Avenida de Mayo: um pedacinho de Paris em Buenos Aires

Avenida de Mayo

Buenos Aires é uma cidade de muitas faces: a latinidade de San Telmo e El Caminito, o lado moderno de Palermo e o charme europeu da Avenida de Mayo, ou “Avenida de Maio” como nós brasileiros costumamos dizer.

A Avenida de Mayo foi inaugurada em 1894 como símbolo de modernidade, sendo a primeira avenida da América do Sul. Ela começa na Plaza de Mayo, unindo a Casa Rosada, sede do governo da Argentina ao Congresso Nacional, nove quadras depois.

Toda a arquitetura da Avenida de Mayo remete a Paris como suas fachadas Belle Époque, Art Nouveau e Art Déco nos mais variados estados de conservação. Desde sua inauguração, a avenida enfatizava ao mundo que Buenos Aires era uma cidade cosmopolita e hoje, mesmo com o grande número de lojas dos mais variados tipos tenham diminuído a sua beleza, é impossível caminhar por suas calçadas e não admirar os belíssimos prédios.

mayo3

Arquitetura belíssima

mayo2

Foi a primeira avenida da América do Sul

mayo1

Até os grafites dão um charme especial

A Avenida de Mayo foi tão a frente de seu tempo que já em 1913 em seu subsolo começava a correr a primeira linha de metrô da América do Sul, mais de sessenta anos antes da inauguração da primeira linha do metrô de São Paulo.

A Linha A do metrô de Buenos Aires recebeu carros de madeira importados da Bélgica e que até pouco tempo atrás ainda corriam nos trilhos embaixo da Avenida de Mayo. Eram muito especiais e uma verdadeira viagem no tempo. Hoje, eles foram substituídos por vagões chineses.

Vagões de madeira

Vagões de madeira

É aqui que estão os mais antigos bares, cafés e livrarias da cidade, como o tradicionalíssimo Café Tortoni, inaugurado em 1858 e que ocupa o mesmo endereço desde 1890. Um ótimo lugar para um café, um vinho argentino e assistir aos tradicionais shows de tango.

Falando em cafés, a esquina da Calle Peru fica o Café London City, talvez o favorito do escritor Julio Cortázar. Inaugurado em 1954, o lugar passou por uma intensa revitalização em 2014, mas sem perder seu charme, tanto por dentro, quanto por fora.

Café Tortoni

Café Tortoni

Mas ao longo da Avenida de Mayo existe mais lugares interessantes, como o Teatro Avenida, que foi aberto em 1908 para promover a ópera espanhola e que ficou fechado por muitos anos depois de um incêndio, mas que desde 1994 está completamente restaurado. Tem espetáculo sempre e durante a semana é mais fácil encontrar ingressos na hora.

Perto dali também fica a Casa de la Cultura, que funciona no antigo prédio do Jornal La Prensa, uma construção linda em estilo neoclássico.

Também não podemos esquecer da Catedral Metropolitana de Buenos Aires, onde o Papa Francisco, na época Arcebispo Jorge Mario Bergoglio celebrava suas missas. A catedral foi aberta em 1836 e lá dentro fica o mausoléu do general José de San Martin, o responsável pela independência da Argentina.

Casa Rosada

Casa Rosada

E claro, no começo dela está a Casa Rosada, a sede do governo e que pode ser visitada. A história conta que ela é “rosada” pois na época da construção, misturaram cal com gordura de boi para pintar a fachada e por conta disso, o tom rosado.

Andar pela Avenida de Mayo é uma viagem no tempo, de uma época em que a América do Sul flertava com o charme europeu. Um passeio imperdível para quem vai a Buenos Aires.

mayo10

Arquitetura francesa

mayo9

Estação do metrô, um dos mais antigos do mundo

mayo6

O Congresso no fim da avenida

mayo5

Detalhes dos casarões

mayo4

Detalhes dos casarões


Como chegar a Avenida de Mayo


Não tem erro, existem vários ônibus que o ponto final é na Plaza de Mayo, onde a avenida começa, mas a melhor maneira é pelo metrô, descendo na estação de mesmo nome.

 


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar