Dinheiro para viagem, o que levar?

Dinheiro para viagem

Essa é aquela dúvida cruel que bate todas as vezes em que estamos planejando uma viagem internacional. O que levar? Dinheiro, cartões de crédito ou débito? Ou levo de tudo um pouco.

Para clarear as ideias e te ajudar a decidir, vou falar um pouco de cada um deles e dizer no final o que eu vou fazer na minha próxima viagem.

Dinheiro em espécie

Independente do país, sempre leve dinheiro em espécie. Muitos lugares não aceitam cartão de crédito e acredite, até mesmo na Europa não são todos os estabelecimentos comerciais que os aceitam e para piorar, muitos lugares usam máquinas antigas que simplesmente não reconhecem nossos cartões. Já tive esse problema em um hotel em Londres no ano passado.

Além disso, é sempre bom ter uns trocados no bolso para comprar um bilhete de metro ou comprar uma água. Passei sede em Santiago pois só tinha notas de 10 mil pesos e as barraquinhas de rua não tem troco e tão pouco aceitam cartões.

Ainda sobre o dinheiro, tenha muito cuidado com suas notas. Nunca saia do hotel com todo seu dinheiro, leve somente o que pretende gastar naquele dia e nunca guarde tudo no mesmo lugar. Se o quarto do seu hotel não tem cofre, guarde seu dinheiro na mala trancada.

Para emergências, tenha sempre uma reserva guardada e mesmo que você não precise dela, poderá guardar para uma próxima viagem ou torrar sem dó no free-shop do aeroporto quando estiver voltando para o Brasil.

Cartão de crédito

Leve pelo menos dois cartões de crédito internacionais. Mesmo que você não vá usar ambos os cartões, deixe um guardado como reserva no cofre do hotel. Uso do cartão no exterior é sempre um assunto polêmico e eu só uso quando é favorável. Mas como saber?

Se a tarifa cobrada pela casa de câmbio for maior que os 6,38% do IOF, é mais interessante fazer suas compras no cartão. Mas não custa lembrar que como estamos vivendo um momento de grande oscilação cambial e a fatura do cartão vem em dólar com o  câmbio do dia do fechamento da fatura e não do dia em que você fez as suas compras, o valor que você pagará no final das contas poderá ser uma loteria. Lembrando que compras feitas no exterior não podem ser parceladas.

Na dúvida, use o dinheiro em espécie para pagar as suas contas, assim, você saberá exatamente quanto está custando para você.

Cartão de débito

Outra opção são os cartões de débito pré-pago. Até um tempo atrás era uma excelente opção para levar nas viagens, mas agora, assim como os cartões de crédito, nosso querido governo tem cobrado IOF de 6,38% nas operações realizadas com esses cartões no exterior. Mas ainda pode ser uma boa opção para quem quer ter um controle maior sobre o que está sendo gasto, além de que, com esses cartões é possível fazer saques em moeda local.

Vale saber

É importante dizer que muitos lugares exigem que você comprove financeiramente como se manterá naquele país durante a sua viagem. Seja mostrando quanto dinheiro você tem e quais cartões de crédito está levando.

Também é bom dizer que sempre que saímos ou entramos no Brasil, se estivermos levando uma quantia superior a 10 mil reais, precisamos declarar o valores para a Receita Federal por meio da Declaração Eletrônica de Bens de Viajante.

Levando seus cartões de crédito, nunca se esqueça de pedir para a operadora o desbloqueio para uso no exterior nos países por onde você passará. Além disso, tenha anotado o número do atendimento no exterior para caso você perca ou tenha o cartão roubado.

Então, o que levar?

Antes do nosso pobre real começar a se desvalorizar vertiginosamente frente ao dólar e a outras moedas mais poderosas, eu levava 80% do meu orçamento de viagem em dinheiro e 20% ficava na conta para poder sacar ou usar o cartão de crédito. Na minha próxima viagem eu não quero surpresas desagradáveis quando receber a fatura do cartão, por isso, vou levar todo orçamento em dinheiro e claro, vou levar os cartões de crédito para usar só em caso de vida ou morte.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

1 Comentário

  • Responder outubro 24, 2015

    Claudenice

    Olá! Suas dicas são fantásticas, com certeza irão ajudar muito, parabéns pela iniciativa!

Deixe uma resposta