Os noventa dias de uma viagem transformadora

Há exatamente três meses eu embarquei no meu maior desafio, deixar a minha casa, a minha zona de conforto e viajar pelo mundo levando o mínimo, gastando pouco e de coração aberto para viver a viagem. Uma viagem transformadora, que nunca mais vou me esquecer.

Visitar a Ásia era um dos meus sonhos antigos, porém, 20 dias antes de embarcar eu não sabia que viajaria. O que aconteceu foi uma sucessão de bons acasos que culminaram nessa aventura que eu tive apenas 15 dias para planejar.

Tudo começou quando um casal me procurou querendo alugar meu apartamento pelo Airbnb, a grana era boa, ajudaria a custear boa parte da viagem, no mesmo dia a Emirates lançou um daquelas promoções inacreditáveis para Bangkok, então, não tinha como não ir.

Foi tudo tão rápido que eu nem tive tempo de ficar ansioso, de sentir frio na barriga e quando eu percebi já estava fazendo uma conexão em Dubai para Bangkok. A ficha custou pra cair, acho rolou mesmo no dia seguinte a minha chegada quando eu ouvi os monges do templo budista ao lado do hotel entoar mantras às 5h da manhã.

Viagem transformadora: no calor escaldante do Camboja

Durante um mês eu rodei pela Tailândia, Mianmar, Camboja e Malásia e eu contei tudo diariamente aqui no blog, quem acompanhou sabe um pouco do que eu vivi, do que e senti. Mas o que nenhum texto ou foto conseguem ilustrar é o que aconteceu dentro de mim.

Estar do outro lado do mundo, longe de qualquer amigo, de qualquer traço familiar ou idiomático é realmente muito desafiador. A gente aprende a se virar, comer o que tem pra comer, beber o que tem pra beber e ganha um jogo de cintura único. Sabe quando algumas pessoas dizem coisas como “a vida ensina”? É exatamente isso e de presente eu vivi experiências únicas e conheci pessoas maravilhosas que eu trouxe para a minha vida.

angkor2

Viagem transformadora: Sol nascendo em Angkor Wat

Eu saí de São Paulo com uma mala de bordo com 10 camisetas e outras peças de roupas. Na mochila meu equipamento de trabalho e muita disposição. Em cada cidade lavava roupas, fazia compras nos mercados locais para economizar e na metade da viagem as camisetas da Hering já estavam se desfazendo e o meu Adidas com a sola lisa. Mas quem liga pra isso quando a roupa da alma está nova?

A comida foi desafiadora, é preciso abrir mão do nosso padrão de higiene, na Ásia não existem os mesmos cuidados que encontramos no ocidente e na metade da viagem eu já estava pesando 3 quilos a menos. Dor de barriga? Insolação? Tive tudo isso e mais um pouco.  Mas aí veio o mar da Tailândia e me fez esquecer de tudo.

Espiritualidade em dia

Viagem transformadora: espiritualidade em dia

Da Tailândia para Malásia e da Malásia de volta para Bangkok. De lá para o Brasil via Dubai e de São Paulo ao norte, cruzando o nordeste e caindo no congelante sul do Brasil durante a maior onda de frio desse ano.

Foi um sobe e desce danado: 13 voos, 6 barcos, muitos trens e alguns ônibus depois eu voltava pra casa com a pele marcada literalmente e com a alma renovada. Conviver com um povo tão simples e tão feliz, faz a gente repensar muitas coisas nas nossas vidas. Onde foi que erramos? Porque queremos mais e mais? O segredo da felicidade é a simplicidade? Sim! O segredo da felicidade é viver de forma simples.

Eu voltei da Ásia desentulhando a minha vida, removendo o que não faz falta e eu não falo só de coisas físicas. Não quero pessoas negativas ao meu redor, não quero a ganância de uma vida sem propósito.

Voltei morrendo de saudades de casa? Sim, morrendo, mas entendendo que a minha casa pode ser em qualquer lugar, onde o meu coração me levar.

Isso é uma viagem que transforma, não é papo furado, acontece se você vai com o coração aberto e disposto a viver a viagem e eu desejo o mesmo para todos vocês. O que você está esperando para fazer uma viagem transformadora e mudar a sua vida pra melhor?


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

3 Comentários

  • Responder julho 21, 2016

    Gislaine

    Muito bom dia!

    Imagino a delicia que foi viver esses dias, acredito que senti um terço da sua emoção ao ler cada palavra, que mágico tudo isso enh!
    Desejo a vc milhares de viagens como essa, e que vc possa ser rico assim… de coisas simples e fantásticas.
    Abraços
    Gi

  • Responder agosto 3, 2016

    Cabeça de Frade

    Fabricio, que texto maravilhoso! Cada dia gosto mais de ler teu blog, desejo muitas e muitas viagens em tua vida!
    Abraço!
    Dani

    • mm
      Responder agosto 3, 2016

      Fabricio Moura

      Super obrigado <3

Deixe uma resposta