O impressionante Templo dos 10 mil Budas de Hong Kong

Templo dos 10 mil Budas

O Templo dos 10 mil Budas de Hong Kong é um lugar pouco visitado, mas não menos interessante, isso a gente nota pela quantidade pequena de visitantes circulando. Uma injustiça, mas por outro lado, é quase um achado. Pois enquanto alguns lugares bombam de turistas, o templo está calmo e sereno.

O templo fica afastado das áreas mais visitadas de Hong Kong, ele fica nos Novos Territórios, quase na China continental, mas é relativamente fácil chegar até lá com a fantástica rede metroviária e ferroviária da cidade.

Difícil mesmo é vencer os 500 degraus até o topo do primeiro mirante, mas nem a altura e nem o calor quente e úmido impressionam mais do que as 500 estátuas Arhat em tamanho real, todas diferentes umas das outras, com poses, gestos e feições distintas.

Templo dos 10 mil Budas

Longa escadaria do Templo dos 10 mil Budas

Oficialmente são 500 estátuas de Arhats, eu acho que são bem mais

A impressão que a gente tem é que estamos sendo observados o tempo inteiro por aqueles olhares, as vezes bondosos, curiosos ou raivosos.

No budismo, o termo Arhat significa “pessoa perfeita”, são homens comuns que seguiram o caminho da iluminação, e por isso eles estão alinhados com essa longa escadaria. A subida é uma metáfora dessa busca pela iluminação, o chamado “nirvana”.

O Templo dos 10 mil Budas não abriga nenhum monastério, nenhum monge vive ali e ele foi construído entre 1949 e 1957 por Yuet Kai, um devoto do budismo que viveu a vida inteira pela religião e hoje o templo é mantido por pessoas comuns, que vivem no bairro e recebem doações para manter o lugar.

No primeiro mirante fica o templo principal, tipicamente vermelho e dourado, como na vertente chinesa do budismo e dentro desse templo é que estão acomodados nas paredes, do chão ao teto, os 10 mil budas que dão nome ao templo.

Mirante principal do Templo dos 10 mil Budas

Templo dos 10 mil Budas

Templo dos 10 mil Budas

Templo dos 10 mil Budas

Quem chega até o templo principal e acha que as escadarias acabaram, se engana. Mais 100 degraus, rodeado de mais Arhats e chegamos ao último mirante, com mais um templo pequeno e mais estátuas de Buda.

Uma pequena caminhada leva ao ponto mais alto, com uma queda d’água cheia de tartarugas, mais Arhats no meio do mato e uma bela vista de Sha Tin, nos Novos Territórios e a fronteira com a China continental mais adiante.

Interior do Templo dos 10 mil Budas

Os 10 mil budas

Templo dos 10 mil Budas

Novos Territórios

Gostaram da dica? Vale a pena e sabe o que é melhor? A entrada é gratuita, coisa rara em Hong Kong e ele fica aberto diariamente das 9h às 17h.


Como chegar ao Templo dos 10 mil Budas


O templo fica nos Novos Territórios e a localidade é atendida pela estação Sha Tin da linha azul claro (East Rail Line) que é integrada com as linhas verde e marrom do MTR, o metrô de Hong Kong.

Para saber como usar o metrô de Hong Kong, leia esse post: clique aqui.

Logo na saída da estação, a gente vê um grande shopping center, o Grand Central Plaza, siga pela Pai Tau Street e entre na rua lateral ao shopping. Na primeira esquina, entre na Sheung Wo Che Road, a rua atrás do shopping, e na ocasião, tinha esse papel abaixo colado na parede e no fim dela uma entradinha sem nenhuma placa com um caminho que leva até a escadaria do templo.

Sinalização improvisada

Eu custei para achar a entrada, pois não existe sinalização e o lugar parece o fundo do quintal de alguém. Muitas pessoas confundem a entrada do Templo dos 10 mil Budas com o Cemitério Po Fook Hill, pois um fica ao lado do outro. Mas seguindo essas instruções você vai chegar certinho lá.

Entrada do templo


Procurando hospedagem em Hong Kong?


Olha a nossa lista de sugestões no Booking.com. Reservando um hotel pelo Booking, você ajuda o blog e não paga nada a mais por isso. Clique aqui


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar