Ásia dia 23: Little India e Chinatown em Kuala Lumpur

Chinatown

A população da Malásia é formada principamente por malaios, indianos e chinenes. Em Kuala Lumpur, os malaios são a abusurda maioria, cada etinia tem seus bairros e todo mundo convive na mais perfeita paz, mas, sem se misturar. Cada um no seu quadrado e hoje eu fui conhecer a Little India e Chinatown.

Little India

Little India fica encostada na KL Sentral, a principal estação de trens, metro, ônibus e monotrilhos de Kuala Lumpur. Chegar lá foi fácil e visitar o bairro foi uma pequena viagem até a Índia.

Little India: tradicionalismo e modernidade na esquina

Little India: tradicionalismo e modernidade na esquina

O que mais chama a atenção em Little India é justamente a diferença dela para o resto da cidade. Se de um lado da rua a gente vê imensas torres envidraçadas, do outro lado é um pedacinho da Índia com suas cores, cheiros e arquitetura.

A rua principal, a Little India Brickfields que se estende pela Jalan Tun Sambanthan é tomada por lojas que vendem de tudo, CDs indianos, eletrodomésticos, vegetais, comida, roupas, calçados e tudo que você possa imaginar.

Little India

Little India

Diferente de outros bairros típicos que eu já vi por aí, a Little India não é armadilha de turistas, é realmente o bairro dos indianos para os indianos e nem vi tantos turistas por lá e todo mundo me olhava com olhares curiosos.

Roupas indianas para indianos

Roupas indianas para indianos

Chinatown

Depois da Little India, eu peguei o metro e fui conhecer a Chinatown, que nem fica tão longe dali. Na entrada da Petaling Street,  a rua principal, já fica claro que o propósito é atrair turistas, completamente diferente da Little Índia.

Para resumir a Petaling Street em uma palavra: camelódromo. Um imenso camelódromo com tudo que a China tem para oferecer no mercado de falsificações. Até aquelas Havainas feitas de plástico de tambor químico, que provocam queimaduras quando usadas no sol, eles tinham.

Petaling Street

Petaling Street

Falsificações de todas as marcas mais famosas, tinha Chanel, Louis Vuitton, Prada e Lacoste para todos os gostos.

Um imenso camelódromo

Um imenso camelódromo

Pra turista ver

Pra turista ver

No geral, não é um lugar muito agradável para visitar, os chineses não são lá muito educados, berram, gritam, brigam aparentemente sem a menor necessidade. Quem busca uma experiência autêntica, é melhor ir pra os mercados realmente locais da China.

Leia mais:
Todos os posts do mochilão pela Ásia


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar