O que fazer em Macau (bate-volta saindo de Hong Kong)

O que fazer em Macau

O bate volta de Hong Kong a Macau já é um dos passeios clássicos para quem visita esta antiga colônia britânica. Para nós, brasileiros, visitar Macau é ainda mais especial, pois assim como nós, eles também foram uma colônia portuguesa. E as referências portuguesas estão em várias partes, além de praticamente tudo estar escrito em mandarim e português. Eu fiz esse roteiro com o que fazer em Macau para uma viagem de bate-volta, mas se você dispor de tempo, vale a pena passar uma noite na cidade.

Chegar a Macau também é fácil e rápido, eu escrevi um post bem detalhado onde eu explico tudinho. Recomendo muito a leitura. Existem alguns detalhes importantes de imigração que você precisa saber.

Como chegar a Macau

Como chegar a Macau


Um pouquinho da história de Macau


Mas antes, vamos falar um pouco sobre a história de Macau, para que você se situe no contexto histórico e entenda a razão de Macau ser como é, ok? Séculos atrás, os portugueses procuravam um ponto na Ásia para servir de apoio para o comércio entre oriente e ocidente, principalmente que fosse um ponte entre Japão, China e Europa.

Foi aí que eles chegaram em uma pequena comunidade de pescadores chineses na foz do Rio das Pérolas em 1557, acharam que aquele lugar era ideal e foram ficando. Tipo aquela visita que chega na sua casa e não vai embora nunca!?

Mas os visitantes investiram no pequeno território. Construíram casas, prédios, um hospital, igrejas e colégios. Praticamente um pedacinho de Lisboa na costa chinesa e os chineses faziam vista grossa. Só em 1887 que a China reconheceu Macau como um território lusitano através do Tratado de Amizade e Comércio Sino-Português.

Ia tudo muito bem até que os britânicos chegaram em Hong Kong, transformando o vizinho em um grande polo de comércio no oriente, o que fez Macau entrar em decadência e perder a importância que tinha.

Depois da Segunda Guerra Mundial e com a criação da República Popular da China, os chineses começaram a se incomodar com a presença capitalista européia no seu dedão do pé. Foi aí que tanto a Inglaterra quanto Portugal negociaram a devolução desses territórios, mas como região administrativa especial. O que aconteceu em 1997 em Hong Kong e 1999 em Macau.

Por serem regiões autônomas, apesar de pertencerem a China, tem sua própria administração, moeda, regras e leis. Para quem visita esses territórios fica mais claro durante a chegada, com processos de imigração e alfândega independentes.

Tudo também está escrito em português

E andando por Macau a herança lusitana está muitos lugares. Eu achava que eram somente nas placas de rua que tinham nomes em português, mas não, a gente encontra o idioma em todos os lados, nas lojas, ônibus, terminal de barcos, aeroporto. Até no adesivo dentro do taxi. Mesmo ninguém falando português em Macau, o idioma é a segunda língua oficial e por lei, precisa constar em qualquer peça de comunicação. Taí a explicação para situações como esta:

Oops

Se para nós e boa parte do mundo, Macau é conhecida por ser uma ex-colônia Portuguesa, na Ásia a cidade é famosa pelos cassinos. É isso que atrai um batalhão de gente todos os dias a Macau, a jogatina! E em Macau a gente encontra as filiais de famosos cassinos como MGM, The Venetian, Hard Rock… Por isso, na Ásia, Macau é conhecida como a Las Vegas do Oriente.


O que fazer em Macau


Eu dividiria o roteiro em duas partes, primeiro a parte histórica e depois uma passadinha nos cassinos. Mesmo que você não jogue ou não vá a Macau por essa razão, é bacana visitar esses lugares.

A maioria das pessoas começam seus roteiros em Macau indo direto para o Largo do Senado, que era o coração dessa “mini Lisboa”. Mas como eu queria ver o prédio do Grand Lisboa de perto – o que eu considero o prédio mais exótico e extravagante do mundo – eu fui direto para lá.

O que fazer em Macau: O Grand Lisboa

A Torre do Grand Lisboa foi inaugurada em 2008, no meio da explosão de cassinos americanizados que se instalavam no território nos anos 2000. Macau queria um projeto que fosse original, que fosse diferente do design americano. Nas palavras deles, que não fosse uma “caixa folheada”.

Aí que veio a surpresa! O escritório de arquitetura de Hong Kong que fez o projeto se inspirou em um arranjo de cabeça de uma fantasia do carnaval do Rio que eles viram pela televisão. Adicionaram alguns contornos que remetesse à flor de lótus, um dos símbolos de Macau, e o projeto estava aprovado.

Eu disse que era extravagante

A primeira vez que eu vi esse prédio eu achei que fosse uma flor, ou uma bananeira, mas conhecendo o conceito por trás do design dele, faz todo sentido. Eu não acho o Grand Lisboa um prédio bonito, acho interessante pois foge muito aos padrões que estamos acostumados e como disse, é muito extravagante. Como o carnaval, não é mesmo?

Por dentro ele não é nada menos chamativo, falando nisso, a gente pode entrar tranquilamente, mas não pode fazer fotos. Nem tente ou você pode ser expulso.

O que fazer em Macau: Casino Lisboa

Em frente ao Grand Lisboa fica o Casino Lisboa, o mais tradicional de Macau. Vale voltar a noite para ver as luzes, é bem bacana.

Dali até o Largo do Senado eu fui a pé, a distância é curta e nem vale a pena pegar um táxi. O Largo do Senado foi onde os portugueses se instalaram e começaram a desenvolver o território.

O que fazer em Macau: Largo do Senado

Largo do Senado

Atenção para o mixed feelings! É que um sentimento ambíguo toma conta da gente, pois se por um lado temos tantas referências lusitanas, que remetem a Portugal e ao Brasil, por outro lado temos decoração oriental, pencas de chineses e camelôs e mais camelôs. Indo mais além, Largo do Senado me pareceu mais com o centro do Rio do que Lisboa, talvez por isso essa sensação de teletransporte. O calorão de quase 40 graus também ajudou a me sentir na capital fluminense.

As plaquinhas indicando as direções

Portugal com China

Em torno do largo ficam alguns dos prédios mais antigos, como o Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais, o Museu da Santa Casa da Misericórdia de Macau, mais alguns prédios históricos e perto dali, a Catedral da Sé.

O Largo do Senado é caminho para você chegar também nas Ruínas de São Paulo, é o ponto turístico mais conhecido de Macau. E a fama do lugar é confirmada pela multidão de pessoas seguindo pelas estreitas ruas. Cercado de predinhos e sobrados chineses com fachada decadente, o comércio de rua brinda os visitantes com algumas atrocidades, como o pastel doce com recheio de bacalhau. Ou a versão made in China do Pastel de Belém, esse você pode comer que vale a pena.

O que fazer em Macau

No fim da romaria chegamos a enorme escadaria que leva até a fachada da Catedral de São Paulo, e é só isso que restou dela depois de um incêndio em 1835. Atrás da fachada só existem algumas fundações e mais nada. Mesmo assim, é uma das imagens mais fotografadas da cidade.

Ruínas de São Paulo, o cartão postal de Macau

Eu saí dali e voltei para o Largo do Senado, onde eu peguei um táxi até a Macau Tower. A imponente torre de 338 metros de altura é o lugar perfeito para você ver a cidade de cima, mas atenção: só vá se o dia estiver claro e com céu aberto. Caso contrário você não vai ter uma experiência bacana e não vai valer o investimento.

O que fazer em Macau: Macau Tower

O ingresso custa 145 HKD, uns 75 reais. Não é baratinho, mas é um passeio bacana. Quem for mais corajoso pode pular de bungee jump, é o mais alto do mundo a partir de uma torre.

