Ásia dia 26: Ayutthaya e a ferrovia da morte de Mianmar

Ferrovia da morte de Mianmar

Último dia na Ásia, tinha que ser fodástico no mínimo, pra fechar com chave de ouro mesmo, pra ser inesquecível e se tivesse perrengue, tudo bem, faz parte. Eu já tinha reservado o dia para um bate-volta até Ayutthaya, a antiga capital do Reino do Sião e que fica uns 70 quilômetros de Bangkok, mas no meio disso tudo entrou a ferrovia da morte de Mianmar.

 

A viagem até Ayutthaya não é tão longe e cabe perfeitamente no roteiro de bate-volta. Mas eu fiquei vendo algumas imagens da tal ferrovia que liga os estados de Kanchanaburi a Mianmar, a chamada “Burma Death Railway” (Ferrovia da Morte de Mianmar) que começa em Kanchanaburi e vai até o país vizinho.

 

De Ayutthaya até lá não é tão longe, cerca de 150 quilômetros e vi que tinham ônibus que faziam a viagem em 3 horas. O trem que sai de Kanchanaburi percorre menos de 70 quilômetros até onde eu desceria, fiz um planejamento rápido e dava para visitar Ayutthaya, pegar o busão até Kanchanaburi e o trem. Morrendo de medo de dar merda, já que meu retorno para o Brasil era no dia seguinte, mas vamos lá!

Linda ou não?

Linda ou não?

Ayutthaya

A minha vontade era ir até Ayutthaya de trem, mas a viagem demora de 1h45 até 3h, já as vans que saem de frente a estação ferroviária de Bangkok fazem o percurso em 1 hora. Peguei a van às 5h da manhã e às 6h10 estava em Ayutthaya.

O lugar faz jus a fama! Realmente sensacional. Os antigos templos datam de 1350, amigos, muito antes de qualquer sombra de descobrimento do Brasil a cidade já existia. São mais de 10 templos, mesmo com um dia cheio, não dá para visitar tudo com calma. Priorizei os mais famosos e como cheguei bem cedo, deu pra curtir bastante antes da multidão de turistas chineses chegar e atrapalhar tudo.

Um dos muitos Budas

Um dos muitos Budas

Fui para a rodoviária e para minha sorte, tinha uma van que estava indo para Kanchanaburi e que fazia a viagem em 1h30 segundo o motorista. Seria perfeito para conseguir pegar o trem, se não, ferrou todo o planejamento.

Ferrovia da morte de Mianmar

Peguei a van, paguei míseros 100 Baths e confesso que apaguei no caminho. Fui acordado pelo motorista em frente a estação de trens de Kanchanaburi por volta do meio dia. O trem estava programado para sair às 12h45, comprei o bilhete e… cadê o trem?  Taí uma coisa que eu aprendi nessas andanças pela Tailândia: fora de Bangkok, nenhum trem sai no horário correto.

E esse é o trem #medo

Ferrovia da morte de Mianmar: O trem

O trem estava na estação, ali é o ponto inicial da viagem, mas por que motivo eu não faço ideia, ele estava em outra área e quase 1 hora depois ele parou na plataforma.

A história da ferrovia é de arrepiar. Ela foi construída pelos japoneses durante a Segunda Guerra Mundial para levar suprimentos de Bangkok até a Birmânia (hoje Mianmar), ao todo, quase 300 mil prisioneiros de guerra, asiáticos e ocidentais trabalharam para construir a ferrovia. Desses, mais de 100 mil morreram na construção.

A estação

Ferrovia da morte de Mianmar: A estação

A viagem até o ponto onde eu desceria é curta, são uns 70 quilômetros e pegaria o próximo tem de volta, esse operado por uma empresa estatal de Mianmar. A moça no balcão me disse que daria para fazer o trajeto e que era muito comum turistas fazerem essa mesma viagem e de fato, tinham muitos turistas na estação.

Nem preciso dizer que não existe conforto nenhum, alguns vagões tem bancos de madeira e outros de plástico duro. Mas a viagem em si, é sensacional. As paisagens no meio da mata são a melhor recompensa desse dia corrido.

O último vagão é concorrido e dá pra ter essa vista

Ferrovia da morte de Mianmar: O último vagão é concorrido e dá pra ter essa vista

O trem passa por pontes onde já aconteceram vários descarrilhamentos, desabamentos e acidentes sérios. Como nesse percurso não tem grandes cidades, o trem faz a viagem até rápida e às 15h30 chegamos.

Ainda do último vagão

Ferrovia da morte de Mianmar: Ainda do último vagão

Desembarquei numa cidade da província de Tanintharyi, o trem que voltaria para Kanchanaburi estava na estação, mas na verdade não era bem uma estação. Não tinha um prédio, era um entroncamento de ferrovias e o povo fica no meio dos trilhos esperando o trem.

Bateu um desespero quando eu perguntei se aquele era o trem de volta a Kanchanaburi e ninguém falava uma palavra de inglês até que uma pessoa da ferrovia me confirmou que sim, aquele era o trem e que já estava atrasado, mas que não sabia o porque e tão pouco quando ele sairia. Meu voo para Dubai sairia de Bangkok no outro dia a tarde, tinha uma janela de tempo boa caso desse ruim de vez por aqui.

O trem da volta

O trem da volta

Pouco antes das 17h o trem apitou, o povo embarcou e partimos. Os vagões eram ainda piores que o outro, mas tava valendo. A viagem de volta foi ótima também, foi bem mais rápida e aproveitei para me sentar do outro lado do vagão. Mianmar merece uns dias numa próxima ocasião, anotem isso.

Chegamos em Kanchanaburi às 18h40, peguei uma van em frente a estação até Bangkok e apaguei mais uma vez. De Kanchanaburi até Bangkok não é longe, uns 80 quilômetros e às 20h já estávamos aqui e ufa, deu tudo certo.

O que dizer de hoje? Esse dia foi louco!

Leia mais:
Todos os posts do mochilão pela Ásia


Sigam o Vou na Janela no Facebook e no Instagram


 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestPrint this page
mm

Fabricio Moura

Meu nome é Fabricio, moro em São Paulo, sou designer e apaixonado pelo mundo. Descobri que viajar é se perder e se encontrar. Se conhecer melhor e se amar mais. Acumular histórias e experiências. Vamos?

2 Comentários

  • Responder outubro 17, 2016

    Sofia Jones

    Olá Fábio,
    Eu gostava de perceber melhor o percurso até Ayutthaya.
    Também eu gostava de o incluir no meu itinerário e achei interessante a inclusão da ferrovia da morte de Mianmar.
    Mas ao longo do texto que li no post não percebi como se apanhou esse comboio até lá, se primeiro apanha-se um autocarro e depois o comboio, onde se troca, onde se apanha, ou se se partiu às 6 da manhã de autocarro como é que só se chegou a Ayutthaya às 12h.

    Obrigada,
    Boas viagens,
    Sofia Jones

    • mm
      Responder outubro 18, 2016

      Fabricio Moura

      oi Sofia, tudo bem? O que eu fiz foi loucura pois era o meu último dia na Tailândia. Eu recomendo fazer um passeio desses por dia. Para ir a Ayutthaya a melhor maneira é contratando um tour ou pegando uma van perto do Victory Monument e custa 70 Bahts. O trem tem que pegar em Kanchanaburi. A melhor maneira é pegar uma van até Kanchanaburi e lá embarcar no trem.

Deixe uma resposta