Como ir de trem de Amsterdã para Bruxelas

Amsterdã para Bruxelas

A viagem de trem de Amsterdã para Bruxelas (e vice-versa) é muito simples, a curta distância entre elas, torna Bruxelas um excelente bate-volta para quem está na Holanda. A viagem dura pouco mais de 3 horas ou 2h no trem de alta velocidade.

Os serviços são gerenciados pela NS Highspeed e operados pela Intercity (Fyra) e Thalys. Os trens partem em média a cada 30 minutos, alguns são diretos e outros necessitam conexão em Rotterdam ou em Antuérpia, na Bélgica.

Os trens partem da estação Amsterdam Centraal e em Bruxelas existem 3 estações (Norte, central e sul) os Intercity param nas estações norte e central e o Thalys faz sua parada na estação sul. A estação central é a melhor opção para aproveitar ao máximo a cidade, ela fica perto de tudo: da Grand Place, Palácio Real, Parque do Cinquentenário e do Quarteirão da União Européia.

Os Intercity são trens regionais, por tanto, bem mais baratos e mais lentos que o Thalys, que é o serviço de alta velocidade que liga Amsterdã a Paris com parada em Bruxelas.

Trens que fazerm a rota de Amsterdã para Bruxelas

Trens que fazerm a rota de Amsterdã para Bruxelas

Compra da passagem

As passagens podem ser compradas no site da NS International ou nos guichês e máquinas de venda na estação Amsterdam Centraal.

Comprar a passagem de trem de Amsterdã para Bruxelas é fácil, mas tem uma pegadinha: no site os preços são bem menores que nas estações, existe um custo de operação que é inserido nos preços, na prática, estamos pagando para usar a máquina de vendas ou ao funcionário do guichê que está vendendo o bilhete.

O mais indicado é comprar no site, mas o problema do site é que nem todos os cartões de crédito são aceitos e eu dei azar, o meu cartão não foi aceito e tive que comprar na estação, o que me custou 20 euros a mais (ida e volta).

Mesmo comprando pelo site, ainda tem uma taxa cobrada dependendo da bandeira do cartão de crédito: 1,05 euro para VISA, 0,90 euro para Mastercard e 1,25 euro para AMEX.

Existem duas tarifas, a primeira e segunda classe e a diferença de preço entre elas é salgado e não justifica a diferença de conforto de uma classe para a outra. Eu viajei muito bem na segundona.

Se você vai fazer um bate-volta, compre a volta de uma vez, a estação de Bruxelas é um pouco confusa e tem poucas máquinas de vendas.

Embarque Amsterdã para Bruxelas

O embarque é ainda mais simples, basta ver na sua passagem de qual plataforma o trem partirá, as plataformas ficam na parte superior da estação. Não tem catraca, não tem controle de passaportes nem raio-x. Não existe fronteira física entre os dois países, é considerado um serviço doméstico.

Os trens não trazem o itinerário na frente, fique de olho nas telas das plataformas que elas indicam as próximas partidas e eles saem nos horário. É impressionante, não existem atrasos!

As poltronas não são marcadas, quando o trem estaciona na plataforma, basta procurar os vagões correspondente a sua tarifa (primeira ou segunda classe), como Amsterdã é o ponto de partida da linha, o trem vem vazio e não é difícil pegar uma janela para apreciar a viagem.

Interior da segunda classe

Interior da segunda classe

Conexão em Rotterdam ou Antuérpia
Tanto na ida quanto na volta, eu fiz conexão em Rotterdam. No bilhete dizia que eu tinha 2 minutos para fazer a troca de um trem para o outro, confesso que achei que seria impossível fazer essa conexão, mas os trens param um do lado do outro, basta caminhar uns 10 metros entre os dois comboios, que também estava vazio.

Para quem optar pela conexão em Antuérpia, o esquema é exatamente o mesmo, porém, o fluxo de passageiros lá é enorme, pode ser que você não consiga pegar uma janela ou até mesmo ir sentado até Bruxelas.

A viagem
As poltronas são bem espaçosas, elas não reclinam mas são bem largas e tem um espaço ótimo entre elas. Se você pretende fazer essa viagem em trem noturno para dormir um pouco, a falta de reclino pode atrapalhar seu sono.

Os trens são rápidos, suaves, climatizados e super silenciosos. Algumas paradas são feitas ao longo do caminho, uma em Roosendaal e outra em Antuérpia, que por sinal, são duas ótimas cidades para um bate-volta.

Os trens não tem nenhum sistema de entretenimento, mas o janelão garante paisagens lindas ao longo de toda viagem.

Cenário na janela de Amsterdã para Bruxelas

Cenário na janela de Amsterdã para Bruxelas

Chegando em Bruxelas, fique atento aos nomes das estações, a Bélgica é um país trilíngue, eles falam francês, uma versão belga do holandês e flamengo. O idioma primário é o francês e estação é “Gare”. Os nomes das estações principais aparecem em francês, holandês e inglês:

Estação norte: Bruxelles-Nord, Brussel-Noord ou Brussels North;
Estação central: Bruxelles-Central, Brussel-Centraal ou Brussels-Central;
Estação sul: Bruxelles-Midi, Brussel-Zuid ou Brussels-South

Como eu disse lá em cima, a melhor estação para desembarcar é na estação central, a Brussels-Central.

Leia mais:
O que fazer em 1 dia em Bruxelas
O que fazer em Roosendaal
O que fazer em Amsterdã
O que fazer em Roterdam


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

2 Comentários

  • Responder outubro 6, 2017

    Andréia

    Acabei de comprar passagem de Amsterdã a Bruxelas pelo site da NS com cartão internacional brasileiro!!!!

    Super fácil!

    Obrigada pela dica.

    • mm
      Responder outubro 6, 2017

      Fabricio Moura

      Opa! Que bom que ajudei =)

Deixe uma resposta