O que fazer em Gdansk na Polônia. Como chegar e onde ficar

Eu costumo dizer que a Polônia não decepciona quando falamos de cidades lindas e bem cuidadas. Daquelas que parecem formadas por casinhas de bonecas ou até mesmo um enorme cenário de construções de Lego. Na minha terceira visita ao país eu fui até a costa norte polonesa conhecer a igualmente linda Gdansk. E talvez você nunca tenha ouvido falar desse lugar, mas certamente irá te surpreender, vamos ver o que fazer em Gdansk na Polônia?

***

Antes de entrar no assunto, vou deixar linkado aqui embaixo alguns posts que eu escrevi sobre outras cidades polonesas por onde eu passei em viagens anteriores a esta. Se você estiver montando um roteiro na Polônia – algo que eu definitivamente recomendo – já vai favoritando estes textos.

Leia também:
Roteiro na Polônia: Cracóvia, Wroclaw, Poznan e Varsóvia
O que fazer em Varsóvia em 2 ou 3 dias
Roteiro em Cracóvia em 3 ou 4 dias
O que fazer em Wroclaw em 2 dias
O que fazer em Poznan em 2 dias

Aliás, recomendo assistir o meu vídeo com o que fazer em Gdansk.


Entendendo Gdansk


Gdansk é um dos mais famosos destinos poloneses, mas que não é muito conhecido pelos brasileiros. No entanto, os europeus e os asiáticos já vem colocando a cidade em seus roteiros há um tempinho.

A cidade é conhecida como a “capital portuária da Polônia”, obviamente por conta da sua localização junto ao Mar Báltico, mas também em razão da sua tradição marítima de mais de mil anos.

O que fazer em Gdansk
O que fazer em Gdansk

Entretanto, Gdansk se tornou conhecida por conta de um acontecimento trágico: a Segunda Guerra Mundial. Foi exatamente em Gdansk que a guerra começou. No dia 1º de setembro de 1939, a Alemanha de Adolf Hitler bombardeou Gdansk, dando início a invasão polonesa e a Segunda Guerra Mundial. 

Com a Polônia anexada à Alemanha, Hitler renomeou a cidade para Danzig, que nada mais é do que a tradução de “Gdansk” do polonês para o alemão. E na real, até hoje a cidade é conhecida por muitos como Danzig.

Com o fim da Guerra, a Polônia caiu nas mãos dos Soviéticos, se tornando um estado satélite da antiga União Soviética. E os soviéticos controlaram o país com mão de ferro até o fim dos anos 80. Com a queda da União Soviética, a Polônia finalmente se tornou um país livre.


Como chegar em Gdansk


Não é difícil imaginar que não existam voos diretos do Brasil para a Polônia, entretanto, você vai conseguir chegar em Gdansk a partir da maioria das capitais européias. Eu voei para lá saindo de Paris com uma conexão em Amsterdam voando com a KLM.

A cidade possui um aeroporto novinho e super moderno que recebe voos de grandes empresas internacionais como a Lufthansa e KLM. Mas também operam lá a Ryanair e a Wizzair, duas grandes empresas européias do segmento low cost.

O Aeroporto Lech Wałęsa de Gdansk é conectado à cidade por um moderno e barato serviço de trem. Ao desembarcar, basta seguir as marcações no piso para encontrar o acesso à estação de trens. Só é preciso ficar atento pois naquela plataforma passam trens para outras cidades, como a vizinha Gdynia. Cuidado para não confundir os nomes.

O que fazer em Gdansk
Acesso à estação de trens do aeroporto

O Uber funciona bem na Polônia e o valor da corrida vai girar em torno de 70 PLN (sigla internacional o Zloty, a moeda local), o que dá uns 80 reais. Já o táxi vai custar em torno de 100 PLN (a volta é mais barata). Contudo, fique atento pois em algumas ruazinhas do centro histórico de Gdansk, só podem entrar carros de serviço e os táxis. O que pode ser um problema caso você esteja usando o Uber.

Também é possível chegar facilmente em Gdansk de ônibus com a Flixbus que possui saídas de várias cidades polonesas e também de países vizinhos como Alemanha e República Tcheca.


Onde ficar em Gdansk


Em Gdansk existem opções de hospedagens para todos os gostos e orçamentos e de uma forma geral, a Polônia não é um país caro. Assim, é possível ficar em ótimos hotéis 4 ou 5 estrelas pagando menos do que em outros famosos destinos europeus.

Eu me hospedei no Holiday Inn Gdansk City Centre, que fica no coração do centro histórico da cidade, em uma ilha cercada de canais. Do quarto eu tinha uma vista linda dos canais que cortam a cidade. 

O Holiday Inn Gdansk City Centre é um hotel 4 estrelas, porém, mais confortável que muitos hotéis 5 estrelas pretensiosos. A minha dica é pegar um quarto com vista para os canais, é um pouco mais caro, contudo, vale muito a pena. O hotel tem diárias a partir de R$ 400 reais para o casal (dependendo da época do ano). E se você estiver em dúvida sobre pegar a opção com café da manhã, pode pegar pois vale cada centavo investido.

Quarto do Holiday Inn

Chip de internet na Polônia


Hoje em dia é praticamente impensável viajar para o exterior e ficar sem internet. Em todas as minhas viagens, eu sempre usei chips locais comprados em cada um dos destinos. Mas não era prático e muitas vezes caro. 

Até que eu descobri a Airalo e os eSIMs, chips virtuais com internet de qualidade em qualquer lugar do mundo, com ótimos preços e facilidade de compra e ativação.

Veja aqui como funciona

E se você usar o meu código “FABRIC8462” (sem as aspas), a Airalo vai dar um crédito de US$3 para você e para quem você indicar. Além disso, em toda compra que você fizer, a Airalo devolve automaticamente um crédito de 5% do valor da compra, que vai direto para o Airmoney.


O que fazer em Gdansk


Centro histórico

Certamente é a minha atividade favorita em qualquer canto do mundo, pois só assim, conhecemos mais as cidades. E a principal atração de Gdansk é a cidade em si. Por tanto, se me perguntar “o que fazer em Gdansk”, eu vou dizer: ‘ande muito pela cidade’. Mas eu vou ser mais específico, ok?

Gdansk em quase sua totalidade foi destruída pelos bombardeios nazistas. Sobretudo o centro histórico da cidade. E os poloneses fizeram um trabalho sensacional de reconstrução e hoje a cidade parece intacta. Em áreas que não foram reconstruídas, surgiram novos prédios, mas sempre respeitando a arquitetura típica. Inclusive, muitos prédios novos (como o hotel onde eu me hospedei) possuem linhas que seguem a arquitetura típica polonesa.

Centro histórico de Gdansk O que fazer em Gdansk
Centro histórico de Gdansk

Caminho Real (Rua Dluga)

É a principal rua do centro histórico e é conhecida assim pois era através dela que os Reis Poloneses entravam na cidade. O roteiro aqui começa pela Green Bridge, de onde temos uma vista de cartão postal da cidade.

Green Bridge e o Green Gate, que não é verde

Em uma das pontas da ponte fica o robusto Greengate – que não é verde –  e foi construído no século XVI para ser a residência dos monarcas poloneses durante as visitas oficiais a Gdansk, embora nenhum rei tenha oficialmente dormido ali.

Caminho Real

Atravessando o Greengate chegamos ao Caminho Real. Esse pedaço da rua é também conhecido como Long Market, pois era aqui que os comerciantes vendiam os seus produtos há alguns séculos. A mesma dinâmica também acontecia em outras cidades polonesas como Varsóvia, Cracóvia, Wroclaw e Poznan.

Fonte de Netuno

Por ser a principal rua do centro histórico, é ali que ficam uma infinidade de restaurantes, a fonte de Netuno, que é o símbolo da cidade em razão da sua ligação com o Mar Báltico, e a antiga prefeitura da cidade, que hoje funciona como Museu de Gdansk.

O caminho termina no Golden Gate, o antigo portão de saída da cidade, que virou pó durante a Segunda Guerra e foi reconstruído em 1957. Atualmente ele está passando por um processo de restauração.

Golden Gate

Igreja de Santa Maria (St. Mary’s Church)

A Igreja de Santa Maria poderia ser apenas mais uma bela igreja polonesa, daquelas que tem uns bons séculos de existência. A igreja começou a ser construída em 1342 e demorou cerca de 150 anos para ficar pronta. Porém, o que faz dela especial é o seu tamanho e método de construção. É a maior igreja construída inteiramente em tijolos do mundo e lá dentro cabem 25 mil pessoas.

O que fazer em Gdansk
Igreja de Santa Maria e as escadas por dentro da torre

Além disso, podemos subir até o topo de sua torre principal e lá de cima temos a mais bela vista de Gdansk. A subida é bem puxada, são 400 degraus e alguns trechos são bem estreitos e até mesmo perigosos, mas a subida vale a pena e portanto, não deixe de fora do seu roteiro com o que fazer em Gdansk.

Onde fica: Podkramarska 5
Horários:  Na primavera e verão ele abre das 10h até às 18h. No outono e no inverno o funcionamento é das 9h às 17h. Sempre de terça a domingo.
Quanto custa: Visitar a basílica é gratuito, mas para subir na torre é cobrada uma entrada de 15 PLN.

O que fazer em Gdansk
A vista privilegiada
O que fazer em Gdansk
Toda a cidade pode ser vista lá de cima

Mariacka Street

Mais uma rua bonitinha do centro histórico de Gdansk, que rende ótimas fotos. Mas é nesta rua que funciona o comércio de âmbar. Uma infinidade de jóias e souvenirs feitos artesanalmente a partir desta resina. Não é baratinho, mas tenha em mente que é algo único e feito manualmente.


Museu da Segunda Guerra Mundial

Como a Segunda Guerra Mundial começou em Gdansk, é de se esperar que a cidade tenha um museu dedicado a contar a história do conflito. O Museu da Segunda Guerra Mundial fica ao lado do centro histórico, a uma curta caminhada de 10 minutos.

Como eu estive em Gdansk no meio de uma sequência de feriados nacionais, o museu permaneceu fechado nos 3 dias em que eu estive lá. Mas pelo que eu li, ele é dividido em 3 partes que representam o passado (a guerra), o presente (incluindo a reconstrução da cidade e da Polônia) e o futuro. Certamente, vale a pena entrar no roteiro.

Onde fica: W. Bartoszewskiego 1
Horários:  De setembro a junho, terça 10h às 16h e de quarta a domingo das 10h às 18h. De julho a agosto, de terça a domingo das 10h às 20h. O Museu fecha às segundas e em feriados nacionais.
Quanto custa: A partir de 29 PLN e a entrada pode ser comprada pela internet com hora marcada. Recomendo comprar com antecedência.

O que fazer em Gdansk
Museu da Segunda Guerra Mundial

Andar nas margens do ​​Rio Motlawa

O Rio Motlawa e seus canais abraçam o centro histórico da cidade e andar nas suas margens é uma das atividades preferidas pelos visitantes. Eu perdi as contas de quantas vezes eu andei na margem daqueles canais.

Através destes canais, temos as vistas mais bonitas da cidade e nos canais acontecem diversas atividades, como pedalinhos, caiaques e passeios em barcos pequenos e grandes navios que eu já vou falar disso no próximo tópico.

O que fazer em Gdansk
Rio Motlawa

Passeio de barco

Por ser uma cidade cortada por canais – e que em muitos momentos me lembrou Amsterdam – Gdansk oferece vários tipos de passeios em seus rios e canais. Desde pedalinho, tour de caiaque e até os passeios mais populares que seguem em barcos maiores até a foz do Rio Motlawa no Mar Báltico. 

Os passeios mais procurados são feitos em grandes barcos como navios piratas. Os passeios saem de hora em hora e são sincronizados com as pontes móveis sobre o Rio Motlawa.

As pontes ficam suspensas por 30 minutos no começo de cada hora e inclusive, é interessante observar como o comportamento da cidade gira em torno dos horários de funcionamento das suas duas pontes móveis.

Onde fica: Nas margens do Rio Motlawa entre as pontes suspensar na margem oposta a Ołowianka.
Horários: Todos os dias a partir das 10h.
Quanto custa: O preço varia de acordo com o barco e o percurso. Recomendo escolher o seu passeio e comprar com antecedência através deste link.

O que fazer em Gdansk
Passeio de barco

O que fazer em Gdansk: quantos dias ficar e quando ir


Eu fiquei 3 dias em Gdansk e foi o suficiente. Contudo, se você dispor de menos tempo, em 2 dias dá para conhecer tudo sem correria.

Eu visitei a cidade na primavera (maio de 2023), fazia frio mas os dias eram lindos com céu azul e já estava anoitecendo mais tarde com a proximidade do verão.

No inverno (dezembro a fevereiro) é bem frio e costuma nevar bastante, com temperaturas quase sempre abaixo de zero. E eu não recomendo, pois as nevascas constantes atrapalham os passeios e como eu disse, o bacana de Gdansk é andar pela cidade. 

O que fazer em Gdansk
Quantos dias ficar em Gdansk?

Reserve aqui os seus passeios



mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, sou designer gráfico que cansou da vida no escritório e decidiu abraçar o mundo. Nestas andanças já foram 65 países e a sede por novas descobertas é cada vez maior. Venham descobrir o mundo comigo!

Seja o primeiro a comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.