15 coisas que você precisa saber antes de visitar o Camboja

visitar o Camboja

Siem Reap no Camboja é a principal porta de entrada do país para milhares de pessoas que todos os anos visitam o complexo de templos de Angkor. Definitivamente, um dos lugares mais bonitos e enigmáticos do mundo e nem preciso dizer como essa parte do mundo é tão diferente para nós, por isso, vou listar aqui 12 coisas que você precisa saber antes de visitar o Camboja.


Leia antes de visitar o Camboja


Quando ir

O Camboja tem duas estações no ano: a seca e a das chuvas. A temporada das chuvas começa em julho e vai até setembro, depois é só seca. Aquela imagem bonita dos campos de arroz que vemos por aí, vai de agosto até novembro. Mesmo na temporada das chuvas é bem quente e é quando o país fica mais bonito. Não chove o dia todo, é a típica chuva de verão que vem com tudo e menos de uma hora depois já passou. Dá pra visitar o Camboja o ano todo, mas após a “rain season” é melhor.

Sim, é quente

Muito, mas muito quente o ano todo. Quando eu estive no Camboja em abril, um dia fez 45 graus quando e visitei o templo de Angkor Wat. É uma sensação de estar sendo queimado vivo. Tem que tomar muita água e se proteger. Os japas e chineses andam pra cima e pra baixo com suas sombrinhas, não seja esse turista, atrapalha a vida de todo mundo. Use um chapéu ou improvise uma toalha molhada na cabeça.

Dá pra se virar no inglês

O idioma local é quase impossível de falar e de ler, são uns desenhos que pra gente não diz nada, mas praticamente todo mundo fala inglês. Do pessoal do hotel até o moço que dirige o tuk-tuk. Verdade que as vezes a gente precisa fazer um esforço para entender o que eles dizem, o sotaque é forte, mas dá para se virar muito bem.

Leve dólar americano

A moeda principal é o Riel, mas o Dólar é aceito em todos os lugares e eles preferem lidar com a moeda americana. O dinheiro deles não vale muito, por exemplo, me deram o troco equivalente a 30 centavos de dólar num restaurante e veio umas 15 notas de Riel.

Não é tão barato

Eu não achei o Camboja tão barato como a Tailândia. Como eu disse no tópico acima, o dinheiro mais aceito é o dólar americano e por conta disso, acaba sendo desfavorável para nós. Por exemplo: uma água na Tailândia custa 20 Baths (2 reais), no Camboja custa 1 dólar (3,79 reais no câmbio que eu paguei).

Na rua, negocie tudo

Acredite, o preço que te dão nas ruas nunca é o final. Tem que negociar tudo mesmo. Eu comprei uma pano típico no Old Market de Siem Reap por 5 dólares, um preço justo, mas a vendedora queria me cobrar 9 dólares e por aí vai. Um taxi, um tuk-tuk, tem que dar uma chorada mesmo e eles vão baixar até o valor que você achar justo. Negociação é uma regra básica para quem vai visitar o Camboja.

Ande de tuk-tuk

Taxis são mais caros e a oferta é pequena, os tuk-tuk estão por toda parte desesperados por clientes, use e abuse deles e como eu disse no tópico anterior, negocie muito. Os caras são gente boa e não vão se importar de te esperar se você precisar passar num supermercado ou num caixa eletrônico, caso precise.

Falta luz e a internet não é das melhores

Vamos considerar que estamos falando de um dos países mais pobres do mundo onde a infraestrutura não é das melhores. Algumas regiões de Siem Reap sofre picos ou pequenos apagões em média 10 vezes por dia. No hotel onde eu fiquei, numa tarde eu contei 5 apagões. A maioria dos hotéis tem geradores, mas a internet cai quando isso acontece e falando em internet, é bem ruim aqui, em alguns momentos parece internet discada.

A comida é apimentada

Se no cardápio disser “spicy”, acredite, é “spicy” mesmo, do nível cuspindo fogo e tomando baldes de água, o que eu aprendi da pior maneira. Se você quiser ter uma experiência local, em todas as esquinas vai encontrar restaurantes cambojanos, mas se estiver cansado da comida asiática, no centro de Siem Reap tem vários restaurantes de culinária internacional. Só não vi brasileiro, mas até mexicano tem.

Você vai ter uma dor e barriga

Mas isso é certo, não adianta tomar cuidados como só tomar água mineral, não tomar nada com gelo ou evitar comida de rua. Uma hora o tempero forte, aliado ao calor dos infernos vai te dar um revertério e você só vai sonhar com um reluzente e limpo vazo sanitário.

O povo é gentil

O cambojano é um dos povos mais gentis que eu já conheci, eles falam com doçura, gentileza e educação, estão sempre sorrindo e felizes em te receber. É realmente difícil visitar o Camboja e não se apaixonar pelas pessoas.

O assédio dos vendedores é grande

O tempo inteiro andando pela rua você vai ser abordado por alguém. Os motoristas de tuk-tuk te abordam a cada 10 metros se você estiver andando a pé. O assédio dos vendedores é grande e chega a ser irritante, eles te perseguem oferecendo de tudo. Em Angkor Wat eu comprei dois ímãs de geladeira de um garoto e em 2 segundos tinham 10 meninos andando em volta de mim vendendo até a mãe deles se eu quisesse comprar. Tem que ter paciência.

Não tem calçadas

A maioria das ruas não tem calçadas, todo mundo anda pela rua dividindo o espaço com carros e tuk-tuks. As poucas calçadas são ocupadas por ambulantes quando não viram estacionamento, não existe uma preocupação com mobilidade e com pedestres.

Ninguém respeita os sinais de trânsito

Vai atravessar uma rua? Não espere o sinal vermelho, quando houver. Ninguém respeita, mas o Cambojanos, em geral, dirigem bem devagar, coisa de 40 a 50 quilômetros por hora no máximo e se você tentar atravessar um cruzamento, eles vão reduzir para você.

É tudo bem sujo

Em geral, essa parte da Ásia não tem tanta preocupação com limpeza. As ruas são tomadas de lixo, as comidas de rua são feitas de qualquer jeito e não se assuste se achar o lençol da sua cama sujinho ou uns lodos no banheiro. Mas sério, quem for visitar o Camboja tem que desapegar e curtir o lugar.

Leia mais:
Roteiro completo em Angkor Wat
Como conseguir o visto para o Camboja
Nascer do sol em Angkor Wat
Siem Reap: Old Market e Angkor National Museum
Siem Reap: Templo de Tomb Raider e outros templos


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar