O que fazer em Vilnius, na Lituânia (roteiro e 2 dias)

O que fazer em Vilnius

Vilnius é a capital da Lituânia, um pequeno país do extremo leste europeu e bem desconhecido dos brasileiros. Junto da Letônia e Estônia, elas formam os Países Bálticos. No ano passado eu estive nos dois outros países e ficou a sensação de dever não cumprido. Este ano eu voltei naquela parte distante da Europa para completar o “álbum de figurinhas”. E se você se interessou pela Lituânia e está procurando o que fazer em Vilnius, veio ao lugar certo.

Falando rapidamente da história recente deles, a Lituânia foi anexada a antiga União Soviética em 1940, durante a Segunda Guerra Mundial em um acordo entre os alemães e soviéticos. Apenas em 1990, com a queda da União Soviética que a Lituânia e os países vizinhos que faziam parte do bloco socialista ganharam a sua independência. Por conta disso, é fortíssima a influência russa tanto na Lituânia, como em toda essa região.

O que fazer em Vilnius

A capital Vilnius é a cidade mais populosa do país e tem apenas 600 mil habitantes, para você ver como é uma cidade pequena. Vilnius fica no vale Rio Neris, cercada por muitas colinas verdes e montes. É uma das cidades mais verdes que eu já visitei nessa parte do mundo.

Por conta do tamanho, dá para fazer tudo a pé em Vilnius, claro, se você souber escolher onde se hospedar. Recomendo ler esse post antes de reservar seu hotel. Tem dicas importantíssimas.

Atenção: O Seguro viagem é obrigatório para viajar para a Europa. Faça o seu aqui com desconto

O lado mais moderno de Vilnius


O que fazer em Vilnius


Dia 1

Comece o seu roteiro em Vilnius pelo centro antigo da cidade, vá direto para a Praça da Catedral (Cathedral Square), é ali o ponto de partida para conhecer Vilnius. Naquele espaço ficam a Basílica da Catedral (que mais se parece com um palácio), a Torre do Sino e o Palácio dos Duques da Lituânia.

Vale visitar todos esses lugares e uma curiosidade é que a Torre do Sino fica separada do prédio da Catedral, acho que foi a primeira igreja que eu vi na vida em que a torre do sino não fica no mesmo prédio da igreja.

O que fazer em Vilnius: A Torre do Sino

E já que estamos falando da torre, ela tem 57 metros de altura e dentro dela funciona um mini museu da torre e um mirante lá em cima. O museu em si é bem bacana, tem umas caixinhas de madeira com fones de ouvido espalhadas pelos andares e ali a gente consegue ouvir áudios antigos e atuais contando a história da torre. Tem também algumas estações com telas e joysticks que controlam as câmeras que ficam no topo da torre. Mas o que atrai as pessoas é a vista lá de cima, que é bacana, mas não é espetacular. A entrada custa 5 euros.

Detalhe do interior da torre e um dos imensos sinos

A vista lá de cima

Saindo dali, vale passar pela Catedral e em seguida visitar o Palácio dos Duques da Lituânia. É o prédio onde fica a presidência da Lituânia e uma boa parte pode ser visitada.

Logo atrás do Palácio fica um monte e no topo dele o Castelo Gediminas, a torre dele é um dos ícones de Vilnius e lá de cima a gente tem a melhor vista da cidade. Para subir tem duas maneiras: um funicular que custa 2 euros e que estava quebrado, ou por uma estradinha de pedras. Claramente a única alternativa era a estradinha e pode não parecer, mas a subida foi de amargar.

O que fazer em Vilnius: A torre do Castelo Gediminas

O funicular quebrado

As pedras eram bem escorregadias, imagino que no inverno e com neve deve ser bem perigoso. Mas chegando lá em cima a vista compensa. Olha essa foto abaixo!

Dentro da torre funciona um pequeno museu, a entrada custa 5 euros, pode passar direto que não vale a pena. Eu subi duas vezes e achei que a vista no fim do dia é mais bacana. Fica a dica!

A vista lá de cima

Depois eu recomendo a visita ao Museu Nacional da Lituânia, que fica aos pés do monte, ele conta a história do país e tem umas peças de arte muito bonitas. Finalize o seu dia com um passeio na margem do Rio Neris, a luz do pôr do sol é realmente linda e tem um calçadão na margem do rio que atravessa uma boa parte da cidade. Quer ir um pouco mais além? Faça um passeio de barco pelo rio, de preferência durante o pôr do sol. É bem bacana.

O que fazer em Vilnius: Passeio de barco

A luz incrível do pôr do sol

Dia 2

Recomece o seu passeio por Vilnius da Praça da Catedral, mas dessa vez a ideia é percorrer o lado oposto ao rio, que é onde fica a Old Town, a cidade antiga de Vilnius. Muitas cidades europeias surgiram a partir de uma pequena cidade murada. A exemplo de Riga e Tallinn, Vilnius também foi assim.

Mesmo não existindo mais resquícios dessa muralha original, a Old Town de Vilnius é cheia de ruazinhas estreitas e casas antigas, semelhante a maioria das outras cidades velhas que a gente encontra por aí, mas com um diferencial: infelizmente muitas casas estão em estado bem precário. Vou falar melhor desse ponto na conclusão do post, segura aí!

O que fazer em Vilnius: Old Town

Old Town

Old Town

O programa na Old Town é explorar cada cantinho, cada ruela e nem preciso dizer que o lugar está cheio de bons restaurantes, vale muito almoçar por ali antes de seguir o passeio.

Perto dali fica a Igreja de Santa Anna (St. Anne and Bernardine Church), vale muito uma passadinha e pra entrar não paga nada.

O que fazer em Vilnius: Igreja de Santa Anna

A igreja vista de outro ângulo

Seguindo pela margem do pequeno Rio Vilnia, que mais se parece com um riacho, do lado direito fica a pequena Rua da Literatura (Literatu), uma ruazinha com muitas peças de arte e fotos de artistas penduradas nas paredes.

Rua da Literatura

Bonitinha, mas bem sem graça hahaha

Ainda na margem do rio a gente chega a um ponto muito, mas muito curioso de Vilnius. Atravessando a pequena Uzupis Bridge a gente entra na República Independente de Uzupio. Sim, amigos, um bairro de Vilnius que se proclama uma república independente.

O bairro se declarou república independente em 1998, tem até representação diplomática em alguns países e um presidente. E se você quiser, ainda pode ganhar um carimbo no passaporte. Eu não ganhei e a razão? O oficial de imigração estava dormindo hahaha

O que fazer em Vilnius: A República de Uzupio

Alguém traduz isso pra mim?

A constituição de Uzupio

Ah, e o dia da independência acontece no 01 de Abril, e não é brincadeira. Claro que eles levam tudo isso no bom humor né e logicamente que a Lituânia não reconhece esse “país”.

A República Independente de Uzupio, claro, tem a sua constituição, que fica bem a mostra em um dos muros do bairro. As placas estão em diversos idiomas e um ponto diz que “todo mundo tem o direito de ser amado. E que todo mundo também tem o direito de não ser amado”. Porque né? Não está fácil para ninguém.

Ruazinha de Uzupio

Beco da Gratidão

Saca só a mensagem dessa espanhola

Saindo de Uzupio

Andar por Uzipio é bacana, mesmo com uma dezenas de casas antigas mal conservadas e empoeiradas, a gente encontra lugares fofos como o Beco da Gratidão. Você pode escrever mensagens de gratidão e pendurar pelo beco.

Saindo dali, volte para a Lituânia (risos) e você pode dar uma volta pelo Bernardine Garden, um parque bem bonito e se você animar, vale subir até o Morro das Três Cruzes, um morro bem no meio de Vilnius e que lá de cima a gente vê toda a cidade. A subida é puxada, mas dá para chegar até quase o topo de carro.

O que fazer em Vilnius: Morro das Três Cruzes

A vista lá de cima

Outro lugar muito visitado em Vilnius é o Museu das Vítimas do Genocídio, também conhecido como Museu da KGB. Ele fica na rua Gedimino, não distante dali. Eu não visitei, pois já fui a museus semelhantes em Riga e Tallinn, por isso achei que seria meio repetitivo, além da energia pesada que esses lugares tem. 

***

Agora vamos falar de verdades? Conhecer Vilnius foi bacana, pois a cidade tem lugares bonitos e especialmente pois eu queria completar os Países Bálticos. Mas quando a gente compara Vilnius com Riga e Tallinn, a cidade está muito abaixo em termos de conservação e manutenção do patrimônio histórico.

São muitos, mas muitos imóveis antigos caindo aos pedaços, alguns parecem que vão sucumbir a qualquer momento. Você pode até se esforçar e achar um certo charme nisso, eu tentei e não deixa de ser interessante, mas já aviso que foge do “padrão europeu” para tudo que as pessoas imaginam.

Por outro lado, vemos obras de restauro em muitas partes da cidade e percebemos que existe pelo menos a intenção de deixar a cidade melhor apresentada, pois ela merece muito. Eu acho que visitar Vilnius talvez em uns 2 anos seja uma experiência melhor do que agora, em 2018. Pense nisso se estiver planejando visitar Vilnius.

Veja todos os posts sobre a Letônia e Estônia aqui.


Dicas de Vilnius


1) No centro de Vilnius parte tour de ônibus no estilo hop-on /hop-off, custa 25 euros e você pode até ficar tentado, mas não vale a pena, pois a cidade é tão pequena que em 1 hora de ônibus você terá visto tudo. E 25 euros para isso é bem caro, totalmente fora do padrão de preços na Lituânia.

2) Se você for no inverno, não deixe de levar botas, casacos pesados, luvas, cachecol e gorro. Faz muito frio e a temperatura fica constantemente abaixo de zero. No verão, quando eu fui estava bem calor, com temperaturas passando facilmente dos 30 graus, mas a boa notícia é que venta bastante.

3) Poucas pessoas falam inglês, mas dá para se virar perfeitamente.

4) No outono e inverno amanhece por volta das 9h e começa a anoitecer lá pelas 15h. Sabendo disso, planeje seu dia da melhor maneira para aproveitar as poucas horas de sol. Já no verão o sol brilha lá pelas 6h da manhã e se põe depois das 21h.

5) Comprar um chip telefônico na Lituânia não é muito simples, mas o chip de qualquer outro país europeu funciona bem lá. Eu usei o da EasySIM4U que usa a rede da americana T-Mobile e não funcionou muito bem. Ficou super lento, mas quebrou um galho.

6) A comida é basicamente composta de salsichas, repolho e carne de porco. Quem tem estômago fraco ou não curte esses pratos pode ter problemas, assim como vegetarianos e veganos. 

7) Achei a Lituânia um país muito barato, eu economizei bastante comprando comida no supermercado da rede Maxima.

8) É proibido beber nas ruas e a maioria dos estabelecimentos, incluindo supermercados não vendem bebidas alcoólicas depois das 20h. Dizem que poucos restaurantes tem autorização, mas eu não vi nenhum.

9) Uber funciona muito bem lá e é super barato. Eu fiz diversas corridas e não paguei mais de 3 euros no trajeto mais longo.


Mais imagens


Igreja de Santa Anna vista do Castelo Gediminas

O que fazer em Vilnius: Lithuanian National Opera and Ballet Theatre

O que fazer em Vilnius: Chegando em Uzupio

Ruazinha de Uzupio

O que fazer em Vilnius: Beco da Gratidão

Old Town

Pequenos detalhes da Old Town

Pequenos detalhes da Old Town

Old Town

Mais uma do Morro das Três Cruzes


Planejando a sua viagem


calendario

Quando ir

A Lituânia é gelada no outono e inverno e faz um calorzinho gostoso na primavera e verão. Claro, os melhores meses são os mais quentes. Dá para visitar em qualquer época do ano, mas eu evitaria o inverno.

 

carro

Como chegar

Não existem voos diretos do Brasil para a Vilnius, mas chegar até lá é fácil fazendo conexão em qualquer grande cidade Europa que receba voos do Brasil. Eu fui de ônibus desde Varsóvia, na Polônia.

 

icon1

Visto

Brasileiros não precisam de visto para entrar na Lituânia, o país faz parte da União Européia e sendo um país Schengen, o visto de entrada vale para a visitar o país e os países membros por 90 dias.

 

icon2

Quanto custa

Vilnius é uma cidade bem barata, algo que me surpreendeu muito. Dá para se divertir muito sem gastar rios de dinheiro.

 

icon3

Como se locomover

A melhor forma de andar por Vilnius é a pé, mas se você precisar, o táxi é barato. O Uber também funciona super bem e é ainda mais barato que o táxi.

 


Onde ficar em Vilnius


Eu escrevi um post bem completo explicando onde ficar em Varsóvia e onde evitar também. Além das minhas dicas de onde eu fiquei.

Leia o post completo aqui

Ou veja as sugestões de hospedagem na caixa abaixo:



Booking.com

 


Reserve aqui um passeio em Vilnius



Resolva a sua viagem


Reserve a sua hospedagem pelo Booking.com

Faça aqui o seu seguro viagem internacional

Compre aqui os ingressos para os seus passeios

Consultoria de viagens e roteiros personalizados

Ebooks e guias para download


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.