O belíssimo Wat Arun, o templo do Amanhecer em Bangkok

O que fazer em Bangkok

Por mais que você conheça bem um lugar, sempre terá algo de novo para descobrir, concordam? Bangkok, a capital da Tailândia, já é uma conhecida minha e nessa última visita eu fui conhecer um dos templos mais famosos da cidade, o Wat Arun – O Templo do Amanhecer.

Bangkok tem mais de 400 templos, difícil encontrar um menos especial, mas existem lugares como o Wat Arun que não pode ficar de fora de qualquer roteiro.

Postado em:
Bangkok, Tailândia – 8 de Maio de 2017


Wat Arun


O Wat Arun fica do outro lado Rio Chao Phraya, exatamente em frente ao Wat Pho – Templo do Buda Reclinado. Como eu estava hospedado na região da Khaosan Road, eu caminhei até o Pier Tha Chang (pier número 9) para fazer a travessia. Importante dizer que em Bangkok não existem pontes para pedestres cruzarem o rio, a travessia é feita por barcos que dura menos de 5 minutos e custa 3 bahts, cerca de 0,30 centavos de real.

Parte mais antiga do templo

Parte mais antiga do templo

Existe um pier exatamente em frente ao Wat Arun (pier número 8), mas eu gosto de atravessar no pier Tha Chang pois os barcos desembarcam em frente ao templo Wat Rakangkositaram, que além de lindo, é um templo menos turístico e mais frequentado pelos Tailandeses, é uma maneira legal de ter uma experiência local.

Detalhes do templo

Detalhes do templo

Desembarcando no pier, a gente precisa passar por dentro do templo para chegar até a rua Trok Wateakakang Alley, seguir por ela até avenida Thanon Arun Amarin (que já tem até o nome do templo), virar a esquerda e seguir em frente por uns 500 metros até a entrada do templo, que está sinalizada com o nome “Wat Arun – Temple of Dawn”.

A entrada do templo custa 100 baths (10 reais), diferente de alguns templos, pode entrar de bermuda na altura do joelho, mas roupas femininas decotadas não podem entrar. Respeito e bom senso, né?

Budas por todos os cantos

Budas por todos os cantos

O Wat Arun foi construído em 1768 pelo Rei Taksin, no lugar onde já existia um templo bem mais antigo. Isso foi na época em que a capital da Tailândia – na época Reino do Sião – foi transferida de Ayutthaya, que tinha sido destruída pelo exército da Birmânia, atual Mianmar.

O Wat Arun é conhecido como templo do amanhecer, pois o Rei Taksin viu um amanhecer lá e ficou encantado com o visual. O templo tem uma torre principal, um chedi, que tem 80 metros de altura e é todo revestido com conchas e pequenos pedaços de porcelana colorida, tudo ricamente adornado. Além de muitas figuras religiosas e figuras de guerreiros defendendo e sustentando a sua base.

Mais detalhes

Mais detalhes

O Wat Arun esteve fechado para reforma nos últimos anos, a torre principal ainda tem andaimes mas a visita já está liberada, só não fica muito bonito na foto.

Em volta da torre principal, existem outros quatro chedis que tem 60 metros de altura e todos são conectados por escadas e pátios. O Wat Arun é o que a gente chama de “templo externo”, sem um grande salão como a maioria dos templos budistas são.

Jardins do templo

Jardins do templo

Parte mais nova do Wat Arun

Parte mais nova do Wat Arun

Wat Arun

Wat Arun

Outros templos e jardins do Wat Arun

Outros templos e jardins do Wat Arun

Com o passar dos anos, o Wat Arun foi ganhando novas construções, com um grande templo ao lado dele, jardins, o pier e pátios. É um espaço que vale dar uma explorada com calma.

O Wat Arun fica aberto das 8h às 17h30, uma dica é visitar logo no começo da manhã, para evitar o calor excessivo do meio dia.


Procurando hospedagem em Bangkok?


Olha a nossa lista de sugestões no Booking.com. Reservando um hotel pelo Booking, você ajuda o blog e não paga nada a mais por isso. Clique aqui


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

Seja o primeiro a comentar