Como é voar com a Thai Airways International da Tailândia

Como é voar com a Thai Airways

Eu sempre tive a maior curiosidade sobre como é voar com a Thai Airways, a linha aérea de bandeira da Tailândia. Apesar da companhia não voar para o Brasil, eles são uma opção para quem viaja pelo sudeste asiático.

A Thai tem a seu principal hub no Aeroporto Internacional Suvarnabhumi em Bangkok e a partir dele cobre todo continente asiático, Oceania, Oriente Médio e Europa. Eles também operam várias frequências direto de Phuket para Ásia e Europa.

A companhia é considerada uma das melhores do mundo, já esteve entre as 10 maiores pelos principais rankings internacionais e hoje tem 4 estrelas na avaliação da Skytrax, que elege as melhores do mundo.

Eu fiz dois voos com eles, de Vientiane no Laos para Bangkok e Cingapura. Como foram voos e serviços distintos, vou dividir esse post em duas partes, primeiro vou falar como é voar com a Thai Airways do Laos para a Tailândia e depois até Cingapura.


Como é voar com a Thai Airways: Vientiane a Bangkok


A Thai opera dois voos diários de Vientiane, a capital do Laos até Bangkok. Um diurno e outro noturno, ambos non-stop.

Check-in

O Check-in foi feito direto no balcão do aeroporto de Vientiane, o terminal internacional deles é extremamente acanhado, um dos piores aeroportos por onde eu já passei. O atendimento é feito pelo pessoal do aeroporto, parecia ser um pessoal militar meio desconfiado de tudo. O procedimento foi extremamente lento pois eles faziam várias perguntas.

Queriam saber para onde mais eu iria depois de Vientiane, pediram pra ver todas as minhas reservas dos voos seguintes, isso nunca tinha me acontecido, achei bem estranho.

Check-in em Vientiane

Check-in em Vientiane

Sala de embarque em Vientiene

Sala de embarque em Vientiene


Embarque

O embarque começou pontualmente às 20h50, o voo estava marcado para partir às 21h50. Como o avião estava relativamente vazio, todo o procedimento de embarque foi rápido.

Uma coisa que já chama atenção na Thai é a simpatia dos comissários. Todos muito bem vestidos com uniformes em tom de lilás e rosa, uma variação das cores da companhia.

Todos os avisos eram feitos em tailandês e depois em inglês.


A aeronave

Até poucos dias esses voos eram operados com os antigos Boeing 737-400, que estão sendo retirados de operação na Thai e introduzidas novas aeronaves. Para o meu voo foi escalado um Airbus A330-300 com 4 anos de uso, a variação maior do -200, um modelo bem comum entre as companhias aéreas asiáticas.

Essa aeronave estava configurada em duas classes, com 36 poltronas na classe executiva (layout 2-2-2) e 263 na econômica (layout 2-4-2).

Poltronas da classe econômica

Poltronas da classe econômica

Internet a bordo

Internet a bordo

Com o aumento da capacidade, nosso voo estava relativamente vazio. Eu me sentei em uma poltrona junto a janela e como tinha um senhor do meu lado, eu troquei para a primeira fila que estava toda vazia.

A primeira coisa que a gente nota é a beleza da cabine, as cores dão um ar alegre. O espaço entre as poltronas também é excelente, voaria longas horas ali tranquilamente.

Na poltrona tinha um travesseiro de verdade e com fronha daquele material descartável dos travesseiros de avião. Também tinham cobertores a disposição.


Voo e serviço de bordo

O embarque foi super rápido e 20 minutos antes da hora da partida já estávamos fazendo o push-back.

Logo após a decolagem enfrentamos longos minutos de turbulência, nem a tripulação deixou seus assentos durante esse momento. Chovia muito em Vientiane naquela hora, a condição de voo só melhorou depois que atingimos a altitude de voo determinada até Suvarnabhumi.

Apesar de um voo curto, apenas 1 hora de duração, a Thai serviu um lanchinho.  Veio em uma caixinha um pastel assado com recheio de frango e cogumelos, estava meio sem sal, mas desceu bem. Junto dele um bolinho de cenoura.

Lanchinho

Lanchinho

Na bandeja eles já deixam uma toalhinha para limpar as mãos e uma garrafa de água. Para beber tinha sucos, café e chá. Mal deu tempo de comer já começamos a descida até Bangkok.

A aeronave tinha sistema de bordo individual, mas não estava disponível nessa viagem, acredito que por ser um voo bem curto. Mas as telas estavam ligadas mostrando os mapas de navegação.

Nos banheiros eles deixam uma colônia de jasmim para uso dos passageiros. Tem um cheirinho bom, mas meio enjoativo.

Banheiro da Thai

Banheiro da Thai

Detalhe para a colônia de Jasmim

Detalhe para a colônia de Jasmim

A chegada em Bangkok foi com chuva, o desembarque foi na pista pois era horário de pico no aeroporto, mas foi tudo muito tranquilo.

Após o desembarque eu passei pela área de trânsito e segui para a gigantesca sala de embarque do aeroporto. Como ia passar a noite no aeroporto, eles tem vários lounges gratuitos com sofás, poltronas e até chaises onde eu dormi por umas 3 horas até meu embarque para Cingapura.

Aeroporto de Bangkok

Aeroporto de Bangkok

Aeroporto de Bangkok

Aeroporto de Bangkok


Como é voar com a Thai Airways: Bangkok a Cingapura


A segunda etapa da minha viagem foi até o Aeroporto Internacional Changi em Cingapura, eleito o melhor aeroporto do mundo no ano passado e administrado pela mesma empresa que cuida do Aeroporto Galeão no Rio. O voo TG403 estava programado para ter 2h15 de duração e são operados com aeronaves Boeing 747-400.

Eu sempre sonhei em voar no 747, especialmente no -400, que já está abandonando as frotas das principais companhias aéreas, foi uma grande oportunidade para mim voar na aeronave que é chamada de “Queen of the skies” pelos admiradores.


Check-in

Como o check-in já foi feito em Vientiane, eu já cheguei em Bangkok com o cartão de embarque desse segundo trecho. A mala também seguiu direto para Cingapura.


Embarque

O embarque em Bangkok acontece de forma fracionada. Primeiro a gente acessa uma sala de embarque menor só destinada ao portão de onde sairá o voo. Depois é só aguardar a chamada do grupo de embarque.

Primeiro a Thai embarcou os passageiros preferenciais e os membros dos programas de fidelidade deles e classe executiva. Em sequência os passageiros das últimas seções do avião e o pessoal das primeiras fileiras.

O voo estava lotado e apesar do tamanho do avião, o embarque foi bem rápido.

Embarque

Embarque


A aeronave

Como disse acima, o voo foi operado por um Boeing 747-400 fabricado em 2001, por tanto, já está aí com seus 16 anos de uso e certamente será aposentado em breve.

A aeronave estava configurada em 9 assentos na primeira classe, 30 na executiva e 325 na classe econômica no layout 3-4-3. Mesmo com a alta densidade, a poltrona tem um ótimo espaço e apoio para os pés.

Excelente espaço das poltronas

Excelente espaço das poltronas

Apoio para os pés

Apoio para os pés

Apesar da idade do avião, ele teve o interior renovado e sistema de entretenimento atualizado há alguns anos. O avião estava como novo, certamente a manutenção da Thai é impecável.

Na poltrona tinha um travesseiro e fones de ouvido de boa qualidade. Tinham cobertores disponíveis também para quem solicitasse.


Voo e serviço de bordo

Nosso voo deixou o gate no horário, mas com o longo taxi até a pista e o tráfego naquela hora no aeroporto, saímos com alguns minutos de atraso, mas que foi perfeitamente corrigido em voo.

Pouco depois de atingirmos a altitude de cruzeiro, a tripulação distribuiu o formulário de imigração em Cingapura e em seguida começou a servir do café da manhã. Quem solicitou pedido especial de alimentação previamente, foi servido antes.

Café da manhã

Café da manhã

Como opção tinha frango ou omelete. Eu fui de omelete com queijo gruyère e veio acompanhado de batata rosti, tomate e salsicha de vitela. Também tinha um croissant, salada de frutas, manteiga, geleia e um suco com mix de frutas, mas tinham mais opções de sucos, além de café e chá. Vale dizer também que na bandeja veio uma toalha para higienização e os talheres de plástico, uma pena.

Depois de comer foi hora de testar o sistema de entretenimento de bordo. As telas são de 9 polegadas com touch screen e com ótima resposta. No braço da poltrona fica um controle remoto acoplado.

Sistema de entretenimento individual

Sistema de entretenimento individual

O catálogo era bom

O catálogo era bom

Achei o catálogo deles bom, mas nada excepcional. Não tinha uma variedade muito grande de filmes e séries. Achei os lançamentos ligeiramente atrasados em relação ao catálogo de outras empresas, mas para um voo de 2h15 foi mais que satisfatório, deu para ver um filme.

Uma detalhe que eu gostei foi a organização das opções, que são por gênero e região do mundo. Os mapas de navegação tinham várias opções, como relevo, 3D, com fuso horário, e realista, que usa imagens de satélite.

Controle remoto acoplado no braço da poltrona

Controle remoto acoplado no braço da poltrona

No bolsão da poltrona tinha a revista da empresa, Swaadee, que eu achei muito bem feita, com ótimas dicas de Cingapura, por sinal. Também tinha a revista do Duty Free a bordo.

Eu achei o banheiro do avião ligeiramente maior que de outras aeronaves, na pia tinha a mesma colônia de jasmim do voo anterior.

O voo teve momentos turbulentos mas em geral foi bem tranquilo e pousamos com muita suavidade em Cingapura.

Como é voar Thai

Como é voar com a Thai Airways


Conclusão


A minha curiosidade sobre de voar com a Thai sempre foi enorme, e a empresa não decepcionou. Boas e confortáveis aeronaves, bom serviço de bordo, opções de entretenimento e tripulação cordial.

A passagem é o dobro do que é cobrado pela Air Asia, mas lembrando que a low-cost cobra pela bagagem despachada, marcação de poltrona e refeições. Fora que as poltronas são bem apertadas e não tem sistema de entretenimento de bordo.

Acho que a Thai entrega o que promete e certamente voltaria a voar com eles em outra oportunidade.

Imagem de capa: Airliners.net

Postado em:
Quarta-feira, 14 de junho de 2017


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar