O que fazer em Praga, República Tcheca (roteiro de 3 dias)

Em 2012 eu comprei de forma aleatória um guia de Praga da Lonely Planet. Eu não tinha planos de visitar a cidade, mas aquele guia me conquistou e eu fui devorando as páginas. Seis anos depois, quando cheguei na República Tcheca eu já sabia o que fazer em Praga.

De certa forma, tudo já era familiar para mim. Eu sabia aonde ir, onde me hospedar, o que fazer e o que comer. Eu estava lá para pagar – com maior prazer – a minha dívida de anos com a cidade.

Mas se tem uma coisa que página nenhuma de guia te mostra, é a sensação maravilhosa e quase mágica que é caminhar por aquelas ruas. E cá entre nós, o frio colossal que eu senti no fim do inverno europeu.

Praga tem um toque de mistério, seja pela luz baixa e sol tímido daqueles dias. Seja pela arquitetura gótica com suas igrejas com torres pontiagudas apontando para cima. Ou até mesmo para a impessoalidade e distância dos Tchecos. Como na maioria dos recantos do leste europeu.

O que fazer em Praga


Entendendo Praga


Para entender melhor a cidade, Praga é dividida ao meio pelo Rio Moldava, de um lado fica Malá Strana e o Castelo de Praga, do outro lado fica a Cidade Velha, o Bairro Judeu e mais adiante a Cidade Nova.

Toda essa área história em volta do Rio Moldava é chamada de Praga 1, em torno dela ficam as outras regiões. Por exemplo, a estação central de trens (por onde muita gente chega na cidade) é Praga 2. A rodoviária fica em Praga 3, o aeroporto fica ao lado de Praga 17 e por aí vai.

Digo isso pois vai ser comum você ver placas na cidade indicando essas regiões. Mas na prática, tudo o que tem pra ver na cidade fica em Praga 1.


O que fazer em Praga


Ponte Carlos

A Ponte Carlos – Karlův Most ou Charles Bridge – é a ponte mais antiga da República Tcheca, e o lugar mais procurado da cidade. É tipo a Champs Elysées deles e um lugar excelente para começar a sua visita.  

A Ponte Carlos foi construída pelo rei Rei Carlos IV há quase 700 anos. Para quem vem da cidade antiga, a imagem da Ponte com o Castelo de Praga nas colinas do outro lado do rio é a visão mais festejada pelos visitantes e a mais famosa do país.

Momento raro com a ponte “menos” cheia

A construção da ponte começou no dia 9 de julho de 1357 às 5h31 da manhã. Quer saber o porquê? É que o rei era extremamente supersticioso e escolheu esse momento pois os números formam uma sequência de números ímpares que podem ser lidos em qualquer sentido: 135797531. De frente para trás e de trás para frente. Louco né?

Leia o post completo sobre a Ponte Carlos aqui

A ponte de 516 metros tem duas torres góticas nas suas extremidades, em cada uma delas funcionam mirantes de onde a gente tem uma visão privilegiada da ponte, a cidade antiga, Castelo de Praga ao fundo e da Malá Strana. Vale muito enfrentar as escadas estreitas, os degraus e mais degraus para curtir o visual. E lá de cima a gente percebe o formato irregular da ponte, algo que a gente só vê do alto.

Santo Agostinho, estátua de 1708

Ponte Carlos

A vista de uma das torres

Castelo de Praga

O Castelo de Praga, é o segundo lugar mais visitados na capital da República Tcheca, ficando atrás apenas da Ponte Carlos. Ele é bem diferente da maioria dos castelos medievais que a gente vê pela Europa. Pois ele não é formado por uma única edificação com torres e cercado por uma muralha.

O Castelo de Praga é um conjunto de palácios e igrejas conectados por pequenas ruas e vielas e cercados por muralhas em algumas partes. Olhando lá de baixo, muita gente confunde a Catedral de São Vito – que fica dentro do complexo – como o castelo em si.

A história do Castelo de Praga se confunde com a história da cidade, pois foi a partir daquela colina onde ele foi construído que a cidade surgiu e se desenvolveu. E essa história começou no ano 880 e ele foi crescendo até que a última obra foi concluída em 1929. Ele já foi residência dos Reis da Boêmia e ainda hoje é a sede do governo Tcheco.

Leia aqui o post completo sobre o castelo e dicas para a sua visita

Castelo de Praga

O que fazer em Praga: Castelo de Praga

Castelo de Praga

Malá Strana

A Malá Strana é o bairro que fica aos pés do Castelo de Praga. O bacana é conhecer o bairro descendo desde o castelo. A vista é linda, as ruas estreitas cheia de casinhas e sobrados com cara de casa de boneca. Pelas calçadas, muitas vitrines de lojas fofinhas com marionetes caprichadas, peças de cristal a preços muito acessíveis, matrioskas, doces que não acabam mais e aquele ímã de geladeira caprichado.

O que fazer em Praga: Malá Strana

Praga Velha (Old Town)

Praga Velha ou Cidade Velha, como o nome diz, é essa região que surgiu junto com a construção do Castelo de Praga (do outro lado do Rio) e com a fundação da cidade. É lá que fica o Relógio Astronômico, a Igreja Nossa Senhora Diante de Týn, o Bairro Judeu, a Torre da Pólvora e muitas outras atrações no entorno da Praça da Cidade Velha. Eu vou falar melhor de todos os lugares mais interessantes nos tópicos seguintes, ok?

Praga Velha

Praça da Cidade Velha (Staroměstské náměstí)

Outro ponto muito bacana para começar a sua visita por Praga é a Praça da Cidade Velha. Ela é rodeada de belíssimas construções como a Igreja Nossa Senhora Diante de Týn, dá para subir na Torre do Relógio para ver a cidade de cima, de um ponto de vista bem bacana e diferente.

Falando em igrejas, quem gosta (e também que não curte) de arte sacra, vale muito a pena conhecer a Igreja de São Nicolau, outra jóia que Praga conserva para a gente.

O que fazer em Praga: Praça da Cidade Velha

A Praça da Cidade Velha também é um ótimo lugar para comer e beber, sempre tem uma feirinha de comidas e bebidas típicas por ali. Como o Trdelník, o um tipo de pão que enrolado em formato de espiral em cilindros. A massa fica fica girando em cima da brasa, tipo uma churrasqueira, até assar. Ah, e dá para escolher o recheio.

Trdelník

Mas o que atrai uma multidão de pessoas para a Praça da Cidade Velha é o Orloj, popularmente conhecido como Relógio Astronômico construído em 1410. Para a minha infelicidade – e de uma centena de pessoas – quando eu fui ele estava passando por uma reforma e estava coberto por uma lona. Mas a verdade é que Praga tem tantos lugares lindos para ver que nem fez tanta falta. O engraçado eram os turistas chineses fazendo seus selfies em frente a tal lona.

Relógio Astronômico (imagem de banco)

Bairro judeu

O Bairro Judeu, ou Josefov fica dentro da cidade velha, pertinho da Praça da Cidade Velha. Ele tem esse nome por ter abrigado uma numerosa colônia judaica até a Segunda Guerra Mundial.

No bairro fica uma importante e histórica sinagoga que hoje é o Museu Judaico e fica ao lado do cemitério judaico que no embalo acabou virando atração turística. As paredes brancas da sinagoga são preenchidas de cima a baixo com os nomes dos 80 mil judeus mortos pelo nazismo. Estima-se que em Praga restaram apenas 3 mil judeus.

Franz Kafka viveu no bairro, que presta uma homenagem a ele com uma estátua de bronze. Kafka morreu antes da guerra, em 1924, mas certamente não teria sobrevivido ao holocausto, como suas três irmãs não sobreviveram.

O que fazer em Praga: Sinagoga Klaus

Hoje o Bairro Judeu é chique, um dos endereços mais elegantes é a Parizska e o nome não lembra a capital francesa a toa, ela é uma rua cheia de lojas daquelas que a gente só pode observar a vitrine e tem medo até de pronunciar seus nomes. Tipo Bulgari, Prada, Chanel…

Dica: Há alguns anos eu li um livro chamado O Diário de Helga. A autora, Helga Weiss era uma das 15.000 crianças judias que foram levadas para o Campo de Concentração de Terezín na antiga Tchecoslováquia. Destas, apenas 100 chegaram com vida ao fim da Segunda Guerra Mundial, inclusive Helga. Hoje ela tem 88 anos e vive em Praga, no mesmo apartamento em que morou com os pais antes da guerra. O livro é tocante, vale muito a leitura.

Estátua em homenagem a Franz Kafka

Torre da Pólvora

Séculos atrás, a Cidade Velha de Praga era cercada e haviam 13 portões grandiosos que davam acesso a ela. Um desses portões era a Torre da Pólvora, uma linda torre gótica construída em 1475. Ela se parece muito com as torres da Ponte de Praga e também, tem um mirante para quem quiser enfrentar os seus degraus estreitos.

Busto de Franz Kafka

O escritor tcheco Franz Kafka é um dos maiores nomes da literatura mundial do século 20, talvez você já tenha lido – ou ouvido falar – em A Metamorfose. Obra lançada em 1915 fala de Gregor Samsa, um caixeiro viajante que abandona os seus sonhos e desejos para sustentar a família, mas em um certo dia Gregor acorda tendo se transformado num inseto monstruoso.

Franz Kafka está em todos os cantos de Praga, em estátuas, museus e o mais impressionante é essa obra do artista tcheco David Cerny. Uma escultura de 11 metros de altura formada por 42 camadas de que se movimentam e formam o rosto de Kafka. Uma das obras de arte moderna mais impressionantes que eu já vi, é hipnótico.

O que fazer em Praga: Busto de Franz Kafka

Busto de Franz Kafka

A Casa Dançante

A Casa Dançante é uma das maluquices que a gente encontra em Praga. O prédio tem essa arquitetura distorcida para dar a impressão de que ela está dançando. Ele foi inaugurado em 1996, é um dos prédios mais fotografados de Praga. No terraço tem um café muito bacana e com preços bem honestos. Você toma um belo café e admira a vista, que tal?

A casa dançante

Torre e Parque Petrin

Se caminhar por algumas ruas do Bairro Judeu vai dar a impressão de que estamos em Paris, saiba que Praga tem a sua “torre eiffel”. A Torre Petrin é uma torre de TV que fica no Parque Petrin, nas colinas ao lado da Malá Strana e do Castelo de Praga. Quando eu fui estava tudo coberto de neve, mas eu vi algumas imagens lindas feitas na primavera e verão.

A colina é alta, dá pra ir a pé mas pode ser cansativo. Mas não se preocupe, tem um funicular que faz o trajeto na maior mordomia. Para subir na torre tem elevador ou escada e lá em cima um mirante panorâmico.

O que fazer em Praga: Torre e Parque Petrin

Passeio de barco

Sem dúvidas você não pode deixar de fazer um dos passeios de barco pelo Rio Moldava. Além de ser uma ótima maneira de conhecer a cidade por um outro ângulo, o passeio reserva cenários que a gente só tem de dentro dos barcos. Alguns passeios incluem até refeições a bordo. Dica: se for primavera ou verão, faça um passeio no fim de tarde.

O que fazer em Praga: Passeio de barco no Moldava

Elevador Paternoster

Paternoster são elevadores sem portas e que não param nunca, criado para ninguém perder tempo esperando o elevador. Você tem que entrar e sair deles no momento certo, ou pode ter a cabeça cortada fora. Sério!  Eles foram inventados no final do século 19 no Reino Unido e proibidos anos depois por serem muito perigosos.

