Parque Nacional de Aparados da Serra e cânion Itaimbezinho

Itaimbezinho

O Parque Nacional de Aparados da Serra ocupa uma área de 10 mil hectares e fica dentro de outro parque nacional, o da Serra Geral, este com seus 17 mil hectares que abrange vários outros cânions. Ambos os parques pertencem a Cambará do Sul e são administrados pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.

 

Entrada do parque

Entrada do parque

O Cânion Itaimbezinho, provavelmente o mais famoso de todos eles fica dentro do Parque Nacional de Aparados da Serra, que tem esse nome pois seus paredões parecerem ter sido talhados à faca. A região é coberta por uma exuberante vegetação de Mata Atlântica, florestas de araucária e pinheiros.

Eu fiquei hospedado na cidade catarinense de Praia Grande (veja aqui como chegar), de lá até a entrada do parque são 22 quilômetros de estrada de terra, eu fui com o pessoal da Verdes Canyons, é indispensável fazer esses passeios sem um guia. Chovia no dia da visita e a subida da Serra do Faxinal sem carro adequado e guia treinado, seria uma viagem perigosa.

O Parque fica na parte superior dos cânions e como eu disse em outro post, já pertencem ao estado do Rio Grande do Sul. A entrada custa R$10,00 e uma coisa que me surpreendeu foi a ótima estrutura do parque.

Centro de visitantes

Centro de visitantes

Área externa

Área externa

Da entrada até o estacionamento, toda estrada é asfaltada. Logo na chegada eles tem um ponto de apoio para turistas com mapas, maquetes, exposição de fotos, balcão de informações, água e banheiros, além de uma área externa com mesas e cadeiras.

O Cânion Itaimbezinho

O Cânion Itaimbezinho

Cachoeira Véu de Noiva

Cachoeira Véu de Noiva

Como o tempo estava fechado no dia da visita, não conseguimos fazer algumas trilhas que o parque oferece, mas conseguimos ter uma boa experiência em nossa visita. A primeira parada foi ao lado da Cachoeira Véu de Noiva, onde o Rio Perdizes despenca de uma altura de 700 metros dentro do cânion Itaimbezinho.

A neblina atrapalhou um pouco

A neblina atrapalhou um pouco

O cânion visto da trilha do vértice

O cânion visto da trilha do vértice

Quando chegamos lá, estava tudo encoberto pela neblina, pelo menos já não chovia mais, e para nossa surpresa, um inesperadamente um vento começou a limpar a paisagem. A viagem desacreditada começou a revelar boas surpresas. Em seguida, fizemos a trilha do Vértice, que contorna o cânion e proporciona uma visão frontal da cachoeira.

Trilha do vértice

Trilha do vértice

A caminhada é bem tranquila e até um bom trecho o calçamento é de pedras, depois por trilhas na beira do cânion, mas tudo muito seguro. A altura dos paredões impressiona bastante, o tapete verde da Mata Atlântica e cachoeira despencando no vale é uma visão impressionante e inesquecível. Outra coisa que chama a nossa atenção é a vegetação rasteira. Plantas e flores únicas daquele tipo de ecosistema.

Araucária

Araucária

Um tipo de samambaia

Um tipo de samambaia

Tipo de vegetação do topo dos cânions

Tipo de vegetação do topo dos cânions

Pequenos detalhes que impressionam

Pequenos detalhes que impressionam

Tipo de líquem que só cresce onde o ar é extremamente puro

Tipo de líquen que só cresce onde o ar é extremamente puro

Você encontra todos os posts sobre Aparados da Serra aqui.


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar