Cemitério da Recoleta: turismo mórbido ou cultural?

Cemitério da Recoleta

A minha avó sempre me dizia que a gente nunca deve ter medo dos mortos, só dos vivos. Medo ou não, turismo em cemitérios não é para todo mundo, mas esse tipo de atração é bem mais comum do que você imagina. O Cemitério da Recoleta em Buenos Aires é um deles.

Sempre figurando na lista dos lugares mais procurados da capital argentina, o lugar recebe centenas de visitantes todos os dias. Mas o que levaria alguém a incluir um cemitério em seu roteiro?

A entrada estava meio abandonada

A entrada estava meio abandonada

Ele é um dos maiores do mundo e dos mais antigos ainda em funcionamento também. O Cemitério da Recoleta é considerado uma espécie de museu a céu aberto, por duas razões: a grande quantidade de obras de arte e pelos “moradores” famosos. Desde o século 19 é o destino final de presidentes, generais, artistas, aristocratas e da sua moradora mais famosa, Eva Perón.

O corpo embalsamado de Eva Duarte Perón rodou o mundo, literalmente. Depois de sua morte e do golpe de estado sofrido na Argentina, generais esconderam o corpo embalsamado da primeira dama em vários lugares da cidade, até que em 1957 ele foi levado escondido para a Itália onde ficou por anos. Bizarro! Para piorar, anos depois ele foi levado, também para a Espanha e só voltou para a Argentina duas décadas depois. Ficou curioso? Leia essa matéria da Super Interessante (clique aqui).

r18

A moradora mais famosa

r19

Uma das várias placas de homenagem a Eva Peron

Hoje, o corpo de Evita descansa no mausoléu da família Duarte em uma das vielas do cemitério da Recoleta. O túmulo é pequeno, discreto e bem difícil de encontrar. Na entrada do cemitério são vendidos mapas com a localização dos túmulos mais famosos.

O Cemitério da Recoleta realmente impressiona, seja pela quantidade de obras de arte, mausoléus um grudado no outro e claro, pelo tamanho. Mas uma das coisas que mais chama atenção lá são os caixões expostos.

Sim, amigos! Muitos mausoléus tem portinhas de ferro de onde a gente consegue ver os caixões em prateleiras, as vezes vários. Em alguns casos, os caixões estão podres, se desfazendo e claro, com os ossos do dono a mostra.

É realmente bizarro e eu tive uma experiência incômoda lá. Foi na segunda vez que eu visitei o cemitério e no fim de tarde eu estava caminhando por uma das vielas super estreitas e quando olhei em volta eu estava rodeado de caixões, alguns mostrando os ossos dos falecidos. Os gatos moribundos que andam por lá também não ajudaram em nada.

Vale a pena visitar o Cemitério da Recoleta? Claro que sim! Mas realmente não é para todo tipo de público.

Galeria de imagens

r20

São muitas estátuas

r17

Algumas assustadoras

r16

Cemitério da Recoleta

r15

Luis Angel Firpo foi um pugilista campeão sul-americano dos pesos-pesados

r14

Cemitério da Recoleta

r12

O Cemitério da Recoleta é cercado de prédios de todos os lados

r11

Cemitério da Recoleta

r10

Estátuas impressionantes

r9

Cemitério da Recoleta

r8

Becos apertados também

r7

Caixões expostos

r6

Meio assustador né?

r5

Cemitério da Recoleta

r4

Mais caixões

r3

Cemitério da Recoleta

r2

Becos


Como chegar ao Cemitério da Recoleta?


O cemitério, claro, fica no bairro da Recoleta, na Calle Junín 1760, e funciona diariamente das 8 às 18hs. Entrada: Gratuita.


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar