O que fazer em Wroclaw na Polônia (roteiro de 2 dias)

O que fazer em Wroclaw

Das pequenas cidades polonesas, Wroclaw foi a que mais me conquistou. Meus olhos brilharam com seu centro histórico lindo, com suas casinhas coloridas que parecem ter saído de um conto de fadas. Mas também pela importância de Wroclaw para a história da Polônia e de países do Leste Europeu. Já ouviu falar dos gnomos de Wroclaw? Você vai entender tudo isso aqui, neste super post com o que fazer em Wroclaw.

***

Para apreciar Wroclaw, eu acho importante entender um pouco do seu contexto histórico. Wroclaw foi fundada no século X, por conta da sua localização estratégica, muito próxima da fronteira com a Alemanha e a atual República Tcheca, a cidade foi dominada por várias nações ao longo dos anos. 

Durante a Segunda Guerra Mundial,  Alemanha de Adolf Hitler invadiu a Polônia, transferiu os moradores de lugar e transformou Wroclaw em uma base militar. A cidade ficou totalmente intacta durante a guerra, até que em 1945 o exército vermelho invadiu e destruiu Wroclaw, expulsando os alemães.

Desde então e até o fim dos anos 80 a Polônia pertenceu a antiga União Soviética, conquistando a sua liberdade definitiva no começo dos anos 90.

Wroclaw é desconhecida para nós, brasileiros, mas a cidade já foi uma das sedes da Eurocopa de 2012, Capital Europeia da Cultura e recebeu o prémio de Melhor Destino Europeu de 2018.

A cidade surgiu em um conjunto de ilhotas do Rio Odra e por conta dos canais e de mais de 100 pontes, cidade é chamada de “Veneza da Polônia”.

O que fazer em Wroclaw


Wroclaw ou Breslávia?


Se você está procurando na internet o que fazer em Wroclaw, provavelmente achou em alguns sites o nome Breslávia. É comum existir essa confusão, mas o nome oficial da cidade é Wroclaw. 

Mas por que isso acontece? Quando a Alemanha de Adolf Hitler anexou o território polonês durante a Segunda Guerra Mundial, os alemães que deram a cidade o nome de Breslau, ou seja, Breslávia em português. Com o fim da Segunda Guerra Mundial e a volta da cidade para a Polônia, ela voltou a ter o nome original, que é Wroclaw.

Mas ainda é comum, especialmente os alemães, a chamarem Wroclaw de Breslávia. Inclusive, eu vi um guia de viagens com um casal alemão onde o nome da cidade constava como Breslau.

O que fazer em Wroclaw


O que fazer em Wroclaw


Praça do Mercado

A Praça do Mercado foi construída no século XIII, assim como a maior parte das construções antigas da cidade. A praça é o ponto de partida para visitar Wroclaw. Ela segue o mesmo modelo das praças centrais das cidades medievais polonesas, como Cracóvia, Poznan e Varsóvia. A praça de Wroclaw é considerada uma das maiores da Europa.

Toda em pedra, cercada de inúmeras casinhas e sobrados coloridos, a Praça do Mercado de Wroclaw é um deslumbre visual. É tão linda que o olhar se perde. 

Praça do Mercado

Museu Sztuki Mieszczańskej

Um dos prédios que mais chamam atenção na praça é o Museu Sztuki Mieszczańskej, seguido da Igreja de Santa Isabel com sua torre maravilhosa.

Assim como a maioria das praças, ela é cheia de bares e restaurantes com áreas externas bem agradáveis, especialmente nos meses mais quentes em que faz um calorzinho na Polônia. Mas se você tiver sorte – assim como eu – você vai encontrar alguma feirinha de comidas típicas em um dos lados da praça. 

Coladinha na Praça do Mercado fica a Plac Solny, uma praça menor em que funciona há séculos um mercado de flores. E por conta dessa outra praça temos a sensação de que a Praça do Mercado é ainda maior.

Praça do Mercado


Procure pelos gnomos

Basta uma simples caminhada por Wroclaw para encontrar um pequeno exército de gnomos de bronze escondidos pelos cantos da cidade. A relação de Wroclaw com essas criaturinhas começou nos anos 80, quando os poloneses começaram a espalhar cartazes com gnomos pela cidade, era uma espécie de protesto disfarçado contra a dominação soviética na Polônia. E como a União Soviética reprimia todo tipo de manifestação, eles proibiram os cartazes. 

Esse trio com necessidades especiais

A situação era tão ridícula que os poloneses saíram as ruas em protesto, todos usando chapéus de gnomos laranja, o que foi chamado de Alternativa Laranja. Esse foi o começo de uma série de protestos que aliado ao enfraquecimento da dominação russa no leste europeu e Báltico levou a libertação da Polônia. Desde 2001 os gnomos voltaram às ruas de Wroclaw, como estátuas de bronze e procurar por eles é muito viciante.

Leia o post completo sobre os gnomos de Wroclaw aqui

Oa gnomos de Wroclaw


Museu Sztuki Mieszczańskej

O Museu Sztuki Mieszczańskej (eita nome difícil) fica bem no coração da Praça do Mercado. O prédio é absolutamente sensacional, um dos mais bonitos da Polônia, é onde funcionava a prefeitura da cidade. Porém, infelizmente nos dois dias em que eu estive em Wroclaw ele estava fechado.

Museu Sztuki Mieszczańskej


Ponte Tumski 

Esta pequena ponte é um dos pontos turísticos de Wroclaw por conta da sua arquitetura que lembra uma espiral e por ser a “ponte do amor”, carregada de cadeados dos apaixonados.

A ponte pequenina faz a ligação da Ilha da Areia com a Ilha da Catedral, onde fica a belíssima Catedral de São João Batista.

Ponte Tumski

Ponte Tumski


Ilha da Catedral

A Ilha da Catedral é um dos lugares mais interessantes de Wroclaw, ela foi o grande centro religioso da cidade, reunindo igrejas, catedrais, mosteiros e muitas praças. É lá que fica a belíssima Catedral de São João Batista, a famosa Universidade de Wroclaw, fundada em 1702 por jesuítas. O Mosteiro dos Agostinhos, a belíssima Igreja Ortodoxa e a Igreja de Santa Ana.

Ilha da Catedral


Margens do Odra

Reserve um tempinho para passear pelas margens do Rio Odra, especialmente no fim do dia. O pôr do sol, com a Ilha da Areia e a Ilha da Catedral ao fundo compõem um cenário muito bonito.

Ilha da Catedral

Margens do Odra


Catedral de São João Batista

A Catedral de São João Batista fica na Ilha da Catedral, quase em frente a Ponte Tumski. Construída no século XIII, a catedral foi parcialmente destruída em 1945 pelo exército russo durante o desfecho da Segunda Guerra Mundial. Nas paredes externas vemos quadros com fotos mostrando a destruição da rua e como ficou a catedral. Cerca de 70% dela foi destruída.

Catedral de São João Batista

Felizmente a Catedral de São João Batista foi reconstruída e reinaugurada em 1951. Mas o bacana mesmo é subir em uma das suas torres. De lá, temos a melhor vista de Wroclaw. A cidade vista de cima revela belíssimos telhados coloridos, ruas e vielas irregulares e o Rio Odra com os seus canais envolvendo a cidade. E a boa notícia, é que depois de alguns lances de escada, a subida é de elevador.

Catedral de São João Batista


Passeio de barco

Em Wroclaw a gente pode fazer um passeio de barco bem bacana pelo Rio Odra. O barco sai do píer na Ilha da Areia e percorre Rio Odra até o Zoológico de Wroclaw. Lá o barco faz uma parada para quem quiser visitar o Zoo e depois retorna para o ponto de partida. Você pode desembarcar e depois do passeio pegar outro barco de volta para o centro da cidade.

O passeio é bem bacana e custa baratinho, 20 Zlotys (aproximadamente 20 reais) e dura cerca de 1 hora. Os barcos partem a cada 30 minutos.

Passeio de barco


Hydropolis

Hydropolis é um centro cultural sobre a água. A mais nova atração de Wroclaw, foi inaugurada em 2015. O lugar combina a arquitetura de uma antiga construção de 1893 com modernas instalações multimídia em um espaço de 4 mil metros quadrados.

Uma viagem por mares e oceanos com muitas projeções e efeitos em 3D. De enormes baleias e tubarões, até seres microscópios.

Hydropolis


Quantos dias ficar em Wroclaw


É possível conhecer Wroclaw em um dia cheio, ou em um dia e meio se você não dispor de muito tempo no seu roteiro. Mas eu recomendo ficar pelo menos dois dias cheios em Wroclaw para conhecer a cidade com calma.


Planejando a sua viagem


calendario

Quando ir

A Polônia é gelada no outono e inverno e faz um calorzinho gostoso na primavera e verão. Claro, os melhores meses são os mais quentes. Dá para visitar em qualquer época do ano, mas eu evitaria o inverno.

 

carro

Como chegar

Não existem voos diretos do Brasil para a Polônia, mas chegar até lá é fácil fazendo conexão em qualquer grande cidade Europa que receba voos do Brasil.

 

icon1

Visto

Brasileiros não precisam de visto para entrar na Polônia, o país faz parte da União Européia e sendo um país Schengen, o visto de entrada vale para a visitar o país e os países membros por 90 dias.

 

icon2

Quanto custa

Wroclaw é uma cidade bem barata, algo que me surpreendeu muito. Dá para se divertir muito sem gastar rios de dinheiro.

 

icon3

Como se locomover

A melhor forma de andar por Wroclaw é a pé, mas se você precisar, o táxi é barato. O Uber também funciona super bem e é ainda mais barato que o táxi.

 


Onde ficar em Wroclaw


Assim como a maioria das pequenas cidades polonesas, o melhor lugar para se hospedar é no centro histórico ou no redor dele. Isso facilita bastante os passeios e como Wroclaw é uma cidade pequena, dá para ir a pé da rodoviária ou estação de trens até o centro histórico.

Eu fiquei hospedado no Hotel Lothus, distante apenas 50 metros da Praça do Mercado. O hotel fica em um prédio histórico, tombado pelo patrimônio polonês. Mas que tem quartos modernizados e bem confortáveis.

O bacana da Polônia é que a gente consegue se hospedar em ótimos hotéis pagando pouco.

Veja aqui a lista de acomodações na região central de Wroclaw

Reservando um hotel pelo Booking.com aqui no Vou na Janela você ajuda a manter o blog e não paga nada a mais por isso.

***

Se você ainda não decidiu onde ficar em Wroclaw, sugiro olhar a caixa de ofertas aqui embaixo. Ela é atualizada automaticamente pelo Booking.com.



Booking.com


Reserve um passeio em Wroclaw



Resolva aqui a sua viagem


Reserve a sua hospedagem pelo Booking.com

Faça aqui o seu seguro viagem internacional

Compre aqui os ingressos para os seus passeios

Consultoria de viagens e roteiros personalizados

Ebooks e guias para download


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em Bangkok na Tailândia, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.