Como foi visitar o MASP (Museu de Arte de São Paulo) na reabertura

visitar o MASP

Após quase sete meses de portas fechadas por conta da pandemia do novo Coronavírus, o MASP (Museu de Arte de São Paulo) reabriu ontem (13/10) ao passo que São Paulo chegou na fase verde do plano de flexibilização do estado de São Paulo

E o museu se adaptou para o momento com uma série de medidas que visam a segurança do visitante, como a lotação máxima de 60% e ingressos vendidos apenas pela internet e com hora marcada. Na terça a entrada é gratuita, entretanto os ingressos precisam ser emitidos pelo site do museu.

visitar o MASP
Como foi visitar o MASP: Distanciamento social na entrada
Como foi visitar o MASP: Distanciamento social na entrada
visitar o MASP
Aqui vocês conseguem ver melhor a organização na entrada

Além disso, é obrigatório o uso de máscaras e manter o distanciamento mínimo de 1,5m, a não ser que você tenha ido acompanhado. Contudo é importante sinalizar que são permitidos apenas grupos de até seis pessoas e essa regra vale inclusive para famílias. Logo na entrada no vão livre são realizadas aferições de temperatura, e por todos os lados encontramos totens de álcool em gel e marcações no chão para orientar os visitantes dentro dos protocolos de segurança. 

visitar o MASP
Apenas 3 pessoas por vez nos elevadores

As escadas ganharam marcações para manter o distanciamento social e os elevadores levam no máximo três pessoas.


Como foi visitar o MASP na reabertura


Foi bacana matar as saudades de um dos ícones da cidade e voltar a ter contato com o aparato cultural de São Paulo. Eu achei o museu bem vazio, eram poucas pessoas na fila e lá dentro não aconteceu aglomerações em nenhum momento.

visitar o MASP
Vejam como estava bem tranquilo

Quais exposições encontrar no MASP


Eu comecei a visita pelo piso superior, onde fica a exposição permanente do MASP, chamada de “Acervo em transformação” e que tem obras de grandes mestres como Picasso, Van Gogh, Cézanne, Renoir, Monet e Anita Malfatti, Di Cavalcanti e Candido Portinari.

visitar o MASP
Di Cavalcanti
visitar o MASP
Vincent van Gogh
visitar o MASP
Acervo em transformação

Além do acervo permanente, o museu reabriu as suas portas com quatro exposições distintas, entretanto todas abordando a dança como tema principal. Um dos destaques é a exposição “Hélio Oiticica: a dança na minha experiência“. A mostra está no amplo subsolo do MASP e apresenta os rumos de pesquisa do artista, com o estudo de elementos rítmicos e também coreográficos que deram origem aos Parangolés na década de 1960. 

visitar o MASP
Hélio Oiticica: a dança na minha experiência
visitar o MASP
A mostra ocupa o amplo subsolo do MASP

Ao lado fica a pequena mostra da “Topologias”, da artista afro-americana Senga Nengudi que mistura escultura e dança, instalação e performance.

No primeiro piso encontramos também a mostra “Trisha Brown: coreografar a vida”, a  primeira exposição individual na América do Sul dedicada à coreógrafa, dançarina e artista Trisha Brown. Junto desta exposição fica uma mostra dedicada a Babette Mangolte em uma seleção de vídeos antigos focados na dança.

visitar o MASP
Trisha Brown
visitar o MASP
Mostras com foco na dança

Como visitar o Masp

O Museu de Arte de São Paulo fica localizado na Avenida Paulista, 1578. O acesso pode ser feito pela linha verde do metrô através da Estação Trianon-MASP. 

Os ingressos precisam ser comprados pelo site do museu ou emitidos pelo site para o dia de entrada gratuita. Nos dias pagantes a entrada custa R$45 (adultos) e R$22 para estudantes, professores e maiores de 60 anos.

Os novos horários de funcionamento são:

  • De terça a sexta: das 13h-19h (com a última entrada até as 18h30)
  • Sábado e Domingo: das 10h-16h (com a última entrada até as 15h30)
  • Segunda: fechado

***










Reservando um serviço com um dos parceiros do blog, você ajuda o Vou na Janela a produzir mais conteúdo e não paga nada a mais por isso. O Vou na Janela só recomenda empresas e serviços em que confia.


Compartilhe este post:
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em Bangkok na Tailândia, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.