Roteiro infalível: O que fazer em 1 dia em Bruxelas?

Bruxelas

No ano passado eu estava de férias na Europa e entre uma cidade e outra, consegui incluir Bruxelas no roteiro. O único problema é que eu tinha apenas 1 dia para conhecer a cidade. Um pecado imperdoável, Bruxelas merece bem mais que um dia de dedicação.

Com a difícil missão de explorar a cidade em poucas horas, eu tracei um roteiro infalível para quem tem pouco tempo.


Chegando a Bruxelas


Eu estava em Amsterdã e fui para Bruxelas de trem, definitivamente a melhor opção para viajar entre as cidades européias. O trem parte da estação Amsterdam Central e são diversos horários por dia, em média, a cada 30 minutos um trem deixa a estação. As passagens podem ser compradas no site, terminais de autoatendimento ou nas bilheterias da estação e os preços giram em torno de 40 euros o trecho, em trens operados pela NS Hightspeed ou 80 euros nos Thalys, os trens de alta velocidade que seguem até Paris. Em ambos os casos, comprando com antecedência, os preços costumam ser melhores.

amsterdam_central

Trem da Fyra, operando para NS Highspeed entre Amsterdã e Bruxelas.

O procedimento de compra e embarque é extremamente simples, não existe nenhum controle de passaportes na estação ou verificação de bilhetes, mesmo sendo uma viagem internacional, é que Holanda e Bélgica extinguiram suas fronteiras físicas anos atrás, servindo de modelo para toda União Européia. Dica: guarde seu bilhete até o fim da viagem, ele pode eventualmente ser conferido.

Os trens saem das estações na hora exata, não conte com atrasos, eles não existem. Eu optei pelo NS Highspeed com conexão em Rotterdam. Geralmente um trem estaciona ao lado do outro, o que facilita muito e agiliza a conexão. A viagem de Amsterdã até Bruxelas demora cerca de 3 horas e o trem faz paradas em Rosendaal e Antuérpia, já na Bélgica.

Chegando em Bruxelas, a primeira parada do trem é na estação Brussels North, no norte da cidade e depois na Brussels Central, na região central e essa é a melhor opção para aproveitar ao máximo a cidade.

 

Palácio Real de Bruxelas

Palácio Real de Bruxelas

Palácio Real de Bruxelas

O belíssimo Palácio Real de Bruxelas não é mais a residência oficial da realeza belga, mas ainda é sede oficial da monarquia e o mais legal é que ele pode ser visitado gratuitamente durante parte do verão europeu, nos meses de agosto e setembro. O palácio foi construído em 1780 onde antes existiam as ruínas do antigo Palácio de Coudenberg, que foi destruído em um incêndio. Em frente ao palácio, fica o Parque de Bruxelas, não deixe de conhecer!

Parque do Cinquentenário

Arco do Cinquentenário.

Arco do Cinquentenário.

O Parque do Cinquentenário, ou Parc du Cinquantenaire foi encomendado em 1880 pelo Rei Leopoldo I para a Exposição Nacional em comemoração ao cinquentenário da independência da Bélgica. O parque, por sí só, já é um lugar que merece ser visitado, não só pelo contexto histórico, mas pela beleza e tranquilidade. Mas o parque também abriga vários museus.

Museu Real das Forças Armadas e da História Militar

Pavilhão que conta a história militar belga

Pavilhão que conta a história militar belga

Aberto em 1923, o museu reúne um acervo que conta a história da presença militar da Bélgica ao longos de 200 anos. O Museu tem um grande acervo dedicado à Segunda Guerra Mundial e com muitos espólios de guerra nazistas.

Belíssimo Caravelle, ex-Sabena

Belíssimo Caravelle, ex-Sabena

Anexo ao museu militar, fica o Museu da Aviação e foi a minha parte favorita do passeio. O acervo deles é um dos melhores que eu já vi. No teto um enorme Cavarelle, que já pertenceu a extinta companhia aérea belga, Sabena.

Douglas DC-3

Douglas DC-3

 

Cathédrale St Michel et Ste Gudule

Catedral de St.Michel e Gudula

Catedral de St.Michel e Gudula

Conhecida mais popularmente como Catedral de Bruxelas, ela foi construída no século IX em estilo gótico renascentista em homenagem a São Michel, anos depois, as relíquias de Santa Gudule foram levadas para o templo, por isso o nome St.Michel e Gudula. A Catedral fica pertinho da estação central de trens e a meio caminho da Grand Place.

Grand Place

Grand Place e Hotel De Ville

Grand Place e Hotel De Ville

Para mim, esta é a cereja do bolo chamado Bruxelas. A praça é o centro da parte antiga de Bruxelas, e para qualquer lado que você olhar, vai encontrar um prédio mais bonito e surpreendente que o outro. Maison do Roi, Le Pigeon, Maison des Ducs, e o incrível Hotel de Ville, que hoje funciona como a Prefeitura de Bruxelas. Note que a torre não é centralizada com o meio do prédio, sabe a razão? Diz a lenda que por um erro de engenharia, a obra de 96 metros de altura que foi construída em 1449 ficou torta, ao descobrir o erro, o engenheiro responsável teria se jogado lá de cima.

Lenda ou não, a Grand Place é um excelente lugar para finalizar seu dia em Bruxelas, comer muitos chocolates, trufas, waffes, batatas e claro, provar as maravilhosas cervejas artesanais belgas. E sabe qual é a boa notícia? Os preços são muito bons!

Uma das dezenas de chocolaterias ao redor da Grand Place

Uma das dezenas de chocolaterias ao redor da Grand Place

Bruxelas tem bem mais que isso

Existem dezenas de outros bons lugares para conhecer em Bruxelas, como o Atomium, considerada a Torre Eiffel dos belgas, o Museu dos Desenhos Animados (sabia que Smurfs, TinTin e Lucky Luke são belgas?), o Museu Real de Arte e História, etc. Mas isso fica para uma outra viagem.


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram.


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar