Como é voar com a Air Asia, uma das maiores low-cost da Ásia

Como é voar com a Air Asia

A Air Asia é uma das maiores empresas aéreas no seguimento low-cost do mundo, sua base principal fica em Kuala Lumpur na Malásia, mas ela possui outras operações locais na índia, Tailândia, Japão, Indonésia, Filipinas e a Air Asia X, que opera voos de longa distância. Eu viajei de Bangkok para Siem Reap com a Thai Air Asia, o braço tailandês da empresa e nesse post vou contar como é voar com a Air Asia.


Como é voar com a Air Asia


Compra da passagem

Geralmente eu não comento nesses posts sobre o procedimento de compra das passagens, mas no caso da Air Asia vale tocar no assunto. Eu comprei pelo site deles, airasia.com, que comercializa os trechos de todas as operações regionais, independente se você vai voar com o braço tailandês ou não.

Braço tailandês da Air Asia

Braço tailandês da Air Asia

Eu comprei o trecho entre Bangkok e Siem Reap no site deles sem muitos problemas, mas existem algumas pegadinhas. Depois de escolher seu voo, o site tenta te vender até a mãe deles. Mas diferente das empresas européias, esses adicionais não são tão caros.

Lembrando que a tarifa não inclui despacho de bagagem e eu estava com uma mala de bordo, mas com itens que não poderiam ser levados na cabine, eu teria que despachar e ao comprar a passagem, paguei 10 dólares a mais por trecho e pude despachar a mala, escolher uma poltrona e ainda tive direito a um lanchinho. Honestamente, não achei caro.

Eu tentei comprar outros trechos dentro da Tailândia e de Pucket a Kuala Lumpur na Air Asia, mas o site insistia em recusar meu cartão, mesmo já tendo efetuado a compra para o trecho até o Camboja. Um amigo que tem uma agência de viagens tentou comprar para mim e até no sistema dele também deu erro. Mistérios no mundo moderno!

Embarque

Em Bangkok a Air Asia opera no Aeroporto Internacional Dom Mueang, que é o antigo aeroporto internacional da cidade, hoje ele é usado pelas low-cost e algumas empresas menores, é incrivelmente movimentado.

Leia mais: Chegando em Bangkok pelos aeroportos Suvarnabhumi ou Dom Mueang

O terminal doméstico do aeroporto é sensacional, mas o internacional é bem caótico. Demorei uns 40 minutos só para passar pelo controle de passaportes, mais uns bons minutos no raio-x até conseguir entrar na sala de embarque faltando poucos minutos para encerrarem o embarque, mas por sorte (nesse caso) o voo estava atrasado.

Sala de embarque do Dom Mueang

Sala de embarque do Dom Mueang

A aeronave

A frota da Air Asia é de aeronaves Airbus A319, A320 e A330, este último para os voos de longa distância. Meu voo de Bangkok a Siem Reap foi operado por um A320, mesmo modelo usado largamente aqui no Brasil pela LATAM e Avianca. O interior da aeronave é muito bonito, todo em preto, vermelho e cinza.

As poltronas são de couro sintético e para servir de comparação, são mais apertadas que as da LATAM, não tem nenhum sistema de entretenimento de bordo, a não ser a revista da empresa, com conteúdo bem raso, mas dá pro gasto.

air_asia_4

O interior é bem bacana

air_asia_6

Não se enganem, esse quadrado atrás da poltrona não é uma TV.

air_asia_5

Bem apertadinho

Voo e serviço de bordo

O voo partiu com 30 minutos de atraso, poderia ter sido bem mais que isso, mas o embarque é bem ordeiro e ligeiro, tanto pelo pessoal de terra quanto a tripulação. Tempo é um fator crucial para a sobrevivência de qualquer empresa, aeronave no chão não gera receita.

A viagem de Bangkok a Siem Reap é rápida, dura pouco mais de 1 hora, por conta disso a aeronave não sobe para a altitude de cruzeiro, o lado ruim é que as turbulências são bem frequentes.

Sobrevoando Bangkok na decolagem.

Sobrevoando Bangkok na decolagem.

A Air Asia não oferece serviço de bordo gratuito, é tudo pago. O preço não é salgado, mas como eu tinha comprado aquele pacote de upgrade para despachar a mala e reserva de poltrona, tinha direito a um lanchinho que nem me lembrava mais que tinha comprado. Mas veio um sanduíche frio e uma água.

O tal lanche

Como é voar com a Air Asia: O tal lanche

Um susto na volta

Volta e meia eu leio alguma nota na imprensa contando algum incidente envolvendo a Air Asia, o mais recente foi caso de um voo de Kuala Lumpur a Sidney que o piloto “errou” o caminho e pousou em Melbourne (leia aqui), também teve o caso – uma tragédia – da queda de um A320 no mar da Indonésia sem sobreviventes (leia aqui), mas eu nunca tive medo de voar e não serão casos assim que me farão evitar uma empresa ou rota.

Embarque na pista caolenta do Camboja

Embarque na pista calorenta do Camboja

Mas no voo de volta do Camboja para a Tailândia eu passei por um susto. Já na aproximação para pouso no Aeroporto Dom Mueang em Bangkok uma turbulência muito forte fez com que a aeronave perdesse sustentação e despencasse por uns 10 segundos.

Na época, eu contei tudo nesse post: De Siem Reap para Krabi e o dia que quase seu ruim de vez.

A situação foi tão séria que dias depois eu recebi uma ligação deles oferecendo acompanhamento psicológico. Mas ficou tudo bem e não precisei do serviço, mas foi bacana a atenção que eles deram.

Sobrevoando o Camboja

Como é voar com a Air Asia: Sobrevoando o Camboja

Vale a pena?

Os preços da Air Asia são realmente muito competitivos, mas as concorrentes dela muitas vezes oferecem um serviço melhor por preços iguais e as vezes por pouco a mais.

Por exemplo: a Thai Lion, que concorre com eles em muitos trechos dentro da Tailândia tem tarifas iguais e oferecem despacho de bagagem, marcação de poltrona e um biscoito (hahah) já incluso nas tarifas. Ok, esquece o biscotinho, mas pensa que enquanto a Air Asia cobra pra despachar bagagem e marcar poltrona a Thai Lion inclui de graça.

Quando vale a pena? Quando as tarifas forem menores e você não precisar despachar bagagem e não fizer questão de marcar a poltrona com antecedência.


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar