Roteiro em Angkor Wat e templos de Angkor Thom no Camboja

Roteiro em Angkor Wat

Eu preciso confessar que só tomei conhecimento da existência de Angkor Wat com a versão para o cinema do game Tomb Raider, aquele com a Angelina Jolie no papel de Lara Croft e se você tem mais de 25 anos, com certeza vai se lembrar de “Lara Croft: Tomb Raider”. Claro, eu fiquei fascinado com aquela cidade perdida no meio da selva em um lugar distante pra burro e que nunca imaginei que um dia colocaria os pés ali.

Pois bem, eu fui parar no Camboja e na verdade hoje em dia isso não é nenhum feito, mas se você viu o filme, apague aquele cena clássica dela remando em um barquinho por um rio até chegar no templo de Angkor. Aquilo, claro, é Hollywood meus amigos, Angkor Wat é fabuloso sim, mas aquele cenário com monges por todos os lados, mercados flutuantes e transito de barcos não existe.

Os monges nunca abandonaram Angkot, mas não é como no filme

Os monges nunca abandonaram Angkot, mas não é como no filme

Então, vamos pelo começo, para você se posicionar no contexto turístico e histórico. Angkor Wat é a maior construção de caráter religioso da história e foi erguido entre os séculos IX e XV pelo Império Khmer, é a atração turística mais procurada do Camboja e fica próximo a cidade de Siem Reap, um tanto longe da capital Phnom Penh.

Angkor Wat (“wat” significa “templo”) já foi Hindú e Budista, durante a época do temido governo do Khmer Vermelho, as estátuas de Buda tiveram as cabeças arrancadas ou totalmente destruídas. Diferente do que dizem e do destino que outros templos tiveram, Angkor nunca foi abandonado. Mesmo antes da descoberta pelo ocidente, Angkor Wat sempre foi visitado ou ocupado por monges budistas.

O templo faz parte do complexo de templos de Angkor, que inclui a cidade de murada de Angkor Thom e alguns templos menores fora dela.


Roteiro por Angkor Wat e cidade de Angkor


Você pode fazer esse roteiro por conta própria ou contratando um guia. O ideal é fazer em dois dias, como eu fiz. Mas se você tiver pouco tempo, dá para fazer em um dia sim, só vai ser mais corrido.

De Siem Reap para os templos e entre eles é muito fácil e simples se locomover contratando um tuk-tuk, o preço médio é de 3 a 5 dólares por corrida. O problema dos tuk-tuks é o calor e a poeira na cara, eu contratei um motorista que me buscou no aeroporto e me levou a todos os templos num carro com ar condicionado e alguns mimos por 50 dólares. Achei um ótimo preço, tamanho foi o rolê.

 

Angkor Wat

O roteiro pelos templos começa por Angkor Wat e a melhor maneira é bem cedo, antes mesmo do sol nascer, porque? Pois ver o sol nascer em Angkor é um dos mais belos espetáculos que o Camboja tem a oferecer.

Nascer do sol em Angkor Wat

Nascer do sol em Angkor Wat

O ideal é sair do hotel por volta das 4h30 da manhã, a bilheteria só abre às 5h da manhã e ela fica em um moderno prédio bem distante dos templos. Chegue cedo pois o processo de compra é demorado, eles tiram uma foto sua e o ingresso sai com a sua foto.

Chegando em Angkor Wat, basta seguir a multidão se guiando com as luzes dos celulares, lá não tem energia elétrica. O melhor lugar é em frente ao lago do lado esquerdo do templo.

O sol começa a nascer por volta das 5h40 da manhã e o espetáculo é inesquecível. O templo todo no escuro e a luz vindo de trás é realmente magnífico.

Por volta da 7h da manhã, todo mundo deixa Angkor para visitar os outros templos, a razão? Pela posição do sol, Angkor fica mais visível e bonito depois do meio dia. (Leia mais aqui)

Angkor já pela tarde

Angkor já pela tarde

 

Angkor Thom

Alguns quilômetros ao norte de Angkor Wat, fica a cidade murada de Angkor Thom, que foi a capital do império Khmer, construída pelo Rei Jayavarman VII entre os séculos XIII e XIV.

A cidade tem o formato quadrado, cercado de um canal de água onde em cada um dos quatro lados existe uma ponte. Todas as pontes são ricamente ornamentadas com a imagem dos soldados do Rei segurando uma cobra para defender o império, seguido de um enorme portal com a imagem do rosto do Rei Jayavarman.

Entrada da cidade murada

Entrada da cidade murada

Soldados do rei

Soldados do rei

 

Templo Bayon

Bayon é o principal templo da cidade de Angkor Thom, ele fica exatamente no centro do grande quadrado que forma a cidade. A localização serve para representar a interseção entre o céu e a terra. Também ajuda a formar um gigantesco relógio solar.

Também é conhecido pelo templo com as várias faces do rei, por ter dezenas de esculturas mostrando a cabeça do rei com diferentes faces. Imagem essa também explorada no filme da Angelina. A mais famosa é o “smiling face” que o povo chama de “Monalisa da Ásia”. Ufa, quantos significados.

Bayon é bem grande, com vários níveis que são acessíveis por escadas de madeira, o topo era o setor ocupado pelo Rei e de lá ele conseguia ver boa parte da cidade. O templo é cercado por 51 torres, cada uma com quatro diferentes faces.

Entrada do templo

Entrada do templo

O “smiling face” que o povo chama de “Monalisa da Ásia”

O “smiling face” que o povo chama de “Monalisa da Ásia”

 

Baphuon

Logo depois de Bayon fica Baphuon, o segundo maior em tamanho depois de Angkor Wat, mas ainda assim, bem menor em comparação. Ele foi construído pelo Rei Udayadityavarman II para o deus Hindú, Shiva.

Baphuon tem uma longa passarela até a sua entrada, é uma imagem realmente majestosa. O templo também é repleto de níveis com corredores, patamares, torres e fica bem no meio da floresta, é um dos mais bonitos de Angkor Thom.

Baphuon foi um dos templos abandonados e tomados pela floresta, foi descoberto no século passado e só foi reaberto em 2011 depois de passar por uma extensa reconstrução, ele estava completamente destruído e foi todo remontado, pedra por pedra. Por isso ele parece tão preservado.

Baphuon

Baphuon

 

Terraços dos Elefantes e Terraço do Rei

Ao lado de Baphuon fica o Terraço dos Elefantes. Não é bem um templo, mas uma área com plataformas, claro, todo ornado com esculturas de elefantes e era o lugar onde os reis recebiam suas tropas após alguma batalha.

Uma passarela liga o Terraço dos Elefantes ao Terraço do Rei, outro enorme patamar semelhante ao anterior e na frente deles ficam dois templos menores, o Preah Vihear Pram Pi Lveng e Wat Tang Tok, que eram templos usados pelos habitantes de Angkor Thom.

Terraços

 

Ta Prohm, o templo de Tomb Raider

Saímos da cidade murada pelo Victory Gate em direção ao Ta Prohm. O templo que foi usado na maioria das filmagens do filme da Angelina Jolie.

Ta Prohm é um dos templos mais ornamentados do complexo de Angkor, ele foi tomado pela floresta e quase destruído totalmente por ela. Grandes árvores abraçaram o templo que foi construído para ser uma espécie de universidade para os monges.

Hoje ele está sendo reconstruído com investimentos do governo chinês, mas o trabalho deve durar muitos anos ainda, já que boa parte dele é um amontoado de pedras. Mas ainda assim, dá para explorar boa parte do templo, com muitas passagens, corredores e pátios. (Leia mais)

Templo de Tomb Raider

Templo de Tomb Raider

 

Pre Rup

O Pre Rup fica distante uns 20 minutos de Ta Prohm, ao norte de Angkor Thom. É mais um desses templos com diferente níveis, tipo “templo da montanha” e poderia ser apenas mais um dos lindos templos do complexo de Angkor, mas o que difere o Pre Rup é que ele era um templo funerário, para onde os mortos era levados e cremados dentro de uma das grandes torres que ocupam o patamar mais alto do templo.

Não é um dos templos mais visitados, e quando eu estive lá, ele estava praticamente vazio. A escalada até o topo requer bom fôlego, é bem alto. A torre principal, onde os mais nobres eram cremados, mede 50 metros de altura desde a base.

Pre Rup

Pre Rup

 

Banteay Srei

Bem mais ao norte fica Banteay Srei, o último templo desse roteiro. Distante 25 quilômetros do Angkor, ele é um templo Hindú dedicado a Shiva. O que chama a nossa atenção de imediato é a cor de Banteay Srei, ele é todo de arenito vermelho.

Não é dos maiores, mas é bem bonito e rico em ornamentos, ele não tem patamares, é um templo mais baixo e as referências ao hinduísmo estão por todos os lados.

Nos fundos do templo uma momento bem especial, uma banda formada por vítimas de minas terrestres tocava músicas típicas cambojanas, foi um momento bem especial que serviu para lembrar que o país ainda tem muitas áreas com minas enterradas e que fazem novas vítimas até hoje.

Pre Rup

Banteay Srei

Estátuas de devoção a Shiva

Estátuas de devoção a Shiva

 


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram.


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

3 Comentários

  • Responder agosto 31, 2016

    Luciana

    Oi Fabrício, tudo bem?

    Parabéns pelo post! Simplesmente fantástico!

    Estou indo pro Camboja em Janeiro e vi que você contratou um motorista para lhe buscar no aeroporto e lhe levar aos templos.

    Você tem o contato dele?

    Obrigada.

    • mm
      Responder agosto 31, 2016

      Fabricio Moura

      Oi Luciana, tudo bem? Obrigado pelos elogios, devo publicar hoje um outro post com coisas pra fazer em Siem Reap, dá uma olhada depois.
      O nome do guia é Srey Raya, o email dele é sreyraya@gmail.com, telefone (855) 9292-8209. Ele é muito gente boa, me buscou no aeroporto, me esperou com plaquinha, levou no hotel, no outro dia me levou a todos os templos, me esperava na van com ar condicionado ligado, toalhinhas refrescantes e água gelada. Muito atencioso e carinhoso, diz que eu indiquei e pede desconto. No dia seguinte ele se ofereceu pra me levar a outros lugares de graça, acabei não indo pois não estava me sentindo bem (calor + comida apimentada = dor de barriga) hahaha bjs

  • Responder dezembro 2, 2016

    Luciana

    Muito obrigada, Fabrício! Vou entrar em contato e dizer que você indicou! 🙂

Deixe uma resposta