Mas ainda existem uma dezena deles em Praga, a maioria em lugares fechados ou prédios governamentais. Mas no Palácio YMCA, um prédio público de Praga e ele fica aberto ao público, bem no hall de entrada. Se você estiver passando por perto e com tempo, vale dar uma espiada.

O que fazer em Praga: Elevador Paternoster

Comer e beber em Praga

A culinária tcheca é forte, não é o tipo de comida que agrada a todo mundo. O lado bom é que tem diversos restaurantes de culinária internacional em Praga, inclusive restaurantes brasileiros.

Um prato que você pode pedir tranquilamente é o Goulash, um guisado de carne no molho de cerveja. Geralmente vem com uma entrada, que pode ser uma sopa (a de beterraba é ótima) ou frios. Para acompanhar peça o Knedlíky, uma bolota em formato de almôndegas feita de pão, farinha, batata e ovo. Dizendo assim pode parecer uma gororoba, mas no molho de cerveja e carne do Goulash fica maravilhoso.

O que fazer em Praga: Goulash

Para acompanhar, uma bela cerveja artesanal tcheca. Nada de garrafas, elas vem no caneco de 500ml.

Falando em cerveja, se você quer provar as boas “brejas” tchecas, o lugar perfeito é o Prague Beer Museum, um pub com nada menos que 30 torneiras de cevada. Meu deus!

Para fechar a noite, recomendo o Jazz Dock, um píer-bar com música ao vivo, é meio concorrido, mas é muito bacana.

O que fazer em Praga: O paraíso dos amantes de uma boa cerveja


Sugestão de roteiro


Dia 1: Ponte Carlos, Malá Strana e Castelo de Praga
Dia 2: Cidade Velha, Bairro Judeu, Torre da Pólvora e Praça da Cidade Velha
Dia 3: Parque e Torre Perín, Busto de Franz Kafka e Casa Dançante


Planejando a sua viagem


calendario

Quando ir

A República Tcheca é bem fria no outono e inverno e faz um calorzinho gostoso na primavera e verão. Claro, os melhores meses são os mais quentes, mas dá para visitar em qualquer época do ano.

 

carro

Como chegar

Não existem voos diretos do Brasil para a Praga, mas chegar até lá é fácil fazendo conexão em qualquer grande cidade Europa que receba voos do Brasil ou até mesmo pelos países do Oriente Médio.

 

icon1

Visto

Brasileiros não precisam de visto para entrar na República Tcheca, o país faz parte da União Européia e sendo um país Schengen, o visto de entrada vale para a visitar o país e os países membros por 90 dias.

 

icon2

Quanto custa

Praga não é uma cidade cara, a boa notícia é que tem opções para todos os bolsos e isso foi algo que me surpreendeu muito. Dá para se divertir muito sem gastar rios de dinheiro.

 

icon3

Como se locomover

A melhor forma de andar por Praga é a pé, mas se você precisar, o transporte público é eficiente e eles tem um bom metrô e rede de bondes imensa.

 


Onde se hospedar em Praga


Em Praga é fácil encontrar algum tipo de hospedagem que cabe no seu bolso, o problema é que muitos hotéis que pareciam boas opções, estava no meio da muvuca da cidade ou nas partes mais altas da Malá Strana, nos pés do Castelo de Praga. E tudo bem, é uma região linda, mas o sobe desce de ladeira todo os dias parecia uma péssima ideia.

Leia aqui o post completo com dicas de hospedagem

Outras sugestões de hospedagem em Praga:



Booking.com


Compre aqui seus passeios em Praga



Resolva aqui a sua viagem


Reserve a sua hospedagem pelo Booking.com

Faça aqui o seu seguro viagem internacional

Compre aqui os ingressos para os seus passeios

Consultoria de viagens e roteiros personalizados

Ebooks e guias para download


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.