O que fazer em Paraty: arte, história, praias e cachoeiras

A cidade de Paraty no estado do Rio de Janeiro certamente é um dos raros lugares no Brasil onde a gente encontra um centro histórico tão bem preservado, com uma rica cena cultural e excelente gastronomia. Além disso, a região tem praias lindas, ilhas exuberantes, trilhas e cachoeiras. Não é exagero dizer que Paraty é um pacote completo, capaz de agradar a todo tipo de turista.

Eu sempre quis conhecer Paraty, lugar que abriga a mundialmente famosa Flip – Festa Literária de Paraty e tive a oportunidade de passar meu último aniversário lá. Foi tão especial que resolvemos estender a visita e voltar só no dia seguinte.

Paraty é assim, você chega e já se apaixona. Difícil encontrar alguém que fale mal e se encontrar, bom sujeito não é.

Centro Histórico

Centro Histórico


O que fazer em Paraty


Centro histórico

Comece a sua visita pelo centro histórico de Paraty e seus cartões postais. Ele é considerado pela UNESCO como “o conjunto arquitetônico colonial mais harmonioso” e também é Patrimônio Nacional tombado pelo IPHAN.

O conjunto arquitetônico é típico das colônias portuguesas, algo que a gente consegue ver em outras regiões do Brasil, como as cidades históricas de Minas. Mas a influência da Maçonaria também deixou a sua marca, como o padrão de construção dos casarões, lado a lado.

Uma das muitas ruas do centro histórico

Uma das muitas ruas do centro histórico

Casarões um ao lado do outro

Casarões um ao lado do outro

Eu achava que o centro histórico fosse pequeno, como a maioria das conjuntos coloniais remanescentes dessa época é, mas o centro histórico de Paraty é grande. São mais de 15 ruas e muitas quadras para explorar. Cada rua é um cenário, um encantamento atrás do outro.

Os casarões são ocupados por bares excelentes, ótimos restaurantes, centros culturais, lojas, pousadas, hostels e hotéis.

Lindo casarão

Lindo casarão

Paraty é uma das cidades pequenas com maior riqueza cultural que eu já visitei. Em todas as esquinas a gente encontra músicos, artistas, poetas e todo tipo de manifestação artística.

Toda essa área que hoje compreende o centro histórico surgiu entre os séculos 18 e 19, foi um das pontas da Estrada Real, que trazia o ouro de Minas Gerais para os navios portugueses, também foi uma cidade importante no Ciclo do Café e pelo tráfico de escravos.

Esse lado triste da nossa história acontecia bem ali, em frente a Igreja de Santa Rita. Os escravos eram trazidos da África e comercializados em praça pública.

Igreja de Santa Rita

Igreja de Santa Rita

Canhões que defendiam a cidade

Canhões que defendiam a cidade

Todo centro histórico de Paraty é fechado por correntes para o tráfego de veículos, andar de carro por ali não seria uma tarefa muito simples por conta do calçamento irregular, conhecido como “pé de moleque”.

Esse mesmo calçamento força a gente a andar mais devagar, como uma amiga disse e assim, desacelerar da vida corrida e apreciar mais o redor.

Cena típica de Paraty

Cena típica de Paraty

Essas ruas foram construídas para o tráfego normal de pessoas e carruagens, mas também para ajudar a escoar o dejetos despejados pelos moradores. Basta lembrar que não existia rede de esgoto naquela época e por isso o leito das ruas são mais baixos, para quando a maré subir, levar embora o esgoto dos moradores.

Casarões de Paraty

Casarões de Paraty

Casarões de Paraty

Casarões de Paraty

Note o leito da rua mais baixo para escoar o esgoto

Note o leito da rua mais baixo para escoar o esgoto

Hoje os casarões tem rede de água e esgoto, mas a maré continua subindo como sempre e nessas ocasiões, as ruas mais próximas da Baía de Paraty ficam alagadas.

A melhor maneira de explorar o centro histórico é caminhando, mas existe a opção do passeio de charrete. Digamos que não é uma boa ideia, além da exploração do animal não ser algo legal, as ruas são tão irregulares que as pessoas quase são arremessadas da charrete.

Arte na rua

Arte na rua

Paraty é famosa por suas cachaças e licores, vale muito visitar a alguns armazéns e cachaçarias. Uma cachaça premiada de lá, a Engenho D’Ouro custa 99 reais a garrafa. Os licores da Paratiana custam 45 reais a garrafa de 500ml e 27 reais a garrafa menor, de 250ml. (www.facebook.com/cachacariaarmazemdacachaca)

Outro lugar bem conhecido no centro histórico é o Teatro de Bonecos. É super famoso, já foi citado no The New York Times, Los Angeles Times e Le Monde entre outros veículos importantes. O espetáculo é apresentado pelo Grupo Contadores de Estórias no Teatro Espaço (rua Dona Geralda, 327), pertinho da Igreja de Santa Rita.


Trindade

Quem procura Paraty, também procura as praias e um dos destinos mais bacanas é Trindade. A cidade é um distrito de Paraty distante cerca de 24 quilômetros. Um trecho da viagem é pela BR 101 e depois por um trecho de 8 km pela estrada de Trindade.

Logo na chegada fica a Praia do Cepilho, é essa praia lindona das fotos abaixo. O mar aqui é mais agitado e das pedras no lado esquerdo da praia a gente tem o visual lindo de toda Trindade e de praias desertas.

Trindade

Trindade

A estrutura para turismo na Praia do Cepilho é pequena, tem um restaurante, onde inclusive tem uma fonte de água doce para banho e algumas barraquinhas.

Na outra extremidade da praia é onde fica o centrinho de Trindade, é uma parte bem mais agitada da cidade e onde ficam todos os restaurantes pés na areia. Nós ficamos um tempinho no Restaurante Vagalume, eles tem mesas na areia e um deck, também tem ducha de água doce. O preço e atendimento são bons, recomendo a moqueca de peixe com camarão.

Água super transparente na Praia do Cepilho

Água super transparente na Praia do Cepilho

Essa parte da praia é bem agitada e nem é tão bonita, se você quer tranquilidade, vale ficar na Praia do Cepilho.

Em Trindade tem uma trilha super famosa que vai até a Praia do Sono, eu não fiz, fica para a próxima mas todo mundo diz que é imperdível.


Ilha do Pelado e praia deserta

A dica agora é pegar a BR 101 e ir em direção a Angra dos Reis até o pequeno vilarejo de Tarituba. Era lá que foram gravadas as cenas externas da segunda versão de Mulheres de Areia, aquela da Glória Pires.

Praia de pescadores de Mulheres de Areia

Praia de pescadores de Mulheres de Areia

O vilarejo tem uma praia de pescadores e de lá saem barcos para diversas ilhas da região. Por apenas 10 reais por pessoa a gente atravessou até Ilha do Pelado. A viagem dura uns 10 minutos, passa ao lado de pequenas ilhas e lugares lindos.

A praia da Ilha do Pelado tem dois restaurantes, natural que em frente a eles a faixa de areia fique mais cheia, vale procurar um cantinho mais calmo e foi o que nós fizemos.

Ilha do Pelado

Ilha do Pelado

Ilha do Pelado

Ilha do Pelado

Ilha do Pelado

Ilha do Pelado

Ilha do Pelado

Ilha do Pelado

Como a gente levou um cooler térmico com bebidas e algumas coisas para beliscar, não precisamos comprar nada no restaurante. Soube que o atendimento não é dos melhores.

A água da praia é super limpa e transparente, mas é bom ter cuidado com a profundidade pois em poucos metros já fica bem fundo e eu não vi salva-vidas por lá.

Toca do Pastel

Toca do Pastel

Vista da Toca do Pastel

Vista da Toca do Pastel

Voltando da Ilha do Pelado, vale uma passadinha na Toca do Pastel. Eles tem pastéis incríveis para matar aquela fome depois da praia. No restaurante tem um mirante de onde a gente tem um visual lindo e dá até para ver a cidade de Angra dos Reis mais distante.

Se você tiver um pouco mais disposição, vale fazer a pequena trilha que sai do lado do restaurante e chega a uma pequena praia deserta lá embaixo. O começo da trilha não tem sinalização, talvez para manter o lugar mais desconhecido, só perguntar a alguém do bar onde ela começa e não tem erro.

paraty10

A trilha é tranquila com subida moderada, mas o caminho é fácil de fazer e chegando lá embaixo a prainha de águas mornas é um presente.


Cachoeira da Escada

A cachoeira fica pertinho de Paraty, são 26 km pela BR 101 mas já em Ubatuba e por tanto, pertence ao Estado de São Paulo. Mas é tão bonita e imponente que vale entrar no roteiro.

A cachoeira fica pertinho da estrada, tem um bar desativado em frente e o espaço serve como estacionamento. A cachoeira é alta e tem vários pontos para banho.

Cachoeira da Escada

Cachoeira da Escada

Cachoeira da Escada

Cachoeira da Escada


Mais sugestões de passeios em Paraty


A região de Paraty é cheia de lugares para explorar. São várias pequenas agências que oferecem passeios de barco em escunas ou passeios particulares para quem prefere um esquema com mais privacidade, claro, custa mais caro.

Eu não fiz nenhum desses passeios, vai ficar para a próxima, mas eu vi que todos saem bem cheios e eu peguei alguns folhetos de passeios que eu achei que poderiam ser interessante.

Passeios de escuna

Tem um roteiro que sai do cais de Paraty e passa pela llha do Mantimento, Praia da Lula, Lagoa Azul, Praia Vermelha, Ilha Comprida e Jurumim. O barco é operado pela Agentra Turismo (site: www.agentracostaturismo.com.br)

Outro passeio que parece interessante e é ligeiramente diferente do anterior, é o da Escuna Fenix II. Ele passa pela Ilha do Mantimento, Praia da Conceição, Lagoa Azul, Praia da Lula, Ilha Comprida, Jurumim, Ilha da Pescaria e Praia Vermelha. (site: www.fenix2.com.br)

Para quem busca um passeio mais curto, a Netuno Expedition tem um tour até o Saco do Mamanguá, que passa pela Praia do Engenho, Ilhote do Mamanguá e Praia do Costa. O passeio tem 2 horários, saindo às 9h da manhã e retornando às 13h e partindo às 13h30 e retornando às 17h30. (telefone: (24) 3371-1327 ou 3371-2651)

Para quem busca privacidade, o passeio de lancha privativo é uma boa opção. Eu encontrei uma lancha que oferece esse roteiro personalizado para até 4 passageiros em um roteiro de 7 horas. O passeio é operado pela Paraty Best Travel e o serviço inclui máscaras de mergulho para snorkelling, flutuadores, toalhas, água, refrigerantes e cerveja de cortesia. (site: www.paratybesttravel.com.br)


Passeios terrestres

A oferta de passeios terrestres também é ótima em Paraty, este visita algumas cachoeiras e alambiques. Quem opera é a Jeep Aventura e o tour passa pelo Poço do Inglês, Cachoeira do Tobogã e Cachoeira da Pedra Branca. (telefone: (24) 3371-8690)

Outro passeio semelhante é oferecido pela Agentra Turismo, a mesma que opera um dos passeios de escuna que eu falei acima. (site: www.agentracostaturismo.com.br)

Um passeio que parece ser mais interessante que esses dois anteriores é tour em jeep pela Serra da Bocaina e que passa pela Cachoeira da Pedra Branca, Poço da Usina, Cachoeira do Tobogã e Poço do Tarzan. (telefone: (24) 99983-2225; email: jeepparaty@hotmail.com)


Onde comer e beber


Sarau Paraty Bar

Lugares para comer e beber em Paraty não faltam e tem para todos os bolsos e gostos. Um lugar que gostamos bastante foi o Sarau Paraty Bar (www.facebook.com/sarauparatybar). O preço da comida é um pouco salgado, uma porção de peixe bem singela custa 60 reais, mas a cerveja é geladona e o atendimento é ótimo.

Restaurante Bom Jardim

Nós jantamos uma noite no Restaurante Bom Jardim (Rua Tenente Francisco Antônio), tem preço médio, o prato de massa custou em média 50 reais, mas se pensar que a porção de peixe do Sarau custou 60 reais, o preço dele foi bom. Fora que a comida estava ótima e isso é o mais importante. Eu pedi um penne ao molho pesto e minha amiga pediu uma massa com molho de cordeiro que estava maravilhoso.

Restaurante Seu Joaquim

Eu tenho uma relação de amor e ódio com o Restaurante Seu Joaquim. Nós fomos lá em um sábado a noite e o dono estava na porta bebendo com um amigo não nos deixou entrar pois ele já estava fechando e isso era às 22h30 de um sábado. Como assim um restaurante fecha às 22h30 de sábado em uma cidade turística como Paraty na alta temporada? O jeito que o cara falou também não foi legal, mas enfim…

Seu Joaquim

Seu Joaquim

No dia seguinte nós acabamos voltando lá por coincidência. Estava um calor do Saara e nós entramos no primeiro restaurante fresquinho que encontramos lá pelas 13h e era justamente esse. Bom, o dono ainda não estava lá e fomos muito bem atendidos pela Regina, melhor pessoa!

O ambiente era ótimo, tinha música ao vivo e a cerveja estava incrivelmente gelada. Sobre os preços, são bem semelhante a maioria dos restaurantes. Uma porção com 6 bolinhos de mandioca com carne seca custou 26 reais, estava muito bom. A porção de peixe também custou 60 reais.

Seu Joaquim

Seu Joaquim

Ponto Paraty

Nós também fomos em um restaurante chamado Ponto Paraty, ele fica bem escondidinho em uma das ruazinhas do Centro Histórico (rua da Lapa, 138-232). É um lugar bem simples e gostoso, com cadeiras na rua de pedra e preço muito bom.


Van Gogh

É uma hamburgueria com cara de pub (rua Dr. Samuel Costa, 22). O lugar tem boa música ao vivo e hamburgueres artesanais super elaborados e maravilhosos. O preço e atendimento também é excelente, eu paguei 26 reais em um hamburguer com batata frita. (www.facebook.com/vangoghparaty)


Planejando a sua viagem


calendarioQuando ir
Em qualquer época do ano. Os verões são quentes e o inverno não chega a fazer frio. As chuvas são bem comuns, chove praticamente todos os dias.

 

carroComo chegar
Paraty fica no estado do Rio de Janeiro, distante 248 km da capital e 278 km de São Paulo. O acesso é pela BR 101, a Rio-Santos. Dá para chegar de ônibus: saindo do Rio quem opera é a Costa Verde (site) e de São Paulo quem faz o trecho é a Reunidas Paulista (site).

 

Onde ficar
O melhor lugar para se hospedar é dentro do centro histórico, mas são acomodações mais caras. Tente encontrar algum lugar no entorno para evitar deslocamento de carro, estacionar em Paraty não é muito fácil.

 

Como se locomover
Dentro da cidade a melhor forma é a pé. Para ir a Trindade ou Tarituba, tem ônibus da Viação Colitur. Para aproveitar melhor a região – se você não foi de carro – o legal é alugar um por pelo menos 2 dias.

 


Procurando hospedagem em Paraty?


Olha a nossa lista de sugestões no Booking.com. Reservando um hotel pelo Booking, você ajuda o blog e não paga nada a mais por isso. Clique aqui


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram.


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

2 Comentários

  • Responder maio 21, 2017

    Eliane

    Olá Boa noite gostei muito das dicas, estou me programando pra ir em Paraty.
    Continue com o blog.

    • mm
      Responder maio 23, 2017

      Fabricio Moura

      Opa, que bom que ajudou. Obrigado =)

Deixe uma resposta