Casa do Rio Vermelho: a casa de Jorge Amado e Zélia Gattai

Casa do Rio Vermelho

Mesmo que você nunca tenha lido a obra de Jorge Amado ou de Zélia Gattai, é bem provável que você conheça sucessos literários que foram adaptados para a televisão como Gabriela, Tieta, Dona Flor e seus Dois Maridos entre outros. É impossível passar despercebido pelo legado deixado por este casal de ícones da literatura nacional. Portanto, durante a minha viagem a Salvador, eu não poderia deixar de fora a Casa do Rio Vermelho, como é conhecida a casa onde Jorge Amado e Zélia Gattai viveram por 40 anos.

A viagem pela intimidade do casal começa pelo imenso jardim, que já recebeu visitantes ilustres como Caetano, Nelson Pereira dos Santos, Sônia Braga, Glauber Rocha, Pablo Neruda, Tom Jobim, Dorival Caymmi, Roman Polanski, Jack Nicholson, Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir.

Casa do Rio Vermelho
Casa do Rio Vermelho
Casa do Rio Vermelho
Paixão por sapos

É neste mesmo lugar que foram depositadas as cinzas do casal, aos pés de onde havia uma enorme mangueira que precisou ser cortada. Mas a magia permanece ali, nos banquinhos de alvenaria revestidos de azulejos, sapinhos, jasmim de cerâmica – uma das paixões de Jorge – e uma imagem de exu, que recebe uma cachacinha toda segunda-feira.

Casa do Rio Vermelho
Local das cinzas

Leia mais:
O que fazer no Pelourinho (roteiro no centro histórico de Salvador
Onde ficar em Salvador
Como ir do aeroporto ao centro

Então entramos na casa, reorganizada como museu, mas que conserva praticamente toda a sua originalidade desde a morte do casal. Jorge partiu em 2001 e Zélia em 2008. A ampla sala guarda memórias que se espalham por todos os ambientes. Um casal de viajantes, mesmo com Jorge tendo pavor de voar, conheceram 110 países.

Casa do Rio Vermelho
Sala principal
Casa do Rio Vermelho
Cozinha
Casa do Rio Vermelho
Quarto de visitas

Os sofás, as cadeiras, a máquina de escrever e os óculos com sua armação grossa e pesada, uma das marcas do autor. Passamos por um dos quartos, onde viveu a mãe do autor e depois os netos. Entramos na cozinha, um dos meus ambientes favoritos na casa. Móveis e eletrodomésticos antigos, louças e apetrechos garimpados nas viagens pelo Brasil e ao redor do mundo. A frente uma outra cozinha, que foi agregada a casa do Rio Vermelho quando o casal adquiriu a casa vizinha e ampliou seus espaços. Este é o único ambiente que foi completamente modificado após a morte dos moradores. Hoje funciona como uma instalação interativa, ligeiramente comprometida por conta da pandemia. 

Casa do Rio Vermelho
Biblioteca
Casa do Rio Vermelho
Carta de

Visitamos a biblioteca, recheada de obras de Jorge Amado e Zélia Gattai traduzidos em dezenas de idiomas. Pela janela a vista do laguinho do jardim interno, mais sapos decorativos. 

Então entramos ainda mais na intimidade da Casa do Rio Vermelho. Passamos pelo closet com roupas do casal, cartas que o casal trocou quando ele foi exilado pela ditadura quando passou 19 anos vivendo entre França, Chile, Rússia, Polônia, Argentina e no Uruguai. Ao lado de cartas enviadas por Yoko Ono, François Mitterrand, Oscar Niemeyer, Monteiro Lobato e Érico Veríssimo. 

Casa do Rio Vermelho
Quarto do casal
Casa do Rio Vermelho
As famosas camisas estampadas de Jorge Amado

Então entramos no quarto do casal, decorado com objetos de todas as partes do mundo, livros, gravuras, textos. Uma experiência vívida, quase sagrada.


Como visitar a Casa do Rio Vermelho


A casa fica na Rua Alagoinhas, 33, no Rio Vermelho. Não confunda com a Fundação Casa de Jorge Amado que fica no Pelourinho. O Rio Vermelho que também é uma ótima opção de hospedagem em Salvador. A casa funciona das 10h às 16h e a entrada custa R$20 adultos. Estudantes e maiores de 60 anos pagam meia. Nas quartas a visitação é gratuita. Não deixe de passar pela lojinha, tem muita coisa bacana.

A melhor forma de chegar é de táxi ou Uber. A Casa do Rio Vermelho fica pertinho da orla, mas chegar lá a pé é difícil por conta das ruas estreitas, sinuosas e das ladeiras. Você pode combinar a visita com um passeio na orla do Rio Vermelho e ainda comer um acarajé da Dinha, ali pertinho.


Vídeo



Passeios em Salvador











Reservando um serviço com um dos parceiros do blog, você ajuda o Vou na Janela a produzir mais conteúdo e não paga nada a mais por isso. O Vou na Janela só recomenda empresas e serviços em que confia.

mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em Bangkok na Tailândia, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.