O que fazer em Macau: A vista lá de cima

De outro ângulo

É bemmm alto

Tem coragem? (Imagem: Macau Tower)

Depois da torre você pode começar o passeio pelos cassinos, e aqui vai uma informação maravilhosa! Existem ônibus gratuitos que ligam a torre aos cassinos e ao terminal fluvial por onde chegam e partem os barcos para Hong Kong. Ou seja, daqui em diante você não vai gastar mais nada com táxi! Na porta torre e dos cassinos ficam umas plaquinhas com o itinerários dos ônibus, é só entrar na fila e embarcar.

Ônibus gratuito

Vale a pena visitar o Venetian, Galaxy e o Hard Rock, que também tem uns shows bem bacanas. Já a noite, recomendo voltar para a região do Grand Lisboa para ver as luzes dos cassinos e o show de luzes da fonte do Wynn, quase em frente ao Casino Lisboa.

E na hora de voltar para Hong Kong, da porta do Grand Lisboa saem ônibus gratuitos para o terminal de barcos Outer Harbour.

Paris em Macau

O que fazer em Macau: The Venetian

Macau a noite

***

Visitar Macau é bacana, para mim que estou já a um tempinho longe do Brasil, foi interessante e deu um calorzinho no coração ver tantas coisas escritas em português. E também foi uma sensação de dever cumprido. É que no ano passado eu estive em Hong Kong, mas as rebarbas de um tufão que passou perto da região deixou o tempo chuvoso e a travessia entre os dois territórios interrompida.

E se você for a Hong Kong, recomendo pegar o ferry e ir visitar os nossos primos muito distantes.


Mais imagens


Placa com nome das ruas

O que fazer em Macau: É cassino que não acaba mais

Um grupinho curioso andando entre os cassinos

Parte residencial de Macau

A comida fica assim, na calçada

Informação em português em todos os lugares

Anoitecendo em Macau


Planejando a sua viagem


calendario

Quando ir

Em qualquer época do ano. Os verões são quentes e chuvosos, as vezes podem acontecer os tufões.  Já o inverno a temperatura fica na casa dos 15 graus, e o clima fica mais seco, mas é a época mais agradável para visitar Macau.

 

carro

Como chegar

Não existem voos diretos do Brasil até lá. As melhores opções são via Dubai com a Emirates ou Doha com a Qatar até Hong Kong. Existem voos de São Paulo para Pequim com escala e Madri com a Air China. Depois é só pegar um ferry até Macau (clique aqui).

 

icon1

Imigração em Macau e Hong Kong

Tudo o que você precisa saber para chegar em Hong Kong: Visto, imigração, e transporte do aeroporto para o hotel (clique aqui). Já em Macau é preciso fazer a imigração novamente (clique aqui).

 

icon2

Que moeda levar

A moeda oficial é a Pataca, mas o Dólar de Hong Kong é aceito normalmente. Quando eu fui, levei Dólar americano e Euro, trocar o Dólar americano foi a melhor opção.

 

icon3

Como se locomover

Macau não tem metrô, a melhor forma de andar é de táxi, mas muitos passeios a gente consegue fazer a pé. E para os cassinos tem ônibus gratuito.

 

icon4

Onde se hospedar

Fique em Hong Kong! Sabendo que escolher hospedagem em Hong Kong não é fácil, eu fiz um post com os melhores lugares para e hospedar na cidade e onde evitar  (clique aqui)

 


Procurando hospedagem em Hong Kong?


Olha a nossa lista de sugestões no Booking.com. Reservando um hotel pelo Booking, você ajuda o blog e não paga nada a mais por isso. Clique aqui

Leia nosso post com dicas para escolher um bom lugar para se hospedar em Hong Kong. Clique aqui.



Booking.com


Resolva aqui a sua viagem


Reserve a sua hospedagem pelo Booking.com

Faça aqui o seu seguro viagem internacional

Compre aqui os ingressos para os seus passeios

Consultoria de viagens e roteiros personalizados

Ebooks e guias para download


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.