Ainda é seguro viajar para Mianmar, no sudeste asiático?

Bagan

Eu tenho recebido muitas perguntas ultimamente sobre a questão da segurança no país asiático e se ainda é seguro viajar para Mianmar. O país vem passando por uma crise de violência que já causou o êxodo de mais de 400.000 pessoas para Bangladesh. Se você não sabia, é perfeitamente compreensível já que a mídia brasileira e internacional não vem dando atenção ao caso.

Para tentar resumir a situação em Mianmar, vamos entender que o país é de maioria budista e uma parcela da população é muçulmana, uma etnia conhecida como Rohingyas. Eles vivem em Mianmar há gerações, desde a época em que o território se chamava Birmânia, ou República Socialista da União da Birmânia no nome oficial, que foi integrante do Império Britânico até 1948.

Desde que o país se tornou independente, o governo nunca reconheceu os Rohingyas como cidadãos birmaneses, sendo confinados em um estado a oeste do país e sem direito a qualquer benefício que os cidadãos normais teriam.

Desde então, sempre houveram conflitos entre os birmaneses e os Rohingyas, mas desde agosto desse ano a coisa azedou de vez. E o exército de Mianmar vem promovendo uma matança sem precedentes dos Rohingyas.

Por isso eles estão fugindo de Mianmar para Bangladesh. Os que sobrevivem a longa jornada, estão levando uma vida miserável em um país onde a miséria já faz parte da vida da população.

Áreas de conflito em laranja e áreas visitadas em vermelho

Os Rohingyas vivem no estado de Rakhine, no extremo oeste do país, junto ao Oceano Índico, no lado oposto a Tailândia. Dá uma olhada no mapa ao lado para você entender onde acontecem os conflitos e onde ficam os lugares mais visitados do país.

O Foreign and Commonwealth Office do Governo Britânico (que ainda chama o país de Birmânia) liberou uma nota alertando a seus cidadãos e demais estrangeiros sobre áreas de conflito que devem ser evitadas a todo custo. São essas em laranja no mapa e inclui o estado de Rakhine e o norte do país.

Além disso, os britânicos alertam sobre o risco de atentados terroristas, aconselha evitar grandes aglomerações, não fotografar ou fazer vídeos da polícia, exército e instalações militares. Cuidado com o roubo de passaportes e cartões de crédito.

Leia o informe completo aqui

As regiões mais visitadas como Mandalay (a capital), Rangum e Bagan estão fora dessas áreas de conflitos. Apesar disso, eu não ficaria tranquilo visitando Mianmar neste momento.

Se por um lado a violência é direcionado a um alvo específico, eu não ficaria confortável em estar visitando um país que trata seus habitantes dessa forma.

Uma pena, pois Mianmar vinha se abrindo e estava sendo uma excelente opção de turismo no sudeste asiático. Eu fui a Mianmar em 2016 e realmente queria voltar, até agora.


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

2 Comentários

  • Responder outubro 14, 2017

    Pedro Henrique

    Boa tarde Fabricio, tudo bem?
    Estou planejando minha viagem para Asia, incluindo Yangon. Você acha que essa cidade vale a pena visitar? Dado o conflito atual estou em dúvida.

    • mm
      Responder outubro 16, 2017

      Fabricio Moura

      Yangon é classificada como segura, mas eu evitaria ir para o Mianmar agora, enquanto a situação geral lá não melhorar.

Deixe uma resposta