Conheça as Ilhas Faroé, entre a Islândia e a Noruega

Ilhas Faroé

Você já ouviu falar nas Ilhas Faroé? Até pouco tempo atrás nem eu sabia da existência desse lugar. As Ilhas Faroé pertencem a Dinamarca, são um punhado de ilhas que ficam no Atlântico Norte, entre a Noruega e a Islândia. É longe, bem longe e para chegar até lá não é muito simples.

A capital do arquipélago é Tórshavn, mas apesar do título, é uma cidadezinha minúscula, com suas ruas estreitas, casinhas coloridas e o oceano por todos os lados. É tão pequena que nem aeroporto tem, o único aeroporto da fica em Sorvagur e ele só recebe quatro voos por dia, por conta disso, chegar até as Ilhas Faroé é bem caro. Mas esse isolamento todo contribuiu para um lugar praticamente intocado, de natureza única e exuberante.

A capital, Tórshavn

A capital, Tórshavn

As Ilhas Faroé não tem matas, as ilhas são cobertas de vegetação rasteira, rochas, muitas falésias e praias gélidas. Suas casinhas são pequenas e coloridas, uma maneira de trazer um pouco de cor para o lugar e com telhados de grama que ajudam aquecer no inverno.

A população de todo o arquipélago não chega a 50 mil pessoas, na verdade nas Ilhas Faroé tem mais ovelhas do que pessoas e elas estão por todos os lados, até nos telhados das casas e se você mal tratar uma delas, pode ir parar na delegacia.

Ovelhas e casinhas

Ovelhas e casinhas

Em um lugar tão diferente, claro que a culinária não poderia ser simples. O prato típico das Ilhas Faroé é o “Räst”, carne de cordeiro que é pendurada ao ar livre para secar durante meses e eles comem assim, ou usam no preparo de sopas e caldos. Outro prato típico é o “skerpikjøtt” e para comer é preciso ter estômago forte, o prato basicamente é carne de cordeiro podre fermentado no tempo, comida a colheradas, cru mesmo.

Você pode achar estranho comer esse tipo de comida, mas é um costume centenário, de quando essa era a única maneira de conservar carne para os longos invernos e períodos de escassez. Até hoje os moradores são auto-suficientes, eles pescam e produzem o próprio alimento. Todo mundo tem um barquinho, que se aventura nas ondas para pescar.

Quem também gosta de se aventurar nessas ondas são os muitos surfistas que chegam até as ilhas em busca da onda perfeita, o assunto já rendeu até o documentário “Faroes: The Outpost Vol 02” dos cineastas Ben Weiland e Chris Burkard e premiado no London Surf Film Festival de 2015.

É um lugar único no mundo, onde as pessoas vivem com simplicidade e em perfeita harmonia com a natureza.

 

Quer mais? Dá uma olhada nas imagens abaixo:


faroe1

Cidadezinha das Ilhas Faroé

faroe2

O inverno lá costuma ser bem rigoroso

faroe3

Um dos cartões postais das ilhas

faroe4

Surfistas corajosos

faroe5

Um lugar mais sensacional que outro

faroe6

O helicóptero é muito usado lá, as ilhas só tem um aeroporto

faroe9

Paisagens inacreditáveis

faroe10

Grama nos telhados, para aquecer no inverno


Como chegar nas Ilhas Faroé


As ilhas só tem um aeroporto, na cidade de Sorvagur, mas que atende a cidade de Vagar e ele só recebe quatro voos por dia, dois de Copenhague e dois de Billund, ambos na Dinamarca e são operados pela Atlantic Airways. Algumas vezes por semana o aeroporto recebe voos de Londres, Barcelona e Reykjavík na Islândia.


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

2 Comentários

  • Que lugar incrível!!!!!! Ótima dica para a listinha rsrs

  • Responder agosto 5, 2016

    Magali

    O que eu sei das ilhas Faroe é que pelo menos 1 vez por ano eles encurralam centenas de baleias numa baia rasa e depois pulam na àgua com facas e facões a assassinam as centenas de baleias, famílias inteiras de baleias, até as águas ficarem vermelhas de sangue. Se recusam a parar de fazer isso alegando ser uma tradição centenaria, mesmo não precisando mais disso para sobreviver. Horrível e barbárico.

Deixe uma resposta