiros alimentados, bandejas recolhidas, vou tentar tirar um cochilo! Quem eu quero enganar mesmo? O ator começa a causar mais uma vez: “Aeromoça, o ar condicionado está muito frio, suba a temperatura pois eu tenho gravação amanhã e não posso ficar sem voz”. Sério? Foi ignorado.

morta

Queria estar morta…

Atrás de mim dois caras aparentemente do leste europeu conversam eufóricos sobre conhecer o Brasil todo. Eles querem Rio, São Paulo, Buenos Aires, samba e amazônia. Manda mais clichês que tá pouco ainda.

Hora de ir no banheiro mas a fila não dá uma trégua. Pensa bem, 4 banheiros para mais de 200 pessoas da econômica. É desumano minha gente! Lá vou eu, sou o quarto da fila e a cada um que sai do banheiro meu temor aumenta, qual estado desse banheiro? Lá vou eu e qual a diferença de banheiro de avião para banheiro de ônibus? Nenhuma!

Hora de dormir! Vou conseguir, fé em Deus…Zzzzzz… Nossa, acho que dormi para caramba, deve estar chegando. Se passaram 30 minutos, não é possível! E assim foi, dorme e acorda, dorme e acorda.

Servem o lanche da tarde e finalmente o comandante anuncia o início da descida até Guarulhos! Acorda cambada! Levanta poltrona, guarda mesa, amarra o cinto, poltronas na vertical e vamos lá!

Pousamos! Não aguentava mais. Classe econômica maldita!

Quando vou viajar de novo mesmo?


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram.


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

15 Comentários

  • Responder janeiro 8, 2016

    Juliana Richter

    Ótimo post, adoro o seu bom humor!

    • mm
      Responder janeiro 8, 2016

      Fabricio Moura

      Obrigadooo!

  • Responder janeiro 8, 2016

    Camila

    Gente, sim! É isso mesmo e mais, sempre, rs… Dá-lhe bom humor pra aguentar tudo isso!

    • mm
      Responder janeiro 8, 2016

      Fabricio Moura

      Se Deus dá limões, faça uma limonada! =)

      Obrigado pela mensagem

  • Responder janeiro 8, 2016

    Diego

    hahahaha, que sofrência hein!? Ri demais da foto!

  • Responder janeiro 8, 2016

    Patricia

    classe econômico é um sofrimento! pra mim o pior já começa no embarque: vários brasileiros furando fila para entrar desesperadamente no avião e guardar as compras que fizeram na gringa. Aja paciência! rs

  • Responder janeiro 8, 2016

    Mauren

    Minha amiga recentemente voltou da Europa via Condor, que faz voo direto para Salvador, olha ela recomendou fortemente que qdo eu for gaste um pouco mais na volta e faça um up grade, pq o teu voo foi fichinha pelo q ela contou kkkkkkk

    • mm
      Responder janeiro 8, 2016

      Fabricio Moura

      O vôo nem foi tão ruim assim, o que rendeu o post foram as situações a bordo hahaha

      Obrigado pelo comentário

      =)

  • Responder janeiro 8, 2016

    Rachel Duarte

    Hahahahahaha esses voos longos de econômica sempre rendem alguma história. Por incrível que parece eu sempre sento perto de crianças, ou daquelas bem pirracentas ou algum bebê (que inevitavelmente chora quase o voo inteiro). Tb gosto de sentar no fundo mas sempre fico preocupada com a comida e com o vinho! Agora, achei muito injusto vc não falar quem é o ator! Fiquei muito curiosa com a estrela mais iluminada de todas!! Hahaha conta aí!!!

    • mm
      Responder janeiro 9, 2016

      Fabricio Moura

      hahahha olha, tínhamos que viajar juntos então. Somos dois premiados.

  • Responder janeiro 9, 2016

    Rafael Carvalho

    Muito bom. Me diverti lendo 😉

  • Eu devo ser a unica que não acha nenhum sofrimento viajar de econômica! O que me incomoda é o controle (tira casaco, sapado, cachecol, os liquidos, maquina fotografica) e depois guarda tudo, morro de medo de perder/esquecer algo!.
    E depois algumas pessoas mal educadas que fazem nosso voo virar um inferno. Uma mãe e flha ,os assentos da frente que não queriam compartilhar o compartimento de bagagens! Diziam que iria amassar as compras delas que estavam bem arrumadinhas. As pessoas na nossa frente que não levantam o assento na hora de comer (a pessoa de tras sofre), que molham todo o banheiro! Como eu consigo usar o banheiro, lavar e secar as mãos sem deixar nada molhado?
    Ou quando a pessoa da frente pege frango, abre, prova e não gosta e pede a massa? Eu que estou atras peço o frango e a comissaria diz que era o ultimo frango (que vai para o lixo, pois o cara abriu e provou).
    No meu ultimo voo foi uma curta distância, as duas portas do avião estavam abertas e eles avisaram MUITAS vezes para subir pela frente até tal fila e pela de tras o restante, e estava escrito na passagem! Mas quem diz? O povo quer tudo subir pela ftrente, mesmo se estão sentados, na ultima fila, e ai, quem “respeita” a regra (que parece logica) como eu, acaba sendo a ULTIMA pessoa a entrar no avião, pois era impossivel de passar. E quando cheguei não tinha mais lugar para colocar a minha bagagem de mão…

  • Responder janeiro 19, 2016

    Nadia Brauwers

    Gosto tanto de viajar que tudo isto eu aguento de boa….Parabéns pelo texto, adorei! Nadia.

  • Responder dezembro 30, 2016

    Fred

    ahahaha
    Excelente post, Fabrício!
    Realmente as vezes dá vergonha alheia do ser humano e seus umbigos… kkk

    O que me irrita mais nos voos são aquelas pessoas que quando o avião mal para e já começam a levantar para pegar suas bagagens… E isso com a luz do cinto ainda acesa. É tenÇo! hahaha

    • mm
      Responder dezembro 30, 2016

      Fabricio Moura

      Nossa, como me irrita aquele povo em pé esperando a porta abrir e às vezes demora uma vida. Afeeee

Deixe uma resposta