Dicas de como se locomover em Kuala Lumpur na Malásia

como se locomover em Kuala Lumpur

Kuala Lumpur na Malásia é uma das cidades que eu conheci com maior diversidade de meios de transporte no sudeste asiático e tudo funciona muito bem.

A cidade é atendida por uma rede que inclui metrô, trens de superfície, monotrilhos, trens de alta velocidade e ônibus. Tudo funciona de forma integrada e muito fácil de usar.


Como se locomover em Kuala Lumpur


Mapa da rede com todos os serviços

 


Metrô

O metrô de Kuala Lumpur tem duas linhas, mas não se deixe enganar pelo número pequeno de linhas, elas cortam a cidade de ponta a ponta e ainda se dividem indo para lados diferentes da cidade.

A linha principal é a Kelana Jaya (linha rosa), é a linha que passa por todo centro financeiro e maioria dos pontos turísticos, ela atravessa a região das Petronas Towers e faz integração na KL Sentral, falo dela mais adiante.

A segunda linha é a Ampang (linha amarela), ela começa em Ampang e segue até a estação Chan Son Lin, onde se divide e um trilho segue para o norte até Sentul Timur e o outro para o sul até Putra Heights.


Monotrilho

O KL Monorail (linha verde claro) só tem uma linha, mas ele corta a parte mais bonita da cidade desde o norte até a KL Sentral fazendo 10 paradas ao longo do caminho. É uma excelente alternativa para atravessar essa região da cidade de forma rápida, confortável e ainda apreciando a paisagem.

monotrilho

Monotrilho

 

monotrilho2

Monotrilho por dentro


KTM Komuter

São os trens que ligam a região central de Kuala Lumpur às regiões periféricas e cidades vizinhas. O KTM tem duas linhas:

  • A KTM Rawang-Seremban (linha azul escuro), apesar do nome, começa um pouco depois de Rawang, em Tanung Malin, atravessa a cidade inteira e termina em Seremban.
  • A KTM Sentul-Port Klang (linha marrom), também começa bem depois de Sentul, em Batu Caves e é a linha que atende aos templos de mesmo nome.
KTM Komuter por dentro

KTM Komuter por dentro


KLIA Ekspres e Transit

São dois serviços que correm no mesmo sentido ligando a KL Sentral aos Aeroportos Internacionais de Kuala Lumpur, o KLIA e KLIA2.


Ônibus

Eles cortam a cidade inteira, possuem integração com a rede de transportes sobre trilhos e a grande maioria tem ar condicionado. Tem até uma linha gratuita, a KL Go, mas o problema dos ônibus é que eles são reféns do trânsito da cidade.

Como a maioria das grandes cidades, Kuala Lumpur tem o trânsito super carregado, especialmente nos horários do rush.


Taxi e Uber

São duas boas opções, não achei o taxi caro, mas o Uber é bem mais barato. Um exemplo: Da KL Sentral até o hotel onde eu me hospedei, eu paguei o equivalente a 17 reais de taxi no dia em que eu cheguei a cidade e o equivalente a 10 reais de Uber no dia em que eu fui embora. Estamos falando de uma distância de 6 quilômetros.


KL Sentral


Kuala Lumpur tem uma estação que é um grande hub que conecta todos os meios de transporte em um único lugar, a KL Sentral que fica coladinha na Little India.

Por lá passam a linha Kelana Jaya do metrô, o Monorail, as linhas do KTM Komuter e os serviços de trem para os aeroportos, o KLIA Ekspres e o KLIA Transit.

Na KL Sentral também partem os ônibus para os aeroportos, muitas linhas que circulam pela cidade e até algumas linhas para outras cidades. O lugar é um mundo, é enorme e se perder lá dentro é fácil. Eu me perdi algumas vezes nos poucos dias em que fiquei em Kuala Lumpur.

klsentral

KL Sentral é tão grande que tem um shopping dentro


Como comparar os bilhetes


A melhor forma de comprar o bilhete é em uma das muitas máquinas de autoatendimento que ficam espalhadas pelas estações. O sistema de compras tem uma versão em inglês e é muito simples de usar.

Máquina de vendas

Máquina de vendas

Basta escolher o serviço, o ponto de partida, o destino, fazer o pagamento em moedas ou notas e pronto. O valor da viagem é cobrado de acordo com o trecho percorrido e nem adianta dar uma de espertinho, se você escolher um trecho curto e for desembarcar em uma estação mais distante para pagar menos, o bilhete – que na verdade é uma moeda que a gente precisa inserir de volta na máquina –  trava a sua saída. Aí tem que ir em uma cabine e pagar a diferença.

Moeda que é a passagem

Apesar dos vários meios disponíveis, andar por Kuala Lumpur é fácil e prático, você vai ver como a cidade é pequena e no fim, fazer alguns trechos a pé vai ser mais prático que ter que descer até o metrô para andar uma ou duas estações.

***


Confira o nosso post com todas as dicas de hospedagem em Kuala Lumpur. O Vou na Janela é parceiro do Booking.com e reservando um hotel aqui, você ajuda a manter o blog e não paga nada a mais por isso. =) Mas vou deixar algumas dicas aqui embaixo.

Na minha primeira viagem, eu fiquei no Hotel Transit e foi uma decisão certeira. O hotel fica em frente a Pudu Sentral, um terminal de ônibus intermunicipais e com acesso ao metrô. O quarto era muito bonito e confortável, o café da manhã era relativamente ok, mais para o paladar asiático, mas eu comi bem. Os funcionários eram muito atenciosos e prestativos. O hotel também tem um bom restaurante com preços bem honestos.

Na minha segunda viagem eu fiquei no Hotel GTower, um hotel 5 estrelas bem pertinho das Petronas Tower. O hotel fica dentro da GTower, um prédio que tem escritórios comerciais, restaurantes e um bar muito bacana no terraço. Mas não se preocupe com o barulho, o hotel é muito silencioso e tem um elevador exclusivo. Os funcionários eram muito, mas muito atenciosos e prestativos. Faziam de tudo para agradar e receber bem.

Outros hotéis recomendados nesta mesma região:
Mandarin Oriental, Kuala Lumpur
JW Marriott
Le Apple Boutique Hotel
Holiday Inn Express Kuala Lumpur City Centre


O que fazer em Kuala Lumpur em 3 dias
Como se locomover em Kuala Lumpur
Como é passar pela imigração na Malásia
Como é a visita as Petronas Towers
KL Tower em Kuala Lumpur
Batu Caves: o templo hindú perto de Kuala Lumpur
Little India: o bairro indiano de Kuala Lumpur










Reservando um serviço com um dos parceiros do blog, você ajuda o Vou na Janela a produzir mais conteúdo e não paga nada a mais por isso. O Vou na Janela só recomenda empresas e serviços em que confia.


mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em Bangkok na Tailândia, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.