Ásia dia 2: Bangkok – Grand Palace, Wat Pho, calor e comprinhas

Eu resolvi fazer uma espécie de diário de bordo dessa viagem a Ásia, falar do dia a dia, o que eu descobri e como foi. Claro, depois eu farei posts detalhados sobre tudo. Esses posts vão servir de pincelada do que vem depois.

Hoje eu acordei às 5h da manhã com os monges do templo em frente ao hotel entoando seus cânticos e orações, foi uma primeira experiência de muitas, tenho certeza, que esse canto do mundo está guardando para todos que vem até aqui.

Tomei meu café e aqui já tive um primeiro choque. O café da manhã é praticamente um almoço, muitas frituras, peixes, carne e macarrão e coisas que eu não faço ideia do que seja. Sorte que por ser um lugar que recebe gente de todo mundo, tinham algumas opções de pães, frutas, café, leite e um pancake de banana que eu me apaixonei, comi 3 #Vai Gordinho!

O que deu pra comer

O que deu pra comer

O primeiro lugar que eu queria visitar em Bangkok é o Grand Palace, que são um conjunto de palácios construídos em 1792 que serviram de residência para os reis da Tailândia e é o ponto turístico mais famoso daqui.

Do meu hotel até lá, dá para ir a pé tranquilamente. As ruas são bem caóticas, atravessar é um exercício de paciência, a menos que você queira ser atropelado.

As calçadas são tomadas de plantas, barraquinhas que vendem de tudo, comida de rua e muito lixo. O cheiro de esgoto também é forte.

Muita gente

Muita gente

Chegando no Grand Palace, eu sabia que não dava para entrar de bermuda, então eu levei uma calça na mochila, mas não resisti e comprei uma calça típica de tecinho fininho que os homens usam para frequentar os templos. Preço? 200 Baths (uns 20 reais). Note que uma das coisas que eu quero fazer durante essa viagem é avaliar se os preços daqui realmente são baratos. A calça foi uma pechincha. Comecei bem!

Entrando no clima

Entrando no clima

O Grand Palace é absurdamente lindo e vai ter post e vídeo só para ele, mas por ser ano novo aqui, a entrada de 500 Baths não foi cobrada, por conta disso o lugar estava abarrotado de pessoas, era difícil andar, fotografar e até respirar.

Para entrar nos templos, que são absolutamente lindos, tem que tirar os sapatos. Com tanta gente, o cheio de chulé era insuportável, o chão ligeiramente úmido me fez querer sumir dali de dentro.

Grand Palace

Grand Palace

Honestamente, eu não consegui aproveitar muito o Grand Palace, justamente por conta da multidão e do calor forte, muito forte, talvez até mais que Manaus. Eu tive a sensação que ia desmaiar e procurei sair dali depois de umas 2 horas explorando o complexo.

Grand Palace

Grand Palace

Do lado de fora comprei uma água por 20 Baths (uns 2 reais), já to achando a Tailândia o máximo haha. Tomar água aqui é bem perigoso, dentro do templo não vende água, tem uns bebedouros com água da rua, não recomendo, a menos que você queira ter uma dor de barriga. Também só compre água com lacre, isso é o mais recomendado.

Depois do Grand Palace, fui até o Wat Pho, que é o famoso templo do Buda Deitado. Aqui a entrada foi cobrada, 100 Baths (10 reais) e estava bem mais vazio. No Wat Pho eu consegui relaxar e aproveitar realmente a visita a um típico templo budista da Tailândia.

Paz em Wat Pho

Paz em Wat Pho

Deu pra relaxar

Deu pra relaxar

O lugar é enorme, tinha um festival de danças típicas rolando e eu fiz vídeos ótimos. #Vaitervideo SIM! Se reclamar, vai ter mais! Comprei uns ímãs de geladeira lindões por 100 Baths cada (1o reais). To me sentindo até rico.

Danças típicas

Danças típicas

E mais dancinhas

E mais dancinhas

Depois do Wat Pho eu resolvi voltar ao hotel para tentar comer alguma coisa, o calor era tanto que estava me dando até enjoo. É um calor abafado, quem conhece Manaus vai saber do que eu estou falando. Foi tanto calor que ao longo do dia eu achei que ia desmaiar duas vezes. Tomei uma Coca-cola gritando de tão gelada que foi como uma injeção de adrenalina no coração. Ah, uma Coca de 450ml aqui custa 30 Baths (3 reais).

Do lado de fora tinha uma tiazinha vendendo uns panos típicos lindos, comprei um por 100 Baths (10 reais). O que eu vou fazer? Um turbante, sei lá. Mas é bonito, viu?!

Na volta do hotel achei uma Boots (rede de farmácia britânica que eu amo) e um mercadinho. Comprei uma garrada de água de 1,5l, um pacote de biscoitos, uma torta de milho assada na hora (maravilhosa) e um donut. Preço da comprinha? 75 Baths (7,50 reais). Gente, é barato mesmo!

E o resto do dia? Passei na piscina do hotel, quem vai me julgar?


Leia mais:

Todos os posts do mochilão pela Ásia



Eu já estive em Bangkok mais 5 vezes e aliás, já morei lá durante o ano de 2018. Todos os hotéis que eu vou indicar neste post eu já conheço e já me hospedei neles. Leia o post completo com todas as dicas ou confira os principais destaques aqui embaixo:

Rambuttri Village Plaza é um achado! Ele fica no coração do centro histórico de Bangkok, pertinho da Khao San. Embora essa região seja bem cheia, ele fica em uma rua super gostosa e bem tranquila. E foi neste hotel que eu me hospedei em duas ocasiões em Bangkok.

Amara Bangkok faz parte de uma rede de hotéis lá da Ásia, com duas unidades em Singapura, uma em Xangai e este em Bangkok. E não é exagero dizer, esse foi o melhor hotel que eu fiquei em Bangkok.

Prime Hotel Central Station foi reformado a pouco tempo, o quarto era enorme, com uma cama muito confortável. Uma bela vista da estação Hua Lampong, de onde saem os trens para Ayutthaya e para todos os cantos da Tailândia. 

The Quarter Ladprao fica em uma localização super estratégica em Bangkok, perto do Aeroporto Don Mueang e com fácil acesso de trem ao Aeroporto Internacional Suvarnabhumi.

Por fim, um hotel para quem está em trânsito. Eu fiquei no Suvarnabhumi Ville Airport Hotel durante uma conexão longa no Aeroporto Internacional Suvarnabhumi. O hotel fica ao lado do aeroporto, coladinho na pista. Inclusive eles tem um bar no rooftop – que serve drinks maravilhosos e ótimos pratos –  e de onde temos uma vista sensacional dos pousos e decolagens.


Quando ir e quanto custa:
Qual é a melhor época para visitar a Tailândia
Quanto custa viajar para a Tailândia?
Custo de vida na Tailândia
Que moeda levar para a Tailândia

Imigração e serviços:
Chegando em Bangkok por Suvarnabhumi e Dom Mueang
As companhias aéreas low-cost da Tailândia
Como funciona o Grab, o Uber da Ásia
Chip de internet na Tailândia

Leia mais::
Perigos e golpes na Tailândia
15 coisas que você precisa saber antes de visitar
Songkran, o ano novo tailandês

Para organizar a sua viagem:
O que fazer em Bangkok
Onde ficar em Bangkok
Como usar o metrô de Bangkok

Roteiros em Bangkok:
O que fazer em Bangkok
O melhor roteiro de barco em Bangkok
8 experiências em Bangkok
O que fazer em Ayutthaya (bate volta)

Atrações de Bangkok:
Grand Palace e Wat Phra Kaew
Wat Arun: o templo do amanhecer
Wat Pho: o templo do Buda deitado
Passeios de barco em Bangkok
O melhor roteiro de barco em Bangkok
Chinatown e o templo do Buda de Ouro
Templo de Mármore em Bangkok
Templo Golden Mount
Mercado Flutuante
Mercado do trem
Khao San Road
Suan Pakkad Palace
Chatuchack Weekend Market
Asiatique
Iconsian
Jim Thompson House
Caminhe sobre Bangkok em uma passarela de vidro


Como chegar em Ayutthaya
O que fazer em Ayutthaya (bate volta)


O que fazer em Chiang Mai
Onde ficar em Chiang Mai
Aldeia das “mulheres girafa”
Tiger Kingdom
Templo Doi Suthep
Festival das Laternas de Chiang Mai
Uma experiência com os monges de Chiang Mai


Sukhothai, o berço da civilização tailandesa


Krabi & Railay Beach
Railay Beach, como chegar e o que fazer
Roteiro pelas ilhas saindo de Krabi
A ilha dos morcegos gigantes
Tour das 7 ilhas

Phi Phi Island
O que fazer em Phi Phi Islands
Como chegar em Phi Phi
Onde ficar em Phi Phi
Maya Bay
Mergulho em Phi Phi

Phuket
O que fazer em Phuket
Patong Beach em Phuket

Koh Lipe
O que fazer em Koh Lipe
Como chegar em Koh Lipe
Onde ficar

Koh Samui
Dicas de Koh Samui, como chegar e o que fazer
Três ilhas unidas por uma praia em Koh Ningyuan










Reservando um serviço com um dos parceiros do blog, você ajuda o Vou na Janela a produzir mais conteúdo e não paga nada a mais por isso. O Vou na Janela só recomenda empresas e serviços em que confia.


mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em Bangkok na Tailândia, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

5 Comentários

  • Continue com o diário de bordo! Amando acompanhar a sua viagem 🙂

    • mm
      Responder abril 18, 2016

      Fabricio Moura

      Obrigadooo!

  • Responder janeiro 18, 2017

    Ricardo

    Boa tarde,
    Em março vou para Tailandia e Camboja, vou ficar alguns dias em Bangkok, pelos relatos dos seus post acredito que sua hospedagem foi em uma boa localização, gostaria de conhecer os templos e mercados (flutuante, etc) parecido com sua primeira passagem, porém o último dia é direto para o aeroporto (BKK) pois já volto para o Brasil. Teria alguma dica de hospedagem e passeios para 2 ou 3 dias?
    Onde você ficou nessa sua primeira passagem?
    Obrigado

    • mm
      Responder janeiro 21, 2017

      Fabricio Moura

      Olá! Eu fiquei no Rambuttri Village Plaza e quando eu voltar em Bangkok em abril desse ano, provavelmente ficarei lá de novo. Ele é pertinho da Khao San e dá pra fazer tudo a pé. O ruim é que essa região de BKK não tem metro, você tem que tomar um taxi de ou para a estação Makkasan ou Phaya Thai. No blog tem um guia de BKK: http://www.vounajanela.com/ebooks/guia-de-bangkok-versao-em-pdf-para-download/

      • Responder janeiro 23, 2017

        Ricardo

        Obrigado pelo retorno tanto sobre BKK como Krabi no outro post.

        Abraço

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.