Borobudur: uma viagem ao templo ancestral em Java, Indonésia

Borobudur

Como começar um dia perfeito na Indonésia? Eu te respondo em um parágrafo: acordar às 3h da manhã, viajar até Setumbu, subir a montanha para ver o sol nascer por trás do vulcão Merapi em plena atividade. A luz do dia vai revelando o templo ancestral de Borobudur logo abaixo no meio da névoa da manhã na selva de Java.

Parece incrível? Realmente é! Visitar Borobudur sempre foi um sonho, ele é considerado junto a Angkor Wat no Camboja e Bagan em Mianmar, a “santa trindade” dos templos budistas ancestrais. Tão distantes, tão isolados e repletos de similaridades.

Amanhecer na salva de Java com vulcão ativo ao fundo

Amanhecer na selva de Java com vulcão ativo ao fundo

Borobudur é considerado o maior templo budista do mundo, foi construído entre 778 e 856 d.c. (300 aos antes de Angkor Wat) no meio da selva tropical, no coração da Ilha de Java, na Indonésia. Foi erguido como um templo hindu, com o crescimento do islamismo em Java ele foi abandonado, renasceu como templo budista e inexplicavelmente abandonado de novo até ser tomado pela selva.

Exploradores europeus redescobriram o templo no século XIX e depois de décadas de tentativas frustradas de restauração e pilhagem de artefatos históricos, Borogudur começou a ser restaurado com apoio da UNESCO nos anos 70 e classificado como Patrimônio Mundial.

Foi um trabalho de 9 anos onde 15 mil trabalhadores desmontaram, catalogaram, fotografaram, limparam, trataram contra fungos e infiltrações e por fim, montaram 1,300,232 blocos de pedras trazendo novamente Borobudur ao seu esplendor.

Parte superior do templo

Parte superior do templo

Buda dentro da estupa

Buda dentro da estupa

Borobudur ocupa uma enorme área de 2.500m2, construído em formato de pirâmide visto de frente, ou de mandala quando visto de cima. Com seus diversos níveis quadrados concêntricos, e no topo três plataformas circulares e uma grande estupa.

Nos níveis circulares são 72 estupas ricamente construídas com rocha vulcânica com recortes perfeitos e com uma estátua de buda dentro de cada uma delas. Elas formam a imagem mais icônica do templo.

Borobudur realmente impressionante, algo que a gente fica refletindo sobre como algo tão simétrico e perfeito foi construído no meio do nada, com ferramentas e recursos rudimentares há tantos anos.

Lindas estátuas de Buda

Lindas estátuas de Buda

Algumas das 72 estupas

Algumas das 72 estupas

Visitar o templo é uma jornada espiritual e emocional. A medida que a gente sobe os degraus em direção ao topo, é como se toda energia negativa que a gente vai acumulando indiretamente ir sendo deixada para trás. Talvez, esse realmente seja o propósito desses templos tão altos e tão difíceis para chegar ao topo.

Lá de cima a vista é linda, a floresta de Java com seu verde hipnotizante brilhando com os primeiros raios de sol da manhã.

Visitar Borobudur foi um presente, algo que eu queria muito e ainda mais desde o ano passado quando me encantei com Angkor e Bagan, um presente para mim e que certamente você deveria se dar também.

Para mim foi a realização de um sonho

Para mim foi a realização de um sonho


Como visitar Borobudur


Borobodur fica no coração da ilha de Java na Indonésia, a cidade mais próxima é Yogyakarta. A cidade tem um aeroporto internacional que recebe voos diários de Jacarta, Cingapura, Denpasar (Bali), Kuala Lumpur, além de outras cidades menores da Indonésia. As principais companhias que voam para Yogya são a Air Asia, Garuda Indonésia e Lion Air.

Em Yogya você pode contratar um tour até Borobodur, eu fiz com a Sakha Holiday e no próprio hotel eles arranjaram tudo. Existem várias opções, mas a mais comum e legal é para ver o sol nascer na região. Como o templo só abre às 6h da manhã, não dá para ver o sol nascer de dentro dele como em Angkor Wat, mas existem dois lugares muito procurados, um deles é Setumbu Hills, uma cadeia de montanhas que circundam a região e o outro é no Hotel Manohara.

O tour até lá, que inclui somente o transporte custa 110.000 rúpias (R$27,00). Para ver o sol nascer em Setumbu Hills a entrada custa 30.000 rúpias (R$7,00) e para ver no Hotel Manohara – que fica praticamente dentro da área do templo e tem a melhor vista – custa 450.000 rúpias (R$110,00).

Vale dizer que o valor do hotel já inclui a entrada do templo, que custa 325.000 Rúpias (R$80,00). Então, ver o sol nascer no Hotel Manohara, apesar de mais caro, acaba sendo um bom negócio.

A van passa no hotel às 4h da manhã e retorna às 10h. Como esse passeio sai bem cedo, a operadora oferece um pacote com café da manhã por 140.000 rúpias (R$34,00).

Tem um pacote para ver o pôr do sol em Borobudur que sai do hotel às 14h e custa 125.000 rúpias (R$30,00), dizem que o fim de tarde lá também é lindo.


Dicas

Quando você chegar a Yogyakarta, vai ser bem comum ser bombardeado de ofertas de taxistas oferecendo passeios personalizados. Tem cheiro de golpe e não caia nessa, o táxi que eu peguei no aeroporto o motorista passou a viagem inteira insistindo em me vender o pacote dele por 350.000 rúpias, mais que o triplo do valor normal.

A maioria dos hotéis preparam um café da manhã para os hóspedes levarem no tour, então, se o seu hotel fizer isso, não vale a pena pagar mais pelo café oferecido pela operadora, que honestamente, é bem simplório.

Na entrada do templo, tem água, café e chá de graça. É só pegar uma fichinha no balcão que vende as entradas, mas consuma tudo antes de entrar na área do templo.

Pernas cobertas

Pernas cobertas

Mulheres não podem entrar com roupas decotadas ou pernas de fora. Homens podem entrar com bermuda na altura dos joelhos. Mas não se preocupe, na entrada do templo eles já distribuem sarongs para os visitantes.

Se você não for visitar o templo ao amanhecer, evite o horário do meio dia, pois o calor é muito forte.

 Visitar Borobudur é um privilégio, vá de coração aberto e absorva a energia linda do lugar.

Postado em:
Yogyakarta, Indonésia – 20 de maio de 2017


Galeria



Procurando hospedagem em Yogyakarta?


Olha a nossa lista de sugestões no Booking.com. Reservando um hotel pelo Booking, você ajuda o blog e não paga nada a mais por isso. Clique aqui.


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

2 Comentários

  • Responder maio 22, 2017

    Philippe

    Muito lindo o lugar, imagino a paz e a energia boa neste lugar!

    • mm
      Responder maio 23, 2017

      Fabricio Moura

      Oi Philippe, muita paz mesmo. Foi muito especial estar lá.

Deixe uma resposta