Um dia no Museu Hermitage em São Petersburgo, na Rússia

Museu Hermitage

O Museu Hermitage é simplesmente a principal atração turística de São Petersburgo e uma das mais importantes e visitadas da Rússia. Falando de uma forma mais “macro” o Hermitage é um dos principais museus do mundo e um dos mais impressionantes que eu já visitei.

Por mais que as credenciais sejam grandiosas, nada se compara a estar cara a cara com Museu Hermitage e suas salas suntuosas. Falando nisso, as salas e grandes salões são tão bonitas e com tanta opulência, que acabam ofuscando os mais de 3 milhões de peças que compõem o acervo dele.

Uma das galerias mais impressionantes do Hermitage

Eu passei um dia inteiro visitando o Museu Hermitage, pode parecer muito, mas não é. O recomendado é reservar até 3 dias para conhecer bem o museu. Mas a gente sabe que ninguém tem esse tempo todo durante uma viagem. Assim, o ideal é já ir sabendo o que visitar e ganhar tempo. É até triste dizer isso, já que o Hermitage é absolutamente incrível, mas é o mais racional a fazer.


Sobre o museu


O Museu Hermitage é formado por 5 edifícios: o fantástico Palácio de Inverno, o Pequeno Hermitage, Grande Hermitage, Novo Hermitage e o Palácio de Inverno de Pedro, que são as partes “visitáveis” do Hermitage. Completando os edifícios, do outro lado da Praça do Palácio fica o Palácio do Estado Maior que futuramente irá receber mais peças do museu que hoje não estão em exibição.

Palácio do Estado Maior

A história do Museu Hermitage remonta à fundação de São Petersburgo por Pedro, O Grande, em 1703, quando a sede do governo russo migrou de Moscou para essa nova (e mais “europeia”) cidade.

No meio do burburinho dessa nova cidade, em meio a construção de prédios, palácios e catedrais, quando a imperatriz Elizabeth Petrovna encomendou a construção de um palácio em estilo barroco, que deveria ofuscar todos os outros palácios europeus e mostrar para a Europa a riqueza dos russos.

Por isso, tanto o Hermitage, como as catedrais e outros palácios de São Petersburgo são tão majestosos.

Palácio de Inverno


O que ver no Museu Hermitage


Como eu disse no começo desse post, o Museu Hermitage tem 3 milhões de peças em seu acervo espalhados por mais de 1.000 salas. Assim, é impossível ver tudo em um dia, tanto que o museu vende ingressos válidos para 2 dias.

A visita começa pelo Palácio de Inverno, é nele que funciona a entrada e a bilheteria do museu. O andar térreo é todo funcional, com a bilheteria, lockers, raio-x e áreas de convivência. Mas é subindo pela primeira escadaria que começa mesmo a visita.

A escadaria Jordan

Aí começam as salas impressionantes

O teto em detalhes

O acervo do museu inclui quadros, móveis, esculturas, armas, livros, jóias e peças de arte oriental que ocupam uma ala inteira – e meio escondida – no último andar.

Entre as peças mais famosas do Museu Hermitage estão duas Madonas de Leonardo Da Vinci, uma coleção enorme de Matisse, Rembrandt, Van Gogh, Picasso e uma escultura lindíssima de Michelangelo.

Todas mais de mil salas são diferentes

Tudo muito grandioso e impressionante

Vasos imensos de jade

Muitas e muitas peças de artistas russos e um acervo sem fim de itens que pertenceram aos Czares russos, de Catarina a dinastia Romanov. Coisas de um luxo e riqueza que assustam a gente, como esculturas cobertas de ouro e pedras preciosas.

Mas o que mais chama atenção no Hermitage são as salas, salões e escadarias. A mais impressionante delas a gente já vê logo depois de passar pela entrada do museu, a escadaria Jordan. E depois, é um ambiente mais surrealista que o outro.

Esse trono

Mais salas impressionantes

Todos os tetos impressionam

Assim como os lustres


Como visitar o Museu Hermitage


O museu funciona de terça a domingo das 10h às 18h (na quarta ele fecha às 21h) e em toda primeira quinta do mês a entrada é gratuita.

Os ingressos podem ser comprados online (nesse site) ou nas máquinas de vendas dentro do pátio do Palácio de Inverno, ou direto na bilheteria.

Existem 3 ingressos, onde o mais completo, que permite visitar todo o complexo: Palácio de Inverno, Pequeno Hermitage, Novo Hermitage, Grande Hermitage e Palácio de Inverno de Pedro. Esse ingresso custa 700 rublos (R$38,00).

Entrando no museu, os casacos e bolsas precisam ficar nos guarda-volumes. Notei que nos museus da Rússia não pode entrar de casaco, não sei a razão.

Depois de deixar o casaco no armário, a gente passa por um raio-x com revista, mas é tudo tranquilo. Pegue um mapa do museu, vai ser super útil para se localizar lá dentro e encontrar as principais salas e obras.

Dentro do museu não tem lugar para comer e nem pense em entrar com comida, eles não permitem nem balas ou chicletes. Vale dar uma boa forrada no estômago antes de visitar o museu. Falando nisso, chegue cedo! De preferência ao abrir, pois as filas são imensas.

Pode fotografar tudo, sem flash. Para usar câmeras profissionais tem que pagar uma taxa extra para fotografia direto no balcão de vendas de ingressos.

O Museu Hermitage foi uma das experiências mais bacanas que eu tive na Rússia, ao lado da visita ao Kremlin de Moscou. Um lugar obrigatório para quem visita São Petersburgo.


Mais imagens


Mais tetos

A sala do trono

Ante-sala do trono

Detalhes

E esse piso?

Michelangelo


Dica de hospedagem barata em São Petersburgo


São Petersburgo é uma cidade em que a gente consegue se hospedar com conforto e pagando pouco. Confira o post com todas as dicas para escolher o melhor lugar para ficar: leia o post completo aqui.

Ou confira na caixa abaixo outras dicas de hospedagem:



Booking.com


Compre aqui seus passeios em São Petersburgo



Leia mais


Como é passar pela imigração na Rússia
Onde se hospedar em São Petersburgo
Como ir de Moscou a São Petersburgo de trem ou avião
O que fazer em Moscou (Roteiro de 4 dias)


Resolva aqui a sua viagem


Reserve a sua hospedagem pelo Booking.com

Faça aqui o seu seguro viagem internacional

Compre aqui os ingressos para os seus passeios

Consultoria de viagens e roteiros personalizados

Ebooks e guias para download


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.