Guia de sobrevivência no Marrocos: 10 coisas que você precisa saber

guia de sobrevivência no Marrocos

O Marrocos é um país interessante, com uma rica cultura e lugares lindos. Se você pretende visitar o país, precisa preparar o corpo e o espírito. Nesse post eu resolvi fazer uma espécie de guia de sobrevivência no Marrocos. São dicas para para evitar os golpes, criar mecanismos de defesa e tirar proveito do melhor que o país tem a oferecer.

Leia também: O Marrocos me decepcionou até onde eu deixei


Guia de sobrevivência no Marrocos


Faz frio

A primeira coisa que eu descobri quando cheguei a Marrakech é que no Marrocos faz frio, e muito. Não é por longos períodos, é verdade, mas para vocês terem uma ideia, eu estava vindo de Lisboa no fim de novembro e estava mais frio em Marrakech do que em Portugal. Um dia a temperatura desabou para os 10 graus e chovia.

Você vai se perder

Uma certeza que você pode ter é que você vai se perder na Medina, mesmo que você esteja com mapa na mão e Google Maps no celular, é praticamente impossível se orientar no meio de tantos becos, vielas e no caos de vendedores, motociclistas e turistas. Uma boa forma de se encontrar é identificando a localização da praça Jemaa el-Fna, pois dali saem e maioria das ruas e becos.

Você vai se perder

Você vai se perder

O assédio incomoda

O que mais me decepcionou no Marrocos foi o assédio, e olha que eu já andei por lugares onde o assédio era grande. A impressão que eu tive é que eles olham para nós e enxergam um saco de dinheiro ambulante. Até se você pedir uma informação na rua eles vão querer cobrar por isso. Claro, nem todo mundo é assim, mas na Medina e nos mercados mais antigos é daí pra pior.

Mulheres sozinhas

Turista andando sozinho é um prato cheio para os golpistas, mulher sozinha é ainda pior. Eu vi alguns caras andando atrás de uma turista na Medina. Foi extremamente desagradável até que um grupo de espanhóis percebeu o que acontecia e deram um “chega pra lá” no cara. Eu vi alguns cafés onde só haviam homens, claramente mulheres não eram bem vindas.

Cuidado com a noite

A noite a Medina fica deserta, com exceção da praça Jemaa el-Fna. Eu conversei com algumas pessoas que recomendaram evitar sair depois de anoitecer, principalmente na parte mais deserta dos Souks e ao redor do bairro judeu. Dizem que a criminalidade em Marrakech é baixa, mas é melhor evitar.

A noite é deserta

A noite é deserta

Respeito ao pedestre

Não existe! As motos andam nas calçadas, os motoristas avançam o sinal vermelho livremente, as motos andam em bando pelos becos mais estreitos da Medina. É preciso ficar sempre atento ao andar por Marrakech.

Para se locomover

Marrakech não é uma cidade grande e o que interessa está a um raio de no máximo 3 quilômetros da praça Jemaa el-Fna. Andar lá é fácil, eu fiz todos os passeios a pé, até mesmo os mais distantes, como o Jardim de Majorelle que fica mais afastado da Medina. Não vale a pena pegar um taxi pois não são todos os lugares em que eles conseguem entrar e o trânsito é extremamente caótico.

Trânsito caótico

Trânsito caótico

Se hospede em um Riad

É bacana se hospedar nos tradicionais Riads no meio da Medina. Riads são antigas residências familiares que foram transformadas em hospedarias. É uma maneira bem legal de vivenciar um pouco dos costumes locais. Eu me hospedei no MonRiad, que pertence a uma família Italiana que descobriu o lugar abandonado e transformou em hotel.

Cuidado com as fotos

As pessoas não gostam de serem fotografadas, principalmente as mulheres e os mais idosos. Se for visitar um Souk, evite fazer fotos das pessoas. Alguns comerciantes cobram para tirar uma foto e se você não pagar, vai ouvir alguns xingamentos em árabe.

As pessoas não gostam de serem fotografadas

As pessoas não gostam de serem fotografadas

Negocie tudo

O preço que os comerciantes oferecem seus produtos nunca é o final. A barganha é algo que faz parte da tradição deles, Marrakech é um bom lugar para comprar artigos decoração e o preço é bom, mas sempre peça desconto, faça cara de que não vai comprar, dê as costas que eles vão fazer um bom preço sempre.


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

1 Comentário

  • Responder dezembro 1, 2016

    Eder

    Não imaginava que fosse esse caos todo! Aliás, primeira vez que leio algo sobre Marrocos. Obrigado por compartilhar!

Deixe uma resposta