Monumento e Museu da Revolução Mexicana na Cidade do México

Museu da Revolução Mexicana

Se tem algo que eu amo fazer durante as minhas viagens é descobrir coisas novas. Por mais que a gente leia um roteiro escrito por outros blogueiros, dê uma olhada nos guias, eu amo explorar as cidades atrás de novidades. E foi assim que eu descobri o Museu da Revolução Mexicana.

Ele não aparecia em nenhum guia online que eu tinha pesquisado e em nenhum dos blogs de viagem que eu costumo ler. Foi de surpresa e veio muito bem vindo.

Imagem da época da construção

Perto do hotel onde eu fiquei hospedado, eu via um grande monumento em formato de arco algumas quadras depois. Era o Monumento de La Revolución e eu ia passar por ele para ir até a Biblioteca Vasconcelos em uma segunda-feira, quando todos os museus estão fechados.

Foi buscando informações de como subir até o mirante do monumento, que eu descobri que dentro das estruturas dele funciona o Museu da Revolução Mexicana.

A Revolução começou em 1910 e certamente você já deve ter ouvido falar de dois de seus personagens mais famosos: Emiliano Zapata e Francisco ‘Pancho Villa’. Para entender melhor esse evento histórico, dá uma olhada nesse post do UOL. Mas resumidamente, o movimento buscava libertar o México da ditadura.

O Monumento de la Revolución foi construído nos anos 30. A ideia era que ele fosse parte do Palácio Legislativo, mas em algum momento ele foi destinado a ser um monumento. Ele foi construído todo em ferro, parecia uma gaiola gigante e depois revestido de pedra e concreto (imagem acima).

O monumento

O passeio pelo Museu da Revolução Mexicana começa tomando um elevador panorâmico até uma estrutura metálica dentro da cúpula. Dali descemos um lance de escadas para um mirante, de onde temos uma excelente vista em 360 graus da Cidade do México. Dá para ver até o Zócalo, mais distante.

Depois descemos mais um lance e chegamos ao mirante aberto. A vista fica ainda mais interessante ao ar livre.

Vista da Cidade do México

Por dentro das colunas

A partir desse ponto são organizados pequenos grupos para visitar a exposição do Museu da Revolução Mexicana. O museu funciona dentro dos pilares do monumento e uma guia vai nos levando por passarelas, passagens estreitas, pontes, escadas e mais escadas por toda a instalação.

Tudo começa assim: Porfírio Diaz foi um governante do México que levou o país para a ditadura. Em uma viagem a França ele conheceu o cinematógrafo dos irmãos Lumiére e levou a nova tecnologia para o México. Com o começo da Revolução Mexicana, ele mandava filmar várias cenas de batalhas, tropas em deslocamento e eventos militares. Foi a primeira revolução registrada em vídeo e são esses vídeos que abrem a exposição.

Parte da exposição “Bajo la Mira”

A gente passa por vários ambientes com esses vídeos em looping, muitas e muitas fotos, objetos históricos, projeções. Faz parte do museu também várias peças de arte moderna inspiradas no conflito que fazem parte da exposição chamada Bajo la Mira.

Por fim, o passeio termina com as estátuas de cera super realistas de Emiliano Zapata e Pancho Villa. Tão reais que quando a guia puxou a cortina eu tomei até um susto quando olhei para elas.

Eu adorei o museu, uma excelente oportunidade para conhecer mais sobre a história do México e pra gente aprender com eles sobre valorizar a nossa história.

Emiliano Zapata e Pancho Villa


Como visitar o Museu da Revolução Mexicana


Ele fica na Plaza de la República, perto do Zócalo e da estação Hidalgo do metrô (veja aqui como usar o metrô da Cidade do México).

O tour completo, com acesso ao mirante, museu e exposições custa 110 pesos (19,00 reais) ou o 50 pesos (9,00 reais) para o acesso apenas aos mirantes.

O museu funciona de segunda a quinta, de 12h às 20h; Sextas e sábados, de 12h às 22h. Domingos de 10h às 20h. Uma ótima opção para visitar na segunda-feira, quando todos os outros museus estão fechados.

Mais informações no site: www.mrm.mx


Procurando hospedagem na Cidade do México?


Olha a nossa lista de sugestões no Booking.com. Reservando um hotel pelo Booking, você ajuda o blog e não paga nada a mais por isso. Clique aqui


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar