O que fazer em Vientiane, a pequena capital do Laos

O que fazer em Vientiane

Vientiane a capital do Laos é um lugar de passagem, muitas pessoas chegam por aqui vindo principalmente da Tailândia, que faz divisa com o Laos pelo rio Mekong em Vientiane. Apesar de não ter muito o que fazer aqui, a cidade era minha parada obrigatória, pois meu voo para Singapura partiria daqui e eu ficaria praticamente dois dias inteiros na cidade, a missão era descobrir o que fazer em Vientiane.

Nos guias e blogs que falam do Laos, Vientiane aparece com pouco destaque, mas muitos viajantes recomendavam pelo menos um dia na cidade. É a maior cidade do país, mas é menor que muitas cidades médias do Brasil, tem 700 mil habitantes.


O que fazer em Vientiane


Patuxai

A primeira parada é o Patuxai, o monumento que fica no centro de Vientiane e que foi construído em 1957 e 1968 para comemorar a independência da França. Ele também é chamado de “Arco do Trifunfo de Vientiane” e foi inspirado no Arco do Triunfo de Paris, mas com elementos asiáticos.

Em frente a ele tem um parque, com uma fonte bonita e que rende ótimas fotos. O Patuxai é realmente um monumento lindo. Lá de cima a gente tem uma vista em 360 graus da cidade, para subir é cobrada uma entrada de 3.000 KIPs (R$1,50).

Dentro dele a gente fica bem impressionado (mas não surpreso) com o estado de conservação. As escadas estão precárias, dentro dele existem vários camelódromos e o topo está sujo e com aspecto de abandonado.

O que fazer em Vientiane: Patuxai


Wat Sisaket

Na mesma avenida do Patuxai fica o Wat Sisaket, mas com tantos templos, o que torna esse templo especial? Ele foi construído em 1818, foi o único templo que sobreviveu ao ataque do exército da Birmânia em 1828, por tanto, é o templo mais antigo de Vientiane e o único que conserva a arquitetura original, que vai completar 200 anos em 2018.

O que fazer em Vientiane: Wat Sisaket

O Wat Sisaket também funciona como museu, no entorno do templo principal ficam galerias que abrigam mais de 7000 estátuas de Buda em pequenos nichos nas paredes. Uma coisa que eu amei nesse templo, foi aspecto real e antigo de tudo, as peças nunca foram restauradas e carregam os reflexos do tempo.

A entrada no templo custa 10.000 KIPs (R$3,80).

Ao lado dele fica o Palácio Presidencial, não dá pra entrar, mas vale uma olhadinha antes de seguir para a próxima parada, que fica ali do lado, o Haw Pha Kaeo.

O que fazer em Vientiane: Wat Sisaket

O que fazer em Vientiane: Wat Sisaket


Haw Pha Kaeo

A história desse templo é muito interessante, ele foi construído em 1565 pelo Rei Setthathirath para abrigar o Buda de Esmeralda, que na verdade foi esculpido em jade, mas alguns anos depois ele foi saqueado pelo Exército do Sião – atual Tailândia – e o Buda de Esmeralda foi roubado e adivinha onde ele está hoje? Em exibição no Grand Palace em Bangkok.

O que fazer em Vientiane: Haw Pha Kaeo

Aí veio o ataque do Exército da Birmânia em 1828 e o templo foi completamente destruído, esse templo que a gente vê hoje, foi reconstruído entre 1946 e 1952, quando a região teve uma trégua depois da Segunda Guerra Mundial. A ideia era que a Tailândia devolvesse o Buda de Esmeralda, mas como gesto de “amizade” o governo tailandês mandou uma réplica de presente para o Laos.

É só mais um capítulo sobre como esse país foi oprimido durante toda sua história. Primeiro pelos exércitos Siamês e Birmanês, depois pela França e quando ficou independe, veio a Guerra do Vietnã.

No Haw Pha Kaeo tem muitas imagens originais de Buda feitas em bronze, da construção do templo original. Muitas tem marcas dos ataques sofridos ao longo dos anos.

A entrada do Haw Pha Kaeo custa 10.000 KIPs (R$3,80).

O que fazer em Vientiane: Haw Pha Kaeo


Pha That Luang

O Pha That Luang é o mais importante templo budista da cidade, ele foi construído em 1566 quando a capital do país veio de Luang Prabang para Vientiane. Foi destruído e saqueado diversas vezes até que no século 19 ele foi reerguido pela última vez.

O que mais impressiona no Pha That Luang é a cor, mas o que a maioria imagina ser tinta dourada, são meia tonelada de folhas de ouro que cobrem a estupa de 45 metros de altura e as 30 estupas menores que a rodeiam.

O Pha That Luang tem formato de pirâmide, com três níveis, que representam a subida da terra até o céu, com um piso representando o submundo, o segundo nível o budismo e o terceiro nível o reino do céu.

Reza a lenda que a estupa principal guarda uma relíquia de Buda, uma costela que teria sido trazida de missionários da Índia. Verdade ou não, é bem comum a gente encontrar templos na Ásia que dizem ter relíquias de Buda.

A entrada do Pha That Luang custa 10.000 KIPs (R$3,80).

Pha That Luang


Buda Park

O Buda Park é um enorme parque com mais de 200 estátuas de Buda, fica distante 25km de Vientiane e dá para chegar até lá contratando um tuk-tuk por 100.000 KPIs (R$38,00) ida e volta.

O lugar não é um templo, mas um parque construído em 1958 ao lado do Rio Mekong, por tanto, não é um lugar histórico e tem cara de armadilha para turistas. As representações de Buda mostram as várias formas que ele tem em diferentes países, como o budismo indiano, chinês, tailandês e claro, do Laos.

A entrada custa 5.000 KIPs (R$1,90) e para fotografar é cobrada uma taxa de 3.000 KIPs (R$1,14).

Sobre o Buda Park, só vá se você tiver tempo livre em Vientiane, caso contrário, pode deixar passar. Vale privilegiar lugares históricos.

Buddha Park


Mais posts sobre o Laos


O que fazer em Luang Prabang
Pôr do sol no Rio Mekong no Laos, uma experiência única
O despertar dos monges em Luang Prabang
Como conseguir o visto para o Laos
O que você precisa saber antes de visitar o Laos

Postado em:
Quarta-feira, 4 de julho de 2017


Procurando hospedagem em Vientiane?


Olha a nossa lista de sugestões no Booking.com. Reservando um hotel pelo Booking, você ajuda o blog e não paga nada a mais por isso. Clique aqui.


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar