Como ser feliz com o dólar nas alturas?

dólar nas alturas

A vida dos viajantes não está nada fácil desde que o nosso pobre Real começou a se desvalorizar de forma galopante frente ao dólar e de todas as moedas mais fortes mundo afora.

Em abril eu comecei o planejamento da minha próxima viagem, agora em outubro. Desde então, a cada mês eu preciso atualizar os valores na minha planilha de despesas e toda vez o susto é maior. Para se ter uma ideia, em abril eu escolhi um hotel para ficar em Berlim, as 5 diárias custariam menos de R$700,00. Quando eu fechei o hotel em agosto, essas mesmas 5 diárias já estavam passando dos mil reais. Mas aí ainda tem mais uma surpresa: o Booking.com converte os valores de Euro para o Real mas a fatura do cartão vem em dólar. Aguenta coração!

As passagens aéreas eu garanti com um bom preço, comprei com meses de antecedência e paguei um valor decente para uma viagem dessas. Essa semana, consultando os mesmos trechos de curiosidade, já estavam quase 2 mil reais mais caro. Mas todos nós sabemos que quanto mais próximo da data as passagens ficam mais caras, não é mesmo? Até onde a culpa é do câmbio?

Sempre que ouvimos que o dólar subiu um pouco mais, vem alguém aconselhar que os viajantes busquem destinos mais em conta, como América Latina e Brasil. Parece que desconhecem que 80% dos custos das companhias aéreas são na moeda americana. Mesmo se você voa dentro do Brasil, em uma empresa nacional, esses custos são em dólar, acredite!

Faça uma pesquisa, procure trechos entre o Brasil e algum destino da América do Sul, por exemplo?! Vai ver que não tem nada de barato, tão pouco econômico viajar por países onde a moeda oficial não é o dólar. Como fugir da moeda americana se o turismo mundial é regido pelas verdinhas?

Pensa em viajar pelo Brasil? Outra surpresa nada agradável. O fato é que os brasileiros tem buscado mais destinos nacionais, para fugir do dólar alto, mas se a demanda é alta, os preços sobem. Maldito capitalismo oportunista.

Eu estava procurando passagens para viajar no fim do ano, quando já sabemos que tudo é mais caro que o normal. Está menos caro ir para Cartagena na Colômbia, do que para o Nordeste do Brasil. Cadê o incentivo ao turismo doméstico?

Quem tem essa necessidade de viajar, precisa rebolar para conseguir encaixar tudo no orçamento sem pedir falência. O jeito é pesquisar muito, optar por acomodações mais modestas, fazer passeios mais baratinhos ou de graça e fugir do freeshop. Corra, com todas as suas forças.

Como eternizou a Cátia Cega: “Não está sendo fácil”.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

1 Comentário

  • Responder outubro 20, 2015

    Leandro Melo

    A dica que eu dou para viajar pelo Brasil é: Viajar de ônibus!

    Dependendo do destino, dá pra você viajar durante a noite, sem perder o dia na estrada. Se você tiver carro, também é uma boa opção, principalmente se você estiver com companhia, uma vez que poderá dividir a despesa com combustível.

Deixe uma resposta