Doi Suthep: o templo da montanha em Chiang Mai, Tailândia

Doi Suthep

Eu nunca tinha ouvido falar de Chiang Mai na Tailândia até o mestre Google me mostrar alguns dos templos mais magníficos que eu poderia encontrar naquele país. Diante daquelas imagens de cair o queixo eu não pensei duas vezes e inclui a cidade no roteiro da minha viagem pela Ásia. Chiang Mai tem cerca de 300 templos, um mais incrível que o outro e mas um dos mais bonitos fica ligeiramente afastado, o Doi Suthep.

O templo Doi Suthep fica nas montanhas que circundam Chiang Mai, são mais de mil metros de altura. Em tese, daria para vê-lo desde a cidade, não fosse a neblina constante que cobre a montanha.

O nome correto do templo é “Wat Phra That Doi Suthep”, onde “Wat” significa templo. Ele começou a ser construído em 1383, isso mesmo amigos, é mais antigo que o descobrimento do Brasil. Sempre foi um lugar de isolamento, só em 1935 é que a primeira estrada foi aberta montanha acima.

Entrada do templo

Entrada do templo


Como chegar a Doi Suthep


Doi Suthep fica distante 15 quilômetros do centro de Chiang Mai e pelo menos 13 quilômetros são de subidas. A melhor e mais barata maneira de chegar até lá é pegando o que os tailandeses chamam de mini-bus, que nada mais é que uma caminhonete com caçamba coberta com dois bancos duros em cada lado.

O tal do "minibus"

O tal do “minibus”

Esses carros saem de pontos fixos em Chiang Mai, a maioria deles ficam nas avenidas que circundam a cidade murada e são fáceis de identificar, eles trazem o itinerário bem grande na frente.

Antes de embarcar, negocie com o motorista o preço, que sempre inclui a ida e a volta e não se esqueça de confirmar o horário de retorno. Em geral, a volta acontece 3 horas depois, que é tempo mais que suficiente para conhecer o templo.

A viagem até lá requer estômago forte, a estrada é cheia de curvas fechadas e os motoristas dirigem como se fosse o fim do mundo. Poucas vezes na vida eu senti tanto enjoo e eu não fui o único.

A viagem de ida e volta custou 150 Bahts (uns 15 reais) e a subida demora uns 20 minutos.

Você também pode contratar um tuk-tuk ou um tour em uma das várias agências de turismo da cidade, que levam os turistas em carros, vans ou ônibus.


Como é a visita a Doi Suthep


Ao chegar a Doi Suthep nos deparamos com a imensa escada que leva ao templo, são 300 degraus a perder de vista. A escada é cercada pela Naga, a cobra mitológica que teria protegido Buda e protege a entrada do templo. Naga pode ser vista em praticamente todos os templos Budistas da Tailândia e até em Angkor Wat no Camboja.

Escadaria magestosa

Escadaria majestosa

Quem não quiser subir a escadaria no meio da mata, existe uma espécie de funicular que faz o trajeto por 30 Bahts (3 reais).

No alto da escadaria fica a entrada do templo e a bilheteria, esse é um dos templos onde a entrada é cobrada, a grande maioria não é, mas é bem baratinho, só 30 Bahts (3 reais).

Olha a altura dessa escada

Olha a altura dessa escada

Doi Suthep não é um templo grande, em 3 horas dá para ver e rever muitas coisas. Ele foi construído do centro para as extremidades ao longo dos séculos e um olhar mais atento percebe essas diferenças arquitetônicas de anos e anos de construção.

Doi Suthep

Doi Suthep

Pela ilustração ao lado, a gente consegue ver essa estupa dourada central que foi a primeira parte do templo a ser construída e todo o entorno veio surgindo depois.

Dentro dessas muralhas é tudo muito dourado, a riqueza de detalhes impressiona, a gente fica meio sem saber para onde olhar.

É tudo muito rico e diferente. No entorno da estupa principal ficam templos menores.

Para entrar nessa área interna é preciso tirar os sapatos, mas o calor é tanto e o chão é tão quente que a gente não consegue ficar muito templo ali dentro.

Em toda a área externa tem lugares muito agradáveis para fugir do calor, além de vários mirantes, que apesar da neblina, dá para ver um pouco de Chiang Mai no pé da montanha.

Doi Suthep por ser tão famoso vive sempre cheio de turistas, não é um lugar onde a gente consegue se isolar e meditar, para isso existem dezenas de outros templos pouco conhecidos em Chiang Mai, mas a beleza do lugar faz com que ele mereça entrar na sua lista de lugares para visitar.

[Best_Wordpress_Gallery id=”4″ gal_title=”Doi Suthep”]


Dicas para visitar Doi Suthep


– A primeira dica é quanto as roupas, homens e mulheres podem entrar de bermudas na altura do joelho e nada de ombros a mostra ou roupas decotadas.

– Nas partes internas do templo não pode entrar de sapatos, respeite.

– Lá em cima tem lojinhas que vendem água e besteirinhas para comer.

– No pé do morro tem uma feirinha de artesanatos e comidas, vale uma visita.

Imagem de capa: Oriental Scape


Reserve os seus passeios em Chiang Mai



Eu escrevi um post com dicas de onde escolher a sua hospedagem em Chiang Mai. Recomendo a leitura. Entretanto eu vou deixar algumas dicas aqui embaixo.

Chiang Mai surgiu como uma cidade murada e com o passar dos séculos, ela foi crescendo para fora dessa área. E o melhor lugar para se hospedar em Chiang Mai é dentro dessa área ou no entorno dela.

Quando eu visitei Chiang Mai, eu me hospedei no Rich Lanna House. O hotel tem um ambiente super acolhedor, quartos amplos, ótimo café da manhã e uma bela piscina para se refrescar no calorão.

Perto do Night Bazaar eu recomendo o Zero Chiang Mai, um hotel 3 estrelas super charmoso e com quartos arejados e modernos.

Dentro do centro histórico eu recomendo o fantástico U Chiang Mai. Um hotel que não tem como errar, além de proporcionar uma experiência única no coração do centro histórico.

O Baan Boo Loo Village é outro hotel que fica dentro do centro histórico, mas e esse hotel é muito especial, ele é composto por casas tradicionais tailandesas. Eu já fiquei em um hotel assim, foi uma experiência única.

Se você busca economia, mas sem abrir mão do conforto, recomendo o imbatível Eurana Boutique Hotel. Um hotel 3 estrelas muito confortável com diárias a partir de 100 reais. Incrível, não é?


Quando ir e quanto custa:
Qual é a melhor época para visitar a Tailândia
Quanto custa viajar para a Tailândia?
Custo de vida na Tailândia
Que moeda levar para a Tailândia

Imigração e serviços:
Chegando em Bangkok por Suvarnabhumi e Dom Mueang
As companhias aéreas low-cost da Tailândia
Como funciona o Grab, o Uber da Ásia
Chip de internet na Tailândia

Leia mais::
Perigos e golpes na Tailândia
15 coisas que você precisa saber antes de visitar
Songkran, o ano novo tailandês

Para organizar a sua viagem:
O que fazer em Bangkok
Onde ficar em Bangkok
Como usar o metrô de Bangkok

Roteiros em Bangkok:
O que fazer em Bangkok
O melhor roteiro de barco em Bangkok
8 experiências em Bangkok
O que fazer em Ayutthaya (bate volta)

Atrações de Bangkok:
Grand Palace e Wat Phra Kaew
Wat Arun: o templo do amanhecer
Wat Pho: o templo do Buda deitado
Passeios de barco em Bangkok
O melhor roteiro de barco em Bangkok
Chinatown e o templo do Buda de Ouro
Templo de Mármore em Bangkok
Templo Golden Mount
Mercado Flutuante
Mercado do trem
Khao San Road
Suan Pakkad Palace
Chatuchack Weekend Market
Asiatique
Iconsian
Jim Thompson House
Caminhe sobre Bangkok em uma passarela de vidro


Como chegar em Ayutthaya
O que fazer em Ayutthaya (bate volta)


O que fazer em Chiang Mai
Onde ficar em Chiang Mai
Aldeia das “mulheres girafa”
Tiger Kingdom
Templo Doi Suthep
Festival das Laternas de Chiang Mai
Uma experiência com os monges de Chiang Mai


Sukhothai, o berço da civilização tailandesa


Krabi & Railay Beach
Railay Beach, como chegar e o que fazer
Roteiro pelas ilhas saindo de Krabi
A ilha dos morcegos gigantes
Tour das 7 ilhas

Phi Phi Island
O que fazer em Phi Phi Islands
Como chegar em Phi Phi
Onde ficar em Phi Phi
Maya Bay
Mergulho em Phi Phi

Phuket
O que fazer em Phuket
Patong Beach em Phuket

Koh Lipe
O que fazer em Koh Lipe
Como chegar em Koh Lipe
Onde ficar

Koh Samui
Dicas de Koh Samui, como chegar e o que fazer
Três ilhas unidas por uma praia em Koh Ningyuan










Reservando um serviço com um dos parceiros do blog, você ajuda o Vou na Janela a produzir mais conteúdo e não paga nada a mais por isso. O Vou na Janela só recomenda empresas e serviços em que confia.


mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em Bangkok na Tailândia, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

2 Comentários

  • Responder novembro 2, 2017

    Alex

    Maravilha, só não curti o pé no chão quente, mas tirar o calçado inclui a meia? Talvez uma daquelas grossas resolva.

    • mm
      Responder novembro 2, 2017

      Fabricio Moura

      Meia pode sim, mas o chão é tão quente que não ajuda muito.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.