Como foi voar em um avião de quase 30 anos que foi da Panam

Panam

Viagens tem o poder de revelar boas surpresas e novas experiências, algumas totalmente inesperadas e são essas as mais memoráveis, como a que aconteceu comigo quando me preparava para embarcar em Lisboa para o Marrocos.

Eu faria meu voo na TAP Express, a nova marca da portuguesa TAP para voos regionais e para o norte da África. Meu voo seria operado por uma aeronave pequena, um ATR72 que já pertenceu a frota da Azul e hoje está voando com cores portuguesas.

O embarque do voo começou normalmente, mas um problema detectado na aeronave obrigou que os passageiros voltassem para o terminal. Não demorou para anunciarem que o ATR não tinha condições de voo e que seria remanejada uma outra aeronave.

Para minha surpresa e da maioria dos passageiros, embarcamos remotamente num antigo Fokker 100. Uma aeronave excepcional, fabricada na Holanda e que já fez parte da frota de grandes empresas mundo afora e ficou famoso no Brasil com a TAM nos anos 90.

 

O Fokker 100 no aeroporto de Marrakech

O Fokker 100 no aeroporto de Marrakech

O Fokker português nas cores da antiga PGA – Portugália Airlines é uma aeronave reserva na beira da aposentadoria, mas diante da falta de um avião para cobrir a rota entre Lisboa e Marrakech, a TAP mandou ligar os dois motores Rolls Royce e colocar o jato na ativa.

Em questão de uma hora o avião estava pronto para entrar em serviço. Alguns passageiros ficaram surpresos, outros assustados… Eu fiquei um pouco apreensivo, mas achei interessante pois nunca voei nesse avião antes.

Espaço muito generoso

Espaço muito generoso

Entrar no CS-TPC foi uma viagem no tempo, o avião preserva o interior que já não encontramos mais hoje em dia. Poltronas largas, de couro, com excelente espaço entre elas e um generoso apoio de braços.

Sinais de uma época que não volta mais, de quando voar era sinônimo de conforto, mas também de uma época em que só a elite voava.  Confesso que nem o cheiro de mofo incomodou.

Decolamos suavemente e o zumbido dos motores britânicos nos conduziu rumo ao sul e ao território africano. Uma forte turbulência na aproximação a Marrakech foi vencida com força pelo jato de pouco menos de 100 lugares.

Depois de um pouso suave, chegamos bem.

Como sou curioso, ao chegar no riad onde fiquei hospedado em Marrakech eu fiz questão de pesquisar o histórico daquele avião. Aí veio a surpresa! Ele foi encomendado pela Braniff, uma empresa americana que foi muito importante no seu tempo e que fechou as portas nos anos 80, construído para a gloriosa Panam em 1990 e incorporado a Portugália em seguida.

Histórico

Histórico

Agora sim, aquelas poltronas gostosas de couro azul fazem sentido. Eu voei num legítimo jato construído para a Panam, talvez, a empresa mais luxuosa da sua época e pude ter um gostinho de como deve ter sido cruzar o céu numa época em que voar era um acontecimento.

Provavelmente aquele foi um dos últimos voos dele, quem sabe o regresso a Lisboa terá sido o último?! Aviões tão antigos demandam mais manutenção e consomem mais combustível que os aviões modernos, espécies assim não tem muito lugar na eficiente aviação de hoje.

Mas uma salva de palmas para o valente jato holandês com seu invejável currículo de 26 anos de serviço.

E o que acontece quando um avião deixa de voar? Já falei disso aqui no blog, dá uma olhada.


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

5 Comentários

  • Responder janeiro 14, 2017

    Luciana

    Deve ser incrível cochilar numa poltrona dessa haha.

    • mm
      Responder janeiro 15, 2017

      Fabricio Moura

      Foi ótimo hahaha, não posso reclamar. Ah se ainda fosse assim.

  • Precisa ter muita coragem para voar num Fokker 100. Parabéns pela sua porque eu não teria !!!

  • Responder abril 28, 2017

    Alvaro Voos

    Quanta bobagem dizer que precisa coragem para voar no F100, quem fala isso é por que acreditou na mídia falaciosa daqui do Brasil na época do acidente da TAM.

    • mm
      Responder maio 7, 2017

      Fabricio Moura

      Amigo, onde você leu isso? Eu disse “Eu fiquei um pouco apreensivo, mas achei interessante pois nunca voei nesse avião antes.”

Deixe uma resposta