Ásia dia 10: Siem Reap | Templo de Tomb Raider e outros templos

Tomb Raider

Hoje eu não tinha aquela obrigação de madrugar para ver o sol nascer em Angkor Wat, mas mesmo assim às 6h da manhã o sol escaldante do Camboja entrou pela janela do quarto me lembrando que eu ainda tinha alguns templos pela frente.

Então, vamos lá! A primeira parte do passeio foi no templo Ta Prohm, este é aquele que ficou famoso depois que Angelina Jolie gravou Tomb Raider aqui.

Ta Prohm

Tomb Raider: Ta Prohm

Ta Prohm

Tomb Raider: Ta Prohm

Ta Prohm fica fora dos muros da cidade antiga, foi construído no século 12 e em algum momento a história antiga ele foi abandonado, no meio dele cresceram diversas árvores que ajudaram a levar o templo a ruína.

Hoje, ele está sendo lentamente restaurando com investimento do Governo Chinês, mas na época em que Tomb Raider foi gravado, ele ainda não estava passando por esse processo.

Ta Prohm

Ta Prohm

Diferente de outros templos, o Ta Prohm é todo baixo, não tem níveis elevados e torres como os outros templos. Pelos ornamentos e arquitetura, eu imagino que esse tenha sido um dos mais bonitos do reino, ao lado do Angkor Wat.

Ta Prohm

Ta Prohm

Depois do Ta Prohm, seguimos para o norte, uma viagem de cerca de 30 minutos até templo Pre Rup, outra construção imensa na beira da estrada e que não é muito visitado por turistas. O templo estava vazio, só não consegui explorar melhor pois a temperatura aquela hora já passava dos 40 graus.

Pre Rup

Pre Rup

O Pre Rup era na verdade era um gigantesco crematório, para onde os mortes eram levados, velados e depois cremados dentro dessas torres na parte superior do templo.

Pre Rup

Pre Rup

Depois do Pre Rup, seguimos estrada acima por mais ou menos 1 hora até o último templo desse tour, o Banteay Srei e apesar da distância de Angkor Wat, é um templo muito procurado e claro, lotado de chineses.

O Banteay Srei foi construído no século 10 e diferente dos outros, é um templo Hindú, dedicado Shiva. Mas mesmo assim, ele tem muitas semelhanças arquitetônicas com os outros templos do reino.

Banteay Srei

Banteay Srei

O templo não é dos maiores, mas é muito bonito. Todo em tons mais terrosos e um dos mais ornamentados do Camboja.

Nos fundos do templo uma banda formada por vítimas de minas terrestres se apresentava. As vítimas de guerra no Camboja estão em todas as partes, é muito comum a gente ver pessoas mutiladas nas ruas, a guerra aqui ainda é um assunto muito fresco.

Banteay Srei

Banteay Srei

Banteay Srei

Banteay Srei

Andando mais pelo interior, a seca que atinge o Camboja choca um pouco. Tudo está seco, os campos de arroz famosos no mundo todo estão que é só poeira, não existe água encanada fora das cidades maiores e a gente percebe como o povo ainda sofre. Estamos num dos países mais pobres do mundo e até na cidade a gente sente a infra estrutura problemática. Falta luz todo dia, e muitas vezes por dia, hoje eu contei umas 5 vezes no tempo em que eu estava no hotel, mas a média é de 10 vezes por dia.

Visitar o Camboja tem sido um aprendizado, uma aula de simplicidade e boa vontade das pessoas.

Leia mais:
Todos os posts do mochilão pela Ásia


